Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

ALÉM DOS MUROS ESCOLARES: O LEITOR-AUTOR DA CONTEMPORANEIDADE

Palavra-chaves: LITERATURA, LEITURA, ESCRITA, RECRIAÇÃO, RECRIAÇÃO Comunicação Oral (CO) GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27236
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 647
    "inscrito_id" => 1312
    "titulo" => "ALÉM DOS MUROS ESCOLARES: O LEITOR-AUTOR DA CONTEMPORANEIDADE"
    "resumo" => "A leitura, muitas vezes, é uma prática que precisa ser estimulada desde a mais tenra idade, tanto no contexto familiar, quanto no escolar. De acordo com Martins (2003), “quando começamos a estabelecer relações entre experiências e tentamos resolver os problemas que se apresentam, então estamos procedendo à leitura, as quais nos habilitam a ler toda e qualquer coisa”. Nessa fundamentação, é possível evidenciar que a prática da leitura não se resume apenas à decodificação do signo escrito, mas se abre em um leque de possibilidades inserindo imagens, sons, gestos e tantas outras interpretações de mundo. Transpondo esse procedimento para o contexto escolar, percebe-se que nos anos iniciais, da pré-escola ao 5º ano, o contado com a leitura, além de acontecer de forma bastante lúdica, ocupa também um espaço privilegiado nas aulas. Entretanto, quando os alunos vão avançando nos anos, ao invés de se intensificar esse trabalho, o espaço é dedicado às atividades voltadas a assuntos meramente classificatórios, conteudistas e até mesmo descontextualizados da realidade e faixa etária dos alunos, configurando o ato de ler como obrigação. Para Lajolo (1993), “ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. É, a partir do texto, ser capaz de atribuir-lhe significado, conseguir relacioná-lo a todos os outros textos significativos para cada um, reconhecer nele o tipo de leitura que seu autor pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a esta leitura, ou rebelar-se contra ela, propondo outra não prevista.”. Assim, ao repensar nesse contexto e na responsabilidade que os anos iniciais assumem na formação leitora do discente, surgiu a ideia de vivenciar essa prática na turma de 6º ano do Ensino Fundamental I de forma mais próxima ao cotidiano dos discentes com objetivo de despertar não só o gosto pela leitura, mas também o empoderamento que ela pode proporcionar, rompendo também com o pressuposto de que escola privada apenas se atém ao conhecimento livresco mecânico, disposta a preparar o aprendiz sobretudo para a universidade. Nessa perspectiva, o trabalho foi conduzido por meio de atividades extraclasses como, por exemplo, oficina de contação de piada, de poemas em verso e prosa, produção de mangás, criação de um canal no YouTube em que foram postadas–pelos próprios alunos - memórias de leitura, sugestões e desafios de leitura, reprodução, por meio do aplicativo anime maker, das leituras sugeridas em sala de aula. A vivência dessas atividades de apreciação literária–e de recriação textual–proporcionou momentos de reconhecimento do discente como protagonista de sua aprendizagem e como leitor-autor e acima de tudo despertou o gosto pela leitura, uma vez que os sujeitos aprendentes se descobriram capazes de ler, compreender, interagir e recriar os textos, utilizando, inclusive, multimídias e ferramentas tecnológicas que fazem parte de seu mundo. Como resultados físicos, tivemos festivais e torneios de piadas, saraus, mangás e vídeos produzidos pelos próprios alunos, com apresentações para outras turmas e para os pais, visando o objetivo de fazer reverberar para a família as atividades educativas que os filhos vivenciam dentro dos muros escolares."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, LEITURA, ESCRITA, RECRIAÇÃO, RECRIAÇÃO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID1312_23032017233457.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JACIRA MARIA DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "JACIRA NOGUEIRA"
    "autor_email" => "ciranogueira@hotmail.com"
    "autor_ies" => "IF SERTÃO PE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27236
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 647
    "inscrito_id" => 1312
    "titulo" => "ALÉM DOS MUROS ESCOLARES: O LEITOR-AUTOR DA CONTEMPORANEIDADE"
    "resumo" => "A leitura, muitas vezes, é uma prática que precisa ser estimulada desde a mais tenra idade, tanto no contexto familiar, quanto no escolar. De acordo com Martins (2003), “quando começamos a estabelecer relações entre experiências e tentamos resolver os problemas que se apresentam, então estamos procedendo à leitura, as quais nos habilitam a ler toda e qualquer coisa”. Nessa fundamentação, é possível evidenciar que a prática da leitura não se resume apenas à decodificação do signo escrito, mas se abre em um leque de possibilidades inserindo imagens, sons, gestos e tantas outras interpretações de mundo. Transpondo esse procedimento para o contexto escolar, percebe-se que nos anos iniciais, da pré-escola ao 5º ano, o contado com a leitura, além de acontecer de forma bastante lúdica, ocupa também um espaço privilegiado nas aulas. Entretanto, quando os alunos vão avançando nos anos, ao invés de se intensificar esse trabalho, o espaço é dedicado às atividades voltadas a assuntos meramente classificatórios, conteudistas e até mesmo descontextualizados da realidade e faixa etária dos alunos, configurando o ato de ler como obrigação. Para Lajolo (1993), “ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. É, a partir do texto, ser capaz de atribuir-lhe significado, conseguir relacioná-lo a todos os outros textos significativos para cada um, reconhecer nele o tipo de leitura que seu autor pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a esta leitura, ou rebelar-se contra ela, propondo outra não prevista.”. Assim, ao repensar nesse contexto e na responsabilidade que os anos iniciais assumem na formação leitora do discente, surgiu a ideia de vivenciar essa prática na turma de 6º ano do Ensino Fundamental I de forma mais próxima ao cotidiano dos discentes com objetivo de despertar não só o gosto pela leitura, mas também o empoderamento que ela pode proporcionar, rompendo também com o pressuposto de que escola privada apenas se atém ao conhecimento livresco mecânico, disposta a preparar o aprendiz sobretudo para a universidade. Nessa perspectiva, o trabalho foi conduzido por meio de atividades extraclasses como, por exemplo, oficina de contação de piada, de poemas em verso e prosa, produção de mangás, criação de um canal no YouTube em que foram postadas–pelos próprios alunos - memórias de leitura, sugestões e desafios de leitura, reprodução, por meio do aplicativo anime maker, das leituras sugeridas em sala de aula. A vivência dessas atividades de apreciação literária–e de recriação textual–proporcionou momentos de reconhecimento do discente como protagonista de sua aprendizagem e como leitor-autor e acima de tudo despertou o gosto pela leitura, uma vez que os sujeitos aprendentes se descobriram capazes de ler, compreender, interagir e recriar os textos, utilizando, inclusive, multimídias e ferramentas tecnológicas que fazem parte de seu mundo. Como resultados físicos, tivemos festivais e torneios de piadas, saraus, mangás e vídeos produzidos pelos próprios alunos, com apresentações para outras turmas e para os pais, visando o objetivo de fazer reverberar para a família as atividades educativas que os filhos vivenciam dentro dos muros escolares."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT17-LITERATURA INFANTOJUVENIL E DIVERSIDADE DE GÊNEROS LITERÁRIOS"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, LEITURA, ESCRITA, RECRIAÇÃO, RECRIAÇÃO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA17_ID1312_23032017233457.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "JACIRA MARIA DE SOUZA"
    "autor_nome_curto" => "JACIRA NOGUEIRA"
    "autor_email" => "ciranogueira@hotmail.com"
    "autor_ies" => "IF SERTÃO PE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

A leitura, muitas vezes, é uma prática que precisa ser estimulada desde a mais tenra idade, tanto no contexto familiar, quanto no escolar. De acordo com Martins (2003), “quando começamos a estabelecer relações entre experiências e tentamos resolver os problemas que se apresentam, então estamos procedendo à leitura, as quais nos habilitam a ler toda e qualquer coisa”. Nessa fundamentação, é possível evidenciar que a prática da leitura não se resume apenas à decodificação do signo escrito, mas se abre em um leque de possibilidades inserindo imagens, sons, gestos e tantas outras interpretações de mundo. Transpondo esse procedimento para o contexto escolar, percebe-se que nos anos iniciais, da pré-escola ao 5º ano, o contado com a leitura, além de acontecer de forma bastante lúdica, ocupa também um espaço privilegiado nas aulas. Entretanto, quando os alunos vão avançando nos anos, ao invés de se intensificar esse trabalho, o espaço é dedicado às atividades voltadas a assuntos meramente classificatórios, conteudistas e até mesmo descontextualizados da realidade e faixa etária dos alunos, configurando o ato de ler como obrigação. Para Lajolo (1993), “ler não é decifrar, como num jogo de adivinhações, o sentido de um texto. É, a partir do texto, ser capaz de atribuir-lhe significado, conseguir relacioná-lo a todos os outros textos significativos para cada um, reconhecer nele o tipo de leitura que seu autor pretendia e, dono da própria vontade, entregar-se a esta leitura, ou rebelar-se contra ela, propondo outra não prevista.”. Assim, ao repensar nesse contexto e na responsabilidade que os anos iniciais assumem na formação leitora do discente, surgiu a ideia de vivenciar essa prática na turma de 6º ano do Ensino Fundamental I de forma mais próxima ao cotidiano dos discentes com objetivo de despertar não só o gosto pela leitura, mas também o empoderamento que ela pode proporcionar, rompendo também com o pressuposto de que escola privada apenas se atém ao conhecimento livresco mecânico, disposta a preparar o aprendiz sobretudo para a universidade. Nessa perspectiva, o trabalho foi conduzido por meio de atividades extraclasses como, por exemplo, oficina de contação de piada, de poemas em verso e prosa, produção de mangás, criação de um canal no YouTube em que foram postadas–pelos próprios alunos - memórias de leitura, sugestões e desafios de leitura, reprodução, por meio do aplicativo anime maker, das leituras sugeridas em sala de aula. A vivência dessas atividades de apreciação literária–e de recriação textual–proporcionou momentos de reconhecimento do discente como protagonista de sua aprendizagem e como leitor-autor e acima de tudo despertou o gosto pela leitura, uma vez que os sujeitos aprendentes se descobriram capazes de ler, compreender, interagir e recriar os textos, utilizando, inclusive, multimídias e ferramentas tecnológicas que fazem parte de seu mundo. Como resultados físicos, tivemos festivais e torneios de piadas, saraus, mangás e vídeos produzidos pelos próprios alunos, com apresentações para outras turmas e para os pais, visando o objetivo de fazer reverberar para a família as atividades educativas que os filhos vivenciam dentro dos muros escolares.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.