Artigo Anais VII CONEDU - Edição Online

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

SUJEITOS-PROFESSORES E EXPERIÊNCIAS COM A ESCRITA: MEMÓRIAS, ANGÚSTIAS, MARCAS E IMPLICAÇÕES NA TESSITURA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

Palavra-chaves: ESCRITAS, EXPERIÊNCIAS, MEMÓRIAS, ANÁLISE DE DISCURSO, PSICANÁLISE Comunicação Oral (CO) GT 01 - Formação de Professores
"2020-11-04 09:38:28"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 69565
    "edicao_id" => 141
    "trabalho_id" => 2759
    "inscrito_id" => 6911
    "titulo" => "SUJEITOS-PROFESSORES E EXPERIÊNCIAS COM A ESCRITA: MEMÓRIAS, ANGÚSTIAS, MARCAS E IMPLICAÇÕES NA TESSITURA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA"
    "resumo" => "OS PRESSUPOSTOS BÁSICOS NOS QUAIS ESTA PESQUISA SE ANCORA CENTRAM-SE NOS POSTULADOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA ANÁLISE DE DISCURSO (DORAVANTE AD) DE MATRIZ FRANCESA PECHEUXTIANA, NA TEORIA SÓCIO-HISTÓRICA DO LETRAMENTO, NA PSICANÁLISE FREUDO-LACANIANA E NAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, BEM COMO EM NOSSA EXPERIÊNCIA NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO, NA POSIÇÃO DE COORDENADORA PEDAGÓGICA, EM QUE NOS DEPARAMOS COM A CONSTANTE ANGÚSTIA DOS PROFESSORES QUANDO LHES É SOLICITADO UM TEXTO ESCRITO. ESSA PERCEPÇÃO INSTIGOU-NOS À REALIZAÇÃO DE UMA PESQUISA PELA QUAL PRETENDEMOS SABER COMO FOI A RELAÇÃO DOS SUJEITOS-PROFESSORES COM A ESCRITA DURANTE SUA FASE ESCOLAR, BEM COMO SE ESSA RELAÇÃO – CONFLITUOSA OU NÃO – ECOA NOS DIZERES E FAZERES DE SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA. OS GESTOS INTERPRETATIVOS PRELIMINARES ORIUNDOS DAS ANÁLISES DAS ENTREVISTAS PERMITEM-NOS ASSINALAR AS SEGUINTES CONSIDERAÇÕES: EM SEU PERCURSO COMO ESTUDANTES, OS PROFESSORES NÃO ESCREVIAM COMO POSSIBILIDADE DE CRIAR, MAS, SIM, DE REPRODUZIR O JÁ POSTO, OU SEJA, SUAS ESCRITAS ERAM ESVAZIADAS DE SUBJETIVIDADE EM DETRIMENTO DO LOGICAMENTE ESTABILIZADO DENTRO DA ESCOLA, IMPEDINDO QUE SE TORNASSEM AUTORES DE SEUS DIZERES E DE SUA ESCRITA. QUANDO INSTADOS A FALAR DE ESCRITA, HÁ O UM APAGAMENTO E UMA SUBSTITUIÇÃO DESSA PELO DISCURSO DA LEITURA, O QUE NOS FAZ ENTENDER A CONDIÇÃO DE EXÍLIO DA ESCRITA DENTRO DAS PRÁTICAS ESCOLARES. PERCEBEMOS QUE OS PROFESSORES NÃO SE SENTEM AUTOR/IZADOS A ESCREVER, POIS, DEPENDENDO DO QUE E COMO ESCREVEM, PODEM SER PUNIDOS E SE TORNAREM TRANSGRESSORES, VISTO QUE AINDA PERCORRE DENTRO DOS CORREDORES ESCOLARES E DA SOCIEDADE O IMAGINÁRIO DE QUE PROFESSOR SABE TUDO E QUE NÃO PODE ERRAR."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 01 - Formação de Professores"
    "palavra_chave" => "ESCRITAS, EXPERIÊNCIAS, MEMÓRIAS, ANÁLISE DE DISCURSO, PSICANÁLISE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV140_MD1_SA1_ID6911_01102020222204.pdf"
    "created_at" => "2020-11-04 17:47:29"
    "updated_at" => "2020-11-05 12:22:41"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOSIANE APARECIDA DE PAULA BARTHOLOMEU"
    "autor_nome_curto" => "JOSIANE BARTHOLOMEU"
    "autor_email" => "josianebartholomeu@usp.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP)"
    "autor_imagem" => null
    "edicao_url" => "anais-vii-conedu---edicao-online"
    "edicao_nome" => "Anais VII CONEDU - Edição Online"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional da Educação"
    "edicao_ano" => 2020
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2020"
    "edicao_logo" => null
    "edicao_capa" => "5fa41515b329e_05112020120701.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2020-11-04 09:38:28"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 69565
    "edicao_id" => 141
    "trabalho_id" => 2759
    "inscrito_id" => 6911
    "titulo" => "SUJEITOS-PROFESSORES E EXPERIÊNCIAS COM A ESCRITA: MEMÓRIAS, ANGÚSTIAS, MARCAS E IMPLICAÇÕES NA TESSITURA DA PRÁTICA PEDAGÓGICA"
    "resumo" => "OS PRESSUPOSTOS BÁSICOS NOS QUAIS ESTA PESQUISA SE ANCORA CENTRAM-SE NOS POSTULADOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA ANÁLISE DE DISCURSO (DORAVANTE AD) DE MATRIZ FRANCESA PECHEUXTIANA, NA TEORIA SÓCIO-HISTÓRICA DO LETRAMENTO, NA PSICANÁLISE FREUDO-LACANIANA E NAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, BEM COMO EM NOSSA EXPERIÊNCIA NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO, NA POSIÇÃO DE COORDENADORA PEDAGÓGICA, EM QUE NOS DEPARAMOS COM A CONSTANTE ANGÚSTIA DOS PROFESSORES QUANDO LHES É SOLICITADO UM TEXTO ESCRITO. ESSA PERCEPÇÃO INSTIGOU-NOS À REALIZAÇÃO DE UMA PESQUISA PELA QUAL PRETENDEMOS SABER COMO FOI A RELAÇÃO DOS SUJEITOS-PROFESSORES COM A ESCRITA DURANTE SUA FASE ESCOLAR, BEM COMO SE ESSA RELAÇÃO – CONFLITUOSA OU NÃO – ECOA NOS DIZERES E FAZERES DE SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA. OS GESTOS INTERPRETATIVOS PRELIMINARES ORIUNDOS DAS ANÁLISES DAS ENTREVISTAS PERMITEM-NOS ASSINALAR AS SEGUINTES CONSIDERAÇÕES: EM SEU PERCURSO COMO ESTUDANTES, OS PROFESSORES NÃO ESCREVIAM COMO POSSIBILIDADE DE CRIAR, MAS, SIM, DE REPRODUZIR O JÁ POSTO, OU SEJA, SUAS ESCRITAS ERAM ESVAZIADAS DE SUBJETIVIDADE EM DETRIMENTO DO LOGICAMENTE ESTABILIZADO DENTRO DA ESCOLA, IMPEDINDO QUE SE TORNASSEM AUTORES DE SEUS DIZERES E DE SUA ESCRITA. QUANDO INSTADOS A FALAR DE ESCRITA, HÁ O UM APAGAMENTO E UMA SUBSTITUIÇÃO DESSA PELO DISCURSO DA LEITURA, O QUE NOS FAZ ENTENDER A CONDIÇÃO DE EXÍLIO DA ESCRITA DENTRO DAS PRÁTICAS ESCOLARES. PERCEBEMOS QUE OS PROFESSORES NÃO SE SENTEM AUTOR/IZADOS A ESCREVER, POIS, DEPENDENDO DO QUE E COMO ESCREVEM, PODEM SER PUNIDOS E SE TORNAREM TRANSGRESSORES, VISTO QUE AINDA PERCORRE DENTRO DOS CORREDORES ESCOLARES E DA SOCIEDADE O IMAGINÁRIO DE QUE PROFESSOR SABE TUDO E QUE NÃO PODE ERRAR."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 01 - Formação de Professores"
    "palavra_chave" => "ESCRITAS, EXPERIÊNCIAS, MEMÓRIAS, ANÁLISE DE DISCURSO, PSICANÁLISE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV140_MD1_SA1_ID6911_01102020222204.pdf"
    "created_at" => "2020-11-04 17:47:29"
    "updated_at" => "2020-11-05 12:22:41"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JOSIANE APARECIDA DE PAULA BARTHOLOMEU"
    "autor_nome_curto" => "JOSIANE BARTHOLOMEU"
    "autor_email" => "josianebartholomeu@usp.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP)"
    "autor_imagem" => null
    "edicao_url" => "anais-vii-conedu---edicao-online"
    "edicao_nome" => "Anais VII CONEDU - Edição Online"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional da Educação"
    "edicao_ano" => 2020
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2020"
    "edicao_logo" => null
    "edicao_capa" => "5fa41515b329e_05112020120701.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2020-11-04 09:38:28"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 04 de novembro de 2020

Resumo

OS PRESSUPOSTOS BÁSICOS NOS QUAIS ESTA PESQUISA SE ANCORA CENTRAM-SE NOS POSTULADOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA ANÁLISE DE DISCURSO (DORAVANTE AD) DE MATRIZ FRANCESA PECHEUXTIANA, NA TEORIA SÓCIO-HISTÓRICA DO LETRAMENTO, NA PSICANÁLISE FREUDO-LACANIANA E NAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, BEM COMO EM NOSSA EXPERIÊNCIA NA CARREIRA DO MAGISTÉRIO, NA POSIÇÃO DE COORDENADORA PEDAGÓGICA, EM QUE NOS DEPARAMOS COM A CONSTANTE ANGÚSTIA DOS PROFESSORES QUANDO LHES É SOLICITADO UM TEXTO ESCRITO. ESSA PERCEPÇÃO INSTIGOU-NOS À REALIZAÇÃO DE UMA PESQUISA PELA QUAL PRETENDEMOS SABER COMO FOI A RELAÇÃO DOS SUJEITOS-PROFESSORES COM A ESCRITA DURANTE SUA FASE ESCOLAR, BEM COMO SE ESSA RELAÇÃO – CONFLITUOSA OU NÃO – ECOA NOS DIZERES E FAZERES DE SUA PRÁTICA PEDAGÓGICA. OS GESTOS INTERPRETATIVOS PRELIMINARES ORIUNDOS DAS ANÁLISES DAS ENTREVISTAS PERMITEM-NOS ASSINALAR AS SEGUINTES CONSIDERAÇÕES: EM SEU PERCURSO COMO ESTUDANTES, OS PROFESSORES NÃO ESCREVIAM COMO POSSIBILIDADE DE CRIAR, MAS, SIM, DE REPRODUZIR O JÁ POSTO, OU SEJA, SUAS ESCRITAS ERAM ESVAZIADAS DE SUBJETIVIDADE EM DETRIMENTO DO LOGICAMENTE ESTABILIZADO DENTRO DA ESCOLA, IMPEDINDO QUE SE TORNASSEM AUTORES DE SEUS DIZERES E DE SUA ESCRITA. QUANDO INSTADOS A FALAR DE ESCRITA, HÁ O UM APAGAMENTO E UMA SUBSTITUIÇÃO DESSA PELO DISCURSO DA LEITURA, O QUE NOS FAZ ENTENDER A CONDIÇÃO DE EXÍLIO DA ESCRITA DENTRO DAS PRÁTICAS ESCOLARES. PERCEBEMOS QUE OS PROFESSORES NÃO SE SENTEM AUTOR/IZADOS A ESCREVER, POIS, DEPENDENDO DO QUE E COMO ESCREVEM, PODEM SER PUNIDOS E SE TORNAREM TRANSGRESSORES, VISTO QUE AINDA PERCORRE DENTRO DOS CORREDORES ESCOLARES E DA SOCIEDADE O IMAGINÁRIO DE QUE PROFESSOR SABE TUDO E QUE NÃO PODE ERRAR.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.