Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

O MUNDO FORA DO CÂNONE: CONSIDERAÇÕES SOBRE ALGUMAS PEÇAS ‘APÓCRIFAS’ DE SHAKESPEARE

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4535
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 700
    "inscrito_id" => 978
    "titulo" => "O MUNDO FORA DO CÂNONE: CONSIDERAÇÕES SOBRE ALGUMAS PEÇAS ‘APÓCRIFAS’ DE SHAKESPEARE"
    "resumo" => "Com a publicação do Terceiro Folio das Obras de William Shakespeare em 1664, sete novas peças foram adicionas àquelas que anteriormente foram impressas no Primeiro (1623) e Segundo (1632) folios. Já no Primeiro, cerca de dezoito peças nunca antes impressas em formato Quarto foram adicionadas ao monumental trabalho realizado por antigos colegas do dramaturgo de Stratford-Upon-Avon. Durante muito tempo o “cânone” shakespeareano foi debatido, peças que hoje estão dentro, como Titus Andronicus, já possuíram seu momento de marginalidade.  A situação inversa também é válida. Outras, por sua vez, ainda disputam seu lugar no “cânone”, noção que vem se mostrando cada vez mais insuficiente ou incompatível quando falamos de peças de teatro datadas entre o século XVI e XVII na Inglaterra. Isso se dá, especialmente devido ao desenvolvimento de estudos sobre as interações entre dramaturgos – como autoria, atribuição e colaboração – e também acerca das práticas textuais – seleção de texto, edição, impressão e transmissão –, que reforçaram ou alteraram completamente intuições estéticas a partir do preenchimento dessas lacunas históricas.  Entre estas sete, apenas Péricles – a primeira da lista das adicionadas –, escrita em colaboração com George Wilkins, está presente em diversas coleções de “Obras Completas”. Porém, a lista vai mais longe, não se restringindo somente àquelas adicionadas em 1632. O caso de Sir Thomas More – não inclusa em nenhum dos Folios e possivelmente nunca impressa – talvez tenha sido o mais debatido (além de Cardenio, uma das peças coescrita com John Fletcher e hoje perdida), pois é uma situação em que a peça contém uma parte muito pequena atribuída a Shakespeare, sendo extremamente relevante à discussão quando se pensa tanto em colaboração – visível em seu manuscrito – ou em uma obra outrora afastada e recentemente incorporada – parcial ou integralmente – ao “cânone” , como também é o caso de Eduardo III. Thomas, Lord Cromwell é outra dessas sete peças, tematicamente próxima a Sir Thomas More, pois junto com a perdida Wolsey, retratam três dos homens que foram Lorde Chanceler durante o reinado de Henrique VIII. Esta comunicação visa discutir a relação entre “cânone” e “apócrifa” na obra de Shakespeare, recorrendo à peças cujos enredos são inspirados em personagens do período Tudor."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_978_8b4386f456fa2b6a370d6974af3ea8f5.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RÉGIS AUGUSTUS BARS CLOSEL"
    "autor_nome_curto" => "RÉGIS AUGUSTUS BARS CLOSEL"
    "autor_email" => "regis.closel@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNICAMP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4535
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 700
    "inscrito_id" => 978
    "titulo" => "O MUNDO FORA DO CÂNONE: CONSIDERAÇÕES SOBRE ALGUMAS PEÇAS ‘APÓCRIFAS’ DE SHAKESPEARE"
    "resumo" => "Com a publicação do Terceiro Folio das Obras de William Shakespeare em 1664, sete novas peças foram adicionas àquelas que anteriormente foram impressas no Primeiro (1623) e Segundo (1632) folios. Já no Primeiro, cerca de dezoito peças nunca antes impressas em formato Quarto foram adicionadas ao monumental trabalho realizado por antigos colegas do dramaturgo de Stratford-Upon-Avon. Durante muito tempo o “cânone” shakespeareano foi debatido, peças que hoje estão dentro, como Titus Andronicus, já possuíram seu momento de marginalidade.  A situação inversa também é válida. Outras, por sua vez, ainda disputam seu lugar no “cânone”, noção que vem se mostrando cada vez mais insuficiente ou incompatível quando falamos de peças de teatro datadas entre o século XVI e XVII na Inglaterra. Isso se dá, especialmente devido ao desenvolvimento de estudos sobre as interações entre dramaturgos – como autoria, atribuição e colaboração – e também acerca das práticas textuais – seleção de texto, edição, impressão e transmissão –, que reforçaram ou alteraram completamente intuições estéticas a partir do preenchimento dessas lacunas históricas.  Entre estas sete, apenas Péricles – a primeira da lista das adicionadas –, escrita em colaboração com George Wilkins, está presente em diversas coleções de “Obras Completas”. Porém, a lista vai mais longe, não se restringindo somente àquelas adicionadas em 1632. O caso de Sir Thomas More – não inclusa em nenhum dos Folios e possivelmente nunca impressa – talvez tenha sido o mais debatido (além de Cardenio, uma das peças coescrita com John Fletcher e hoje perdida), pois é uma situação em que a peça contém uma parte muito pequena atribuída a Shakespeare, sendo extremamente relevante à discussão quando se pensa tanto em colaboração – visível em seu manuscrito – ou em uma obra outrora afastada e recentemente incorporada – parcial ou integralmente – ao “cânone” , como também é o caso de Eduardo III. Thomas, Lord Cromwell é outra dessas sete peças, tematicamente próxima a Sir Thomas More, pois junto com a perdida Wolsey, retratam três dos homens que foram Lorde Chanceler durante o reinado de Henrique VIII. Esta comunicação visa discutir a relação entre “cânone” e “apócrifa” na obra de Shakespeare, recorrendo à peças cujos enredos são inspirados em personagens do período Tudor."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_978_8b4386f456fa2b6a370d6974af3ea8f5.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RÉGIS AUGUSTUS BARS CLOSEL"
    "autor_nome_curto" => "RÉGIS AUGUSTUS BARS CLOSEL"
    "autor_email" => "regis.closel@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNICAMP"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Com a publicação do Terceiro Folio das Obras de William Shakespeare em 1664, sete novas peças foram adicionas àquelas que anteriormente foram impressas no Primeiro (1623) e Segundo (1632) folios. Já no Primeiro, cerca de dezoito peças nunca antes impressas em formato Quarto foram adicionadas ao monumental trabalho realizado por antigos colegas do dramaturgo de Stratford-Upon-Avon. Durante muito tempo o “cânone” shakespeareano foi debatido, peças que hoje estão dentro, como Titus Andronicus, já possuíram seu momento de marginalidade. A situação inversa também é válida. Outras, por sua vez, ainda disputam seu lugar no “cânone”, noção que vem se mostrando cada vez mais insuficiente ou incompatível quando falamos de peças de teatro datadas entre o século XVI e XVII na Inglaterra. Isso se dá, especialmente devido ao desenvolvimento de estudos sobre as interações entre dramaturgos – como autoria, atribuição e colaboração – e também acerca das práticas textuais – seleção de texto, edição, impressão e transmissão –, que reforçaram ou alteraram completamente intuições estéticas a partir do preenchimento dessas lacunas históricas. Entre estas sete, apenas Péricles – a primeira da lista das adicionadas –, escrita em colaboração com George Wilkins, está presente em diversas coleções de “Obras Completas”. Porém, a lista vai mais longe, não se restringindo somente àquelas adicionadas em 1632. O caso de Sir Thomas More – não inclusa em nenhum dos Folios e possivelmente nunca impressa – talvez tenha sido o mais debatido (além de Cardenio, uma das peças coescrita com John Fletcher e hoje perdida), pois é uma situação em que a peça contém uma parte muito pequena atribuída a Shakespeare, sendo extremamente relevante à discussão quando se pensa tanto em colaboração – visível em seu manuscrito – ou em uma obra outrora afastada e recentemente incorporada – parcial ou integralmente – ao “cânone” , como também é o caso de Eduardo III. Thomas, Lord Cromwell é outra dessas sete peças, tematicamente próxima a Sir Thomas More, pois junto com a perdida Wolsey, retratam três dos homens que foram Lorde Chanceler durante o reinado de Henrique VIII. Esta comunicação visa discutir a relação entre “cânone” e “apócrifa” na obra de Shakespeare, recorrendo à peças cujos enredos são inspirados em personagens do período Tudor.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.