Artigo Anais XIII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

HISTÓRIAS RECONTADAS: ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE BÍBLIA E LITERATURA E DA FEIA ATORA E AUTORA EM A MULHER QUE ESCREVEU A BÍBLIA DE MOACYR SCLIAR

Palavra-chaves: SAGRADO, BÍBLIA, LITERATURA, MULHER, MULHER Comunicação Oral (CO) GT 09 – Imaginário e gênero na literatura
"2018-07-13 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 42136
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 152
    "inscrito_id" => 240
    "titulo" => "HISTÓRIAS RECONTADAS: ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE BÍBLIA E LITERATURA E DA FEIA ATORA E AUTORA EM A MULHER QUE ESCREVEU A BÍBLIA DE MOACYR SCLIAR"
    "resumo" => "A vivência com o sagrado é historicamente representada através do contato mediado pelas religiões, seus livros e ritos. Hoje, porém, segundo Magalhães; Silva (2008, p. 159) ”já não vivemos mais num meio social no qual a religião exerce um poder totalizante e funciona como a única base na construção de identidades sociais, mas vivenciamos sim um espaço de identidades múltiplas e transitórias”. Nesse sentido, a experimentação subjetiva atravessa os limites do eu e chega a expressões sociais através da literatura, por exemplo. Eles continuam o raciocínio dizendo que a religião é uma das primeiras grandes linguagens de interpretação da condição humana, ou seja, o marcador da inteligibilidade do ser humano e de sua compreensão no espaço tem como marco inicial os textos que tratam de fé, religião e contato com o sagrado. Tendo o texto como objeto profícuo, o trabalho colocará, mais uma vez, em destaque, a relação tensa e ao mesmo tempo produtiva entre o literário e a Bíblia e isso será feito através da análise crítica do livro A mulher que escreveu a Bíblia (1999) de Moacyr Scliar. A narrativa traz para a leitura uma protagonista feminina que não faz parte dos padrões da época e os padrões aqui aferidos não fazem relação somente com a estética, mas também aos padrões de passividade alocados ao gênero. Toda essa quebra se dá dentro de um ambiente extremamente fechado e patriarcal onde Salomão é rei social e local, dono de todas as mulheres."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 09 – Imaginário e gênero na literatura"
    "palavra_chave" => "SAGRADO, BÍBLIA, LITERATURA, MULHER, MULHER"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA10_ID240_10052018110434.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "KEILA"
    "autor_nome_curto" => "SOUSA"
    "autor_email" => "keila-de@hotmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 42136
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 152
    "inscrito_id" => 240
    "titulo" => "HISTÓRIAS RECONTADAS: ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE BÍBLIA E LITERATURA E DA FEIA ATORA E AUTORA EM A MULHER QUE ESCREVEU A BÍBLIA DE MOACYR SCLIAR"
    "resumo" => "A vivência com o sagrado é historicamente representada através do contato mediado pelas religiões, seus livros e ritos. Hoje, porém, segundo Magalhães; Silva (2008, p. 159) ”já não vivemos mais num meio social no qual a religião exerce um poder totalizante e funciona como a única base na construção de identidades sociais, mas vivenciamos sim um espaço de identidades múltiplas e transitórias”. Nesse sentido, a experimentação subjetiva atravessa os limites do eu e chega a expressões sociais através da literatura, por exemplo. Eles continuam o raciocínio dizendo que a religião é uma das primeiras grandes linguagens de interpretação da condição humana, ou seja, o marcador da inteligibilidade do ser humano e de sua compreensão no espaço tem como marco inicial os textos que tratam de fé, religião e contato com o sagrado. Tendo o texto como objeto profícuo, o trabalho colocará, mais uma vez, em destaque, a relação tensa e ao mesmo tempo produtiva entre o literário e a Bíblia e isso será feito através da análise crítica do livro A mulher que escreveu a Bíblia (1999) de Moacyr Scliar. A narrativa traz para a leitura uma protagonista feminina que não faz parte dos padrões da época e os padrões aqui aferidos não fazem relação somente com a estética, mas também aos padrões de passividade alocados ao gênero. Toda essa quebra se dá dentro de um ambiente extremamente fechado e patriarcal onde Salomão é rei social e local, dono de todas as mulheres."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 09 – Imaginário e gênero na literatura"
    "palavra_chave" => "SAGRADO, BÍBLIA, LITERATURA, MULHER, MULHER"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA10_ID240_10052018110434.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "KEILA"
    "autor_nome_curto" => "SOUSA"
    "autor_email" => "keila-de@hotmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 13 de julho de 2018

Resumo

A vivência com o sagrado é historicamente representada através do contato mediado pelas religiões, seus livros e ritos. Hoje, porém, segundo Magalhães; Silva (2008, p. 159) ”já não vivemos mais num meio social no qual a religião exerce um poder totalizante e funciona como a única base na construção de identidades sociais, mas vivenciamos sim um espaço de identidades múltiplas e transitórias”. Nesse sentido, a experimentação subjetiva atravessa os limites do eu e chega a expressões sociais através da literatura, por exemplo. Eles continuam o raciocínio dizendo que a religião é uma das primeiras grandes linguagens de interpretação da condição humana, ou seja, o marcador da inteligibilidade do ser humano e de sua compreensão no espaço tem como marco inicial os textos que tratam de fé, religião e contato com o sagrado. Tendo o texto como objeto profícuo, o trabalho colocará, mais uma vez, em destaque, a relação tensa e ao mesmo tempo produtiva entre o literário e a Bíblia e isso será feito através da análise crítica do livro A mulher que escreveu a Bíblia (1999) de Moacyr Scliar. A narrativa traz para a leitura uma protagonista feminina que não faz parte dos padrões da época e os padrões aqui aferidos não fazem relação somente com a estética, mas também aos padrões de passividade alocados ao gênero. Toda essa quebra se dá dentro de um ambiente extremamente fechado e patriarcal onde Salomão é rei social e local, dono de todas as mulheres.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.