Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

VOZES DO MUNDO EM MILTON HATOUM: OS MIGRANTES DA AMAZÔNIA

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4325
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 488
    "inscrito_id" => 920
    "titulo" => "VOZES DO MUNDO EM MILTON HATOUM: OS MIGRANTES DA AMAZÔNIA"
    "resumo" => "Esta fala é resultado de uma pesquisa realizada nos dois últimos anos. Foram revisitados vários discursos em narrativas de viajantes, sejam elas etnográficas ou não, a fim de investigar o perfil de trabalhadores amazônicos nos séculos XIX e XX, e os processos de fixação desses perfis em narrativas ficcionais contemporâneas de autores amazônicos. Aqui, elegemos a ficção de Milton Hatoum, escritor amazonense, para análise do problema. Uma das conclusões imediatas da pesquisa foi a conjectura de que muitos desses perfis de trabalhadores foram construídos a partir da figura de migrantes, judeus, portugueses, italianos, libaneses, turcos e  japoneses. Desse modo, interessa-nos compartilhar o perfil de trabalhadores amazônicos traçados por viajantes e cientistas e o aproveitamento feito por romancistas para compor personagens identificados por sua dupla condição: primeiro ser estrangeiro em uma terra hostil, considerando as figurações e metáforas da floresta amazônica no imaginário europeu; em segundo, querer-se parte do lugar onde passa a viver, considerando as dificuldades de adaptação social, de interação linguística. A partir do discurso ficcional intentamos elaborar uma teoria imagética das figurações de trabalhadores, migrantes em território amazônico. Para que exista território é necessária uma ação de construção, produzida por seus diversos e distintos atores. Logo, a territorialidade está ligada a uma ação e ultrapassa o território. Assim, os migrantes que para a Amazônia vieram não perderam a essência de sua territorialidade anterior que, aos poucos e frente às novas realidades, adquiriram uma territorialização construída, a partir de novos modos de vida. É com esta vivência que se adquire uma nova identidade, consequentemente uma nova territorialização e configuração territorial. Nas obras analisadas, a saber, Cinzas do Norte, Órfãos do Eldorado e Cidade Ilhada, aparece o conflito entre a tradução e a não tradução dos mundos culturalmente heterogêneos, e por tanto a linguagem se mostra como lugar do político. Procurei estabelecer até que ponto as formas de representação do “outro”, junto com a reflexão sobre o sujeito da escrita, se aproximavam também dos questionamentos epistemológicos sobre a representação que vem se produzindo no âmbito das ciências sociais."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_920_0aff35ebc8bd1677e4c51cb8f5736a77.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GLEIDYS MEYRE DA SILVA MAIA"
    "autor_nome_curto" => "GLEIDYS MAIA"
    "autor_email" => "gleidmaia@terra.com.br"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4325
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 488
    "inscrito_id" => 920
    "titulo" => "VOZES DO MUNDO EM MILTON HATOUM: OS MIGRANTES DA AMAZÔNIA"
    "resumo" => "Esta fala é resultado de uma pesquisa realizada nos dois últimos anos. Foram revisitados vários discursos em narrativas de viajantes, sejam elas etnográficas ou não, a fim de investigar o perfil de trabalhadores amazônicos nos séculos XIX e XX, e os processos de fixação desses perfis em narrativas ficcionais contemporâneas de autores amazônicos. Aqui, elegemos a ficção de Milton Hatoum, escritor amazonense, para análise do problema. Uma das conclusões imediatas da pesquisa foi a conjectura de que muitos desses perfis de trabalhadores foram construídos a partir da figura de migrantes, judeus, portugueses, italianos, libaneses, turcos e  japoneses. Desse modo, interessa-nos compartilhar o perfil de trabalhadores amazônicos traçados por viajantes e cientistas e o aproveitamento feito por romancistas para compor personagens identificados por sua dupla condição: primeiro ser estrangeiro em uma terra hostil, considerando as figurações e metáforas da floresta amazônica no imaginário europeu; em segundo, querer-se parte do lugar onde passa a viver, considerando as dificuldades de adaptação social, de interação linguística. A partir do discurso ficcional intentamos elaborar uma teoria imagética das figurações de trabalhadores, migrantes em território amazônico. Para que exista território é necessária uma ação de construção, produzida por seus diversos e distintos atores. Logo, a territorialidade está ligada a uma ação e ultrapassa o território. Assim, os migrantes que para a Amazônia vieram não perderam a essência de sua territorialidade anterior que, aos poucos e frente às novas realidades, adquiriram uma territorialização construída, a partir de novos modos de vida. É com esta vivência que se adquire uma nova identidade, consequentemente uma nova territorialização e configuração territorial. Nas obras analisadas, a saber, Cinzas do Norte, Órfãos do Eldorado e Cidade Ilhada, aparece o conflito entre a tradução e a não tradução dos mundos culturalmente heterogêneos, e por tanto a linguagem se mostra como lugar do político. Procurei estabelecer até que ponto as formas de representação do “outro”, junto com a reflexão sobre o sujeito da escrita, se aproximavam também dos questionamentos epistemológicos sobre a representação que vem se produzindo no âmbito das ciências sociais."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_920_0aff35ebc8bd1677e4c51cb8f5736a77.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "GLEIDYS MEYRE DA SILVA MAIA"
    "autor_nome_curto" => "GLEIDYS MAIA"
    "autor_email" => "gleidmaia@terra.com.br"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Esta fala é resultado de uma pesquisa realizada nos dois últimos anos. Foram revisitados vários discursos em narrativas de viajantes, sejam elas etnográficas ou não, a fim de investigar o perfil de trabalhadores amazônicos nos séculos XIX e XX, e os processos de fixação desses perfis em narrativas ficcionais contemporâneas de autores amazônicos. Aqui, elegemos a ficção de Milton Hatoum, escritor amazonense, para análise do problema. Uma das conclusões imediatas da pesquisa foi a conjectura de que muitos desses perfis de trabalhadores foram construídos a partir da figura de migrantes, judeus, portugueses, italianos, libaneses, turcos e japoneses. Desse modo, interessa-nos compartilhar o perfil de trabalhadores amazônicos traçados por viajantes e cientistas e o aproveitamento feito por romancistas para compor personagens identificados por sua dupla condição: primeiro ser estrangeiro em uma terra hostil, considerando as figurações e metáforas da floresta amazônica no imaginário europeu; em segundo, querer-se parte do lugar onde passa a viver, considerando as dificuldades de adaptação social, de interação linguística. A partir do discurso ficcional intentamos elaborar uma teoria imagética das figurações de trabalhadores, migrantes em território amazônico. Para que exista território é necessária uma ação de construção, produzida por seus diversos e distintos atores. Logo, a territorialidade está ligada a uma ação e ultrapassa o território. Assim, os migrantes que para a Amazônia vieram não perderam a essência de sua territorialidade anterior que, aos poucos e frente às novas realidades, adquiriram uma territorialização construída, a partir de novos modos de vida. É com esta vivência que se adquire uma nova identidade, consequentemente uma nova territorialização e configuração territorial. Nas obras analisadas, a saber, Cinzas do Norte, Órfãos do Eldorado e Cidade Ilhada, aparece o conflito entre a tradução e a não tradução dos mundos culturalmente heterogêneos, e por tanto a linguagem se mostra como lugar do político. Procurei estabelecer até que ponto as formas de representação do “outro”, junto com a reflexão sobre o sujeito da escrita, se aproximavam também dos questionamentos epistemológicos sobre a representação que vem se produzindo no âmbito das ciências sociais.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.