Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

Visualizações: 218
O ESTÁGIO DE GRAMATICALIZAÇÃO DO ENTÃO À LUZ DOS PRINCÍPIOS DE HOPPER

Palavra-chaves: ESTÁGIO DE GRAMATICALIZAÇÃO, PRINCÍPIOS DE HOPPER, ENTÃO Comunicação Oral (CO) GT05-ESTUDOS DESCRITIVOS DA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS SOB UMA PERSPECTIVA FUNCIONALISTA Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Considerando a gramática da língua emergente, ou seja, onde estão sempre surgindo novas funções/valores/usos para formas já existentes e, nesse processo de emergência, verificável a partir de padrões fluídos da linguagem, o autor propõe os seguintes princípios que dizem respeito a estágios iniciais, aos graus variados do processo de gramaticalização: estratificação, divergência, especialização, persistência e descategorização. Esses princípios acentuam o caráter gradual da gramaticalização, uma vez que, conferem aos elementos analisados o grau de mais ou menos gramaticalizados, não visando, portanto, verificar se eles pertencem ou não a gramática. O presente trabalho tem o objetivo de analisar à luz dos princípios de Hopper, os estágios de gramaticalização do item então, verificando o comportamento funcional deste em dados da oralidade, no Corpus D&G de Natal, com informantes do ensino superior, contemplando os gêneros: narrativa de experiência pessoal, relato de opinião, narrativa recontada, descrição de local e relato de procedimento. Conforme a amostra de dados, o item então apresenta traços prototípicos e persistentes de sua função-fonte, como também descategoriza-se e passa por um processo de abstratização metafórica, perde traços sintáticos e semânticos, ganha traços pragmático-discursivos de outra função-alvo. Conclui-se, portanto, que o então vem se estratificando, ganhando papel temático funcional de introdutor, perspectivador ou angulador, sequenciador ou articulador, alternativo, inferidor, aditivo, resumidor, juntor, funções que coexistem com a função prototípica da sua função-fonte. Com escopo nesses achados, é notório que a gramática da língua é um sistema adaptativo e maleável, em que as categorias gramaticais são moldadas por regularidades discursivas, de acordo com as necessidades comunicativas dos falantes reais da língua.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.