Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

GÊNERO E ENSINO DE LITERATURA: IDENTIDADE (S) DA MULHER NEGRA EM O CORTIÇO

Palavra-chaves: LITERATURA, RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, IDENTIDADE FEMININA Comunicação Oral (CO) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
"2014-09-18 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 7345
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 864
    "inscrito_id" => 3578
    "titulo" => "GÊNERO E ENSINO DE LITERATURA: IDENTIDADE (S) DA MULHER NEGRA EM O CORTIÇO"
    "resumo" => "O presente trabalho abordou às relações étnico-raciais, entre literatura brasileira e processos identitários, delimitado aqui, a constituição da identidade da mulher negra (Bertoleza e Rita Baiana) na obra O Cortiço. Desde o séc. XIX que se inicia uma busca pela identidade nacional, sobretudo na literatura, e o índio aparece como o representante dessa identidade. O negro não faz parte desse projeto de identidade nacional romântica, descartando-o assim, como tema literário. Essa é a visão que é apresentada geralmente nas séries do ensino médio. Por esse motivo é que escolhemos O cortiço de Aluísio Azevedo para desconstruirmos essa visão estereotipada do negro. Foi pensando nessa forma distorcida de apresentar para os alunos a literatura canônica da segunda metade do séc. XIX que passamos a adotar uma forma diferenciada de trabalhar a Literatura Brasileira em sala de aula. E que forma seria essa? Que movimento literário escolhermos para essa nova forma de abordar a historiografia, como também as obras que de algum modo se enquadram dentro desse movimento? A escola literária foi o Realismo/Naturalismo e a obra adotada foi O cortiço do Aluísio Azevedo.  Na visão de Toller Gomes¹ , o romantismo se escondeu sob o paternalismo e sob uma visão idílica das relações raciais, fazendo parecer menor o” problema” que se apresentava ameaçador para a elite política do séc. XIX – a escravidão. Acreditamos que a leitura da obra deve perpassar os sentidos literários e se articular com as questões sociais e, por isso, nosso objetivo foi: discutir as relações étnico-raciais a luz das ideias de Munanga (2005), Bernd (2003) Silva (2005), Hall (2006), entre outros nas aulas de literatura no Ensino Médio, vinculadas ao Subprojeto de LP PIBID/CH/UEPB. A temática discutida chamou mais a atenção dos (as) alunos (as) do que o enredo da obra."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, IDENTIDADE FEMININA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_11_08_2014_10_42_15_idinscrito_3578_5ba7c755af4fcc5b6c27da5d9f16ff52.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:54"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA DAS DORES JUSTO"
    "autor_nome_curto" => "DORA"
    "autor_email" => "dora.justo@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FIP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 7345
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 864
    "inscrito_id" => 3578
    "titulo" => "GÊNERO E ENSINO DE LITERATURA: IDENTIDADE (S) DA MULHER NEGRA EM O CORTIÇO"
    "resumo" => "O presente trabalho abordou às relações étnico-raciais, entre literatura brasileira e processos identitários, delimitado aqui, a constituição da identidade da mulher negra (Bertoleza e Rita Baiana) na obra O Cortiço. Desde o séc. XIX que se inicia uma busca pela identidade nacional, sobretudo na literatura, e o índio aparece como o representante dessa identidade. O negro não faz parte desse projeto de identidade nacional romântica, descartando-o assim, como tema literário. Essa é a visão que é apresentada geralmente nas séries do ensino médio. Por esse motivo é que escolhemos O cortiço de Aluísio Azevedo para desconstruirmos essa visão estereotipada do negro. Foi pensando nessa forma distorcida de apresentar para os alunos a literatura canônica da segunda metade do séc. XIX que passamos a adotar uma forma diferenciada de trabalhar a Literatura Brasileira em sala de aula. E que forma seria essa? Que movimento literário escolhermos para essa nova forma de abordar a historiografia, como também as obras que de algum modo se enquadram dentro desse movimento? A escola literária foi o Realismo/Naturalismo e a obra adotada foi O cortiço do Aluísio Azevedo.  Na visão de Toller Gomes¹ , o romantismo se escondeu sob o paternalismo e sob uma visão idílica das relações raciais, fazendo parecer menor o” problema” que se apresentava ameaçador para a elite política do séc. XIX – a escravidão. Acreditamos que a leitura da obra deve perpassar os sentidos literários e se articular com as questões sociais e, por isso, nosso objetivo foi: discutir as relações étnico-raciais a luz das ideias de Munanga (2005), Bernd (2003) Silva (2005), Hall (2006), entre outros nas aulas de literatura no Ensino Médio, vinculadas ao Subprojeto de LP PIBID/CH/UEPB. A temática discutida chamou mais a atenção dos (as) alunos (as) do que o enredo da obra."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, IDENTIDADE FEMININA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_1datahora_11_08_2014_10_42_15_idinscrito_3578_5ba7c755af4fcc5b6c27da5d9f16ff52.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:54"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:25"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA DAS DORES JUSTO"
    "autor_nome_curto" => "DORA"
    "autor_email" => "dora.justo@hotmail.com"
    "autor_ies" => "FIP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

O presente trabalho abordou às relações étnico-raciais, entre literatura brasileira e processos identitários, delimitado aqui, a constituição da identidade da mulher negra (Bertoleza e Rita Baiana) na obra O Cortiço. Desde o séc. XIX que se inicia uma busca pela identidade nacional, sobretudo na literatura, e o índio aparece como o representante dessa identidade. O negro não faz parte desse projeto de identidade nacional romântica, descartando-o assim, como tema literário. Essa é a visão que é apresentada geralmente nas séries do ensino médio. Por esse motivo é que escolhemos O cortiço de Aluísio Azevedo para desconstruirmos essa visão estereotipada do negro. Foi pensando nessa forma distorcida de apresentar para os alunos a literatura canônica da segunda metade do séc. XIX que passamos a adotar uma forma diferenciada de trabalhar a Literatura Brasileira em sala de aula. E que forma seria essa? Que movimento literário escolhermos para essa nova forma de abordar a historiografia, como também as obras que de algum modo se enquadram dentro desse movimento? A escola literária foi o Realismo/Naturalismo e a obra adotada foi O cortiço do Aluísio Azevedo. Na visão de Toller Gomes¹ , o romantismo se escondeu sob o paternalismo e sob uma visão idílica das relações raciais, fazendo parecer menor o” problema” que se apresentava ameaçador para a elite política do séc. XIX – a escravidão. Acreditamos que a leitura da obra deve perpassar os sentidos literários e se articular com as questões sociais e, por isso, nosso objetivo foi: discutir as relações étnico-raciais a luz das ideias de Munanga (2005), Bernd (2003) Silva (2005), Hall (2006), entre outros nas aulas de literatura no Ensino Médio, vinculadas ao Subprojeto de LP PIBID/CH/UEPB. A temática discutida chamou mais a atenção dos (as) alunos (as) do que o enredo da obra.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.