Artigo Anais VIII FIPED

ANAIS de Evento

ISSN: 2316-1086

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A EDUCAÇÃO COMO PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO

Palavra-chaves: VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS Pôster (PO) GT 13 – EDUCAÇÃO E DIREITOS HUMANOS
"2016-11-08 23:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 25812
    "edicao_id" => 52
    "trabalho_id" => 387
    "inscrito_id" => 515
    "titulo" => "VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A EDUCAÇÃO COMO PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO"
    "resumo" => "A sociedade humana é histórica, sendo mutável conforme o padrão de desenvolvimento da produção, dos valores e normas sociais. Desde que o homem começou a produzir seus alimentos, nas sociedades agrícolas do período neolítico, começaram a definir os papéis sociais para homens e mulheres. Consoante, o aprendizado da atividade de cuidar foi sendo desenvolvido como tarefa típica feminina, embora ela também participasse do trabalho do cultivo e da criação de animais. Ela tinha ainda função de reprodutora da espécie, o que favoreceu a sua subordinação ao homem, sendo então tipificada como frágil e incapaz para assumir a direção e chefia do grupo familiar. A problemática da violência doméstica pode manifestar-se de várias formas, o que torna fundamental a inserção da temática “violência doméstica” no contexto escolar das crianças e jovens. O objetivo desta pesquisa é analisar essa inserção. A pesquisa é bibliográfica e documental. Foram utilizadas como ferramenta de pesquisa artigos e períodos on-line. Em 2003, pesquisa realizada com mulheres de 16 anos ou mais, residentes nas 27 capitais brasileiras, o Senado Federal constatou, em seu relatório de pesquisa (SEPO 03/2005: 11, 12, 13) que 17% das mulheres entrevistadas declararam já ter sofrido algum tipo de violência doméstica. Deste total, 55% afirmaram ter sofrido violência física, seguida pela violência psicológica, com 24%, violência moral (14%) e, apenas, 7% relataram ter sofrido violência sexual; Em relação à frequência da violência doméstica, identificou-se que 71% das mulheres agredidas já foram vítima da violência mais de uma vez; O maior agressor das mulheres, no ambiente doméstico, é o marido ou companheiro, com 65% das respostas. Em seguida, o namorado passa a ser o potencial agressor, com 9% e o pai, com 6%. Levando em consideração que o agressor está no convívio doméstico com a vítima, julga-se essencial a inserção da temática “violência doméstica” no ambiente escolar, para que as crianças e jovens em formação, conscientizem-se da valorização e garantia dos direitos humanos das mulheres."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 13 – EDUCAÇÃO E DIREITOS HUMANOS"
    "palavra_chave" => "VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV057_MD4_SA13_ID515_09092016112123.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:11"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:47:20"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RONALDO SILVA JUNIOR"
    "autor_nome_curto" => "RONALDO SILVA"
    "autor_email" => "r.sjunior@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UEMA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-viii-fiped"
    "edicao_nome" => "Anais VIII FIPED"
    "edicao_evento" => "VIII Fórum Internacional de Pedagogia"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/fiped/2016"
    "edicao_logo" => "5e488d75d4c39_15022020213149.png"
    "edicao_capa" => "5f186e058f295_22072020134909.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-08 23:00:00"
    "publicacao_id" => 1
    "publicacao_nome" => "Revista FIPED"
    "publicacao_codigo" => "2316-1086"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 25812
    "edicao_id" => 52
    "trabalho_id" => 387
    "inscrito_id" => 515
    "titulo" => "VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A EDUCAÇÃO COMO PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO"
    "resumo" => "A sociedade humana é histórica, sendo mutável conforme o padrão de desenvolvimento da produção, dos valores e normas sociais. Desde que o homem começou a produzir seus alimentos, nas sociedades agrícolas do período neolítico, começaram a definir os papéis sociais para homens e mulheres. Consoante, o aprendizado da atividade de cuidar foi sendo desenvolvido como tarefa típica feminina, embora ela também participasse do trabalho do cultivo e da criação de animais. Ela tinha ainda função de reprodutora da espécie, o que favoreceu a sua subordinação ao homem, sendo então tipificada como frágil e incapaz para assumir a direção e chefia do grupo familiar. A problemática da violência doméstica pode manifestar-se de várias formas, o que torna fundamental a inserção da temática “violência doméstica” no contexto escolar das crianças e jovens. O objetivo desta pesquisa é analisar essa inserção. A pesquisa é bibliográfica e documental. Foram utilizadas como ferramenta de pesquisa artigos e períodos on-line. Em 2003, pesquisa realizada com mulheres de 16 anos ou mais, residentes nas 27 capitais brasileiras, o Senado Federal constatou, em seu relatório de pesquisa (SEPO 03/2005: 11, 12, 13) que 17% das mulheres entrevistadas declararam já ter sofrido algum tipo de violência doméstica. Deste total, 55% afirmaram ter sofrido violência física, seguida pela violência psicológica, com 24%, violência moral (14%) e, apenas, 7% relataram ter sofrido violência sexual; Em relação à frequência da violência doméstica, identificou-se que 71% das mulheres agredidas já foram vítima da violência mais de uma vez; O maior agressor das mulheres, no ambiente doméstico, é o marido ou companheiro, com 65% das respostas. Em seguida, o namorado passa a ser o potencial agressor, com 9% e o pai, com 6%. Levando em consideração que o agressor está no convívio doméstico com a vítima, julga-se essencial a inserção da temática “violência doméstica” no ambiente escolar, para que as crianças e jovens em formação, conscientizem-se da valorização e garantia dos direitos humanos das mulheres."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 13 – EDUCAÇÃO E DIREITOS HUMANOS"
    "palavra_chave" => "VIOLÊNCIA DOMÉSTICA, EDUCAÇÃO, DIREITOS HUMANOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV057_MD4_SA13_ID515_09092016112123.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:11"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:47:20"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RONALDO SILVA JUNIOR"
    "autor_nome_curto" => "RONALDO SILVA"
    "autor_email" => "r.sjunior@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UEMA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-viii-fiped"
    "edicao_nome" => "Anais VIII FIPED"
    "edicao_evento" => "VIII Fórum Internacional de Pedagogia"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/fiped/2016"
    "edicao_logo" => "5e488d75d4c39_15022020213149.png"
    "edicao_capa" => "5f186e058f295_22072020134909.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-08 23:00:00"
    "publicacao_id" => 1
    "publicacao_nome" => "Revista FIPED"
    "publicacao_codigo" => "2316-1086"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 08 de novembro de 2016

Resumo

A sociedade humana é histórica, sendo mutável conforme o padrão de desenvolvimento da produção, dos valores e normas sociais. Desde que o homem começou a produzir seus alimentos, nas sociedades agrícolas do período neolítico, começaram a definir os papéis sociais para homens e mulheres. Consoante, o aprendizado da atividade de cuidar foi sendo desenvolvido como tarefa típica feminina, embora ela também participasse do trabalho do cultivo e da criação de animais. Ela tinha ainda função de reprodutora da espécie, o que favoreceu a sua subordinação ao homem, sendo então tipificada como frágil e incapaz para assumir a direção e chefia do grupo familiar. A problemática da violência doméstica pode manifestar-se de várias formas, o que torna fundamental a inserção da temática “violência doméstica” no contexto escolar das crianças e jovens. O objetivo desta pesquisa é analisar essa inserção. A pesquisa é bibliográfica e documental. Foram utilizadas como ferramenta de pesquisa artigos e períodos on-line. Em 2003, pesquisa realizada com mulheres de 16 anos ou mais, residentes nas 27 capitais brasileiras, o Senado Federal constatou, em seu relatório de pesquisa (SEPO 03/2005: 11, 12, 13) que 17% das mulheres entrevistadas declararam já ter sofrido algum tipo de violência doméstica. Deste total, 55% afirmaram ter sofrido violência física, seguida pela violência psicológica, com 24%, violência moral (14%) e, apenas, 7% relataram ter sofrido violência sexual; Em relação à frequência da violência doméstica, identificou-se que 71% das mulheres agredidas já foram vítima da violência mais de uma vez; O maior agressor das mulheres, no ambiente doméstico, é o marido ou companheiro, com 65% das respostas. Em seguida, o namorado passa a ser o potencial agressor, com 9% e o pai, com 6%. Levando em consideração que o agressor está no convívio doméstico com a vítima, julga-se essencial a inserção da temática “violência doméstica” no ambiente escolar, para que as crianças e jovens em formação, conscientizem-se da valorização e garantia dos direitos humanos das mulheres.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.