Artigo Anais II CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE PROJETOS DE LÍNGUA PORTUGUESA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CABEDELO/PB

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO, LEITURA, CONHECIMENTO, ESCRITA, ESCRITA Pôster (PO) / Poster Submission Ensino de língua portuguesa
"2015-10-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 16227
    "edicao_id" => 38
    "trabalho_id" => 639
    "inscrito_id" => 4851
    "titulo" => "LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE PROJETOS DE LÍNGUA PORTUGUESA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CABEDELO/PB"
    "resumo" => """
      O indivíduo precisa aprofundar seus conhecimentos com o objetivo de tornar mais eficiente sua comunicação, e teremos uma sequencia didática que considera a língua como expressão de uma identidade e como instrumento para a ação cidadã mais efetiva. Por esse motivo, iremos expor estes dois objetos tão importantes da educação, e que são de suma importância na formação dos cidadãos letrados, já que a escrita e a leitura são dois fatores essenciais para o acesso à praticas letradas e inserção social. Uma estratégia bastante interessante para trabalhar com nossos alunos é a pedagogia de projetos. Segundo Dias e outras (2004), o professor nunca está sozinho. É uma maneira de envolver todos os discentes não só os que lecionam na disciplina de língua portuguesa, mas todas as disciplinas são envolvidas, possibilitando a participação de diversas questões a respeito dessa temática. Fernando Hernández vai um pouco além quando diz que, apresentar uma experiência escolar costuma transformar-se uma reiteração de lugares-comuns, filtrados pela particularidade daqueles que a realizaram.  Além disso, se complementa com as dúvidas, com a reflexão, com as interações, não só com os discentes, mas também com outros docentes e com as diferentes instituições (famílias, especialistas, outras escolas, a Administração), tudo aquilo que cria uma trama de uma riqueza explicativa tal que a restrição do escrito reduz e minimiza. (p.13 – 1998).\r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      É nesse espaço de inconsciência das estratégias desencadeadoras de uma leitura mais eficiente que se faz necessária a intervenção do professor. Conforme nos informa Pedro Demo, Professor não é quem dá aula. “Dar aula” tornou-se expressão vulgar para mera reprodução de conhecimento, reduzindo-se a procedimento transmissivo de caráter instrucional. Se for para apenas reproduzir conhecimento, temos hoje meios mais interessantes disponíveis, como a parafernália eletrônica, que tem a vantagem de poder ser ao vivo e em cores, com efeitos especiais, conduzidas por gente bonita e jovem.  (p. 12-2004). Ele deve se colocar como mediador entre alunos e texto, propondo atividades que os levem à compreensão do processo de leitura por meio de ativação do conhecimento de mundo já adquirido, do estabelecimento de relações entre esse saber e as informações novas, de antecipações e levantamento de hipóteses  e de verificação dos obstáculos à compreensão global do texto.    \r\n
      \r\n
      \r\n
      Entendemos que aprender a ler é também aprender a ler o mundo, compreender o seu contexto, não numa manipulação mecânica de palavras, mas numa relação dinâmica que vincula linguagem e realidade.\r\n
      Assim é imprescindível que os alunos possam vivenciar, na escola, situações reais de leitura e produção de diferentes textos que possibilitem uma ampliação de suas experiências de letramento. O letramento não está restrito ao sistema escolar, mas considera-se que cabe a escola, fundamentalmente, levar os seus alunos a um processo mais profundo nas praticas
      """
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Ensino de língua portuguesa"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO, LEITURA, CONHECIMENTO, ESCRITA, ESCRITA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV045_MD4_SA15_ID4851_15082015101714.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:01"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:15:05"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARLÉCIA DA C. MACIEL"
    "autor_nome_curto" => "MARLÉCIA"
    "autor_email" => "marlecia_maciel@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UNIPE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais II CONEDU"
    "edicao_evento" => "II Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2015"
    "edicao_logo" => "5e4a05cfac134_17022020001735.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1848ba64e27_22072020111002.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-10-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 16227
    "edicao_id" => 38
    "trabalho_id" => 639
    "inscrito_id" => 4851
    "titulo" => "LEITURA E ESCRITA: UM ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE PROJETOS DE LÍNGUA PORTUGUESA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CABEDELO/PB"
    "resumo" => """
      O indivíduo precisa aprofundar seus conhecimentos com o objetivo de tornar mais eficiente sua comunicação, e teremos uma sequencia didática que considera a língua como expressão de uma identidade e como instrumento para a ação cidadã mais efetiva. Por esse motivo, iremos expor estes dois objetos tão importantes da educação, e que são de suma importância na formação dos cidadãos letrados, já que a escrita e a leitura são dois fatores essenciais para o acesso à praticas letradas e inserção social. Uma estratégia bastante interessante para trabalhar com nossos alunos é a pedagogia de projetos. Segundo Dias e outras (2004), o professor nunca está sozinho. É uma maneira de envolver todos os discentes não só os que lecionam na disciplina de língua portuguesa, mas todas as disciplinas são envolvidas, possibilitando a participação de diversas questões a respeito dessa temática. Fernando Hernández vai um pouco além quando diz que, apresentar uma experiência escolar costuma transformar-se uma reiteração de lugares-comuns, filtrados pela particularidade daqueles que a realizaram.  Além disso, se complementa com as dúvidas, com a reflexão, com as interações, não só com os discentes, mas também com outros docentes e com as diferentes instituições (famílias, especialistas, outras escolas, a Administração), tudo aquilo que cria uma trama de uma riqueza explicativa tal que a restrição do escrito reduz e minimiza. (p.13 – 1998).\r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      \r\n
      É nesse espaço de inconsciência das estratégias desencadeadoras de uma leitura mais eficiente que se faz necessária a intervenção do professor. Conforme nos informa Pedro Demo, Professor não é quem dá aula. “Dar aula” tornou-se expressão vulgar para mera reprodução de conhecimento, reduzindo-se a procedimento transmissivo de caráter instrucional. Se for para apenas reproduzir conhecimento, temos hoje meios mais interessantes disponíveis, como a parafernália eletrônica, que tem a vantagem de poder ser ao vivo e em cores, com efeitos especiais, conduzidas por gente bonita e jovem.  (p. 12-2004). Ele deve se colocar como mediador entre alunos e texto, propondo atividades que os levem à compreensão do processo de leitura por meio de ativação do conhecimento de mundo já adquirido, do estabelecimento de relações entre esse saber e as informações novas, de antecipações e levantamento de hipóteses  e de verificação dos obstáculos à compreensão global do texto.    \r\n
      \r\n
      \r\n
      Entendemos que aprender a ler é também aprender a ler o mundo, compreender o seu contexto, não numa manipulação mecânica de palavras, mas numa relação dinâmica que vincula linguagem e realidade.\r\n
      Assim é imprescindível que os alunos possam vivenciar, na escola, situações reais de leitura e produção de diferentes textos que possibilitem uma ampliação de suas experiências de letramento. O letramento não está restrito ao sistema escolar, mas considera-se que cabe a escola, fundamentalmente, levar os seus alunos a um processo mais profundo nas praticas
      """
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Ensino de língua portuguesa"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO, LEITURA, CONHECIMENTO, ESCRITA, ESCRITA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV045_MD4_SA15_ID4851_15082015101714.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:01"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:15:05"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARLÉCIA DA C. MACIEL"
    "autor_nome_curto" => "MARLÉCIA"
    "autor_email" => "marlecia_maciel@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UNIPE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais II CONEDU"
    "edicao_evento" => "II Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2015"
    "edicao_logo" => "5e4a05cfac134_17022020001735.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1848ba64e27_22072020111002.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-10-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de outubro de 2015

Resumo

O indivíduo precisa aprofundar seus conhecimentos com o objetivo de tornar mais eficiente sua comunicação, e teremos uma sequencia didática que considera a língua como expressão de uma identidade e como instrumento para a ação cidadã mais efetiva. Por esse motivo, iremos expor estes dois objetos tão importantes da educação, e que são de suma importância na formação dos cidadãos letrados, já que a escrita e a leitura são dois fatores essenciais para o acesso à praticas letradas e inserção social. Uma estratégia bastante interessante para trabalhar com nossos alunos é a pedagogia de projetos. Segundo Dias e outras (2004), o professor nunca está sozinho. É uma maneira de envolver todos os discentes não só os que lecionam na disciplina de língua portuguesa, mas todas as disciplinas são envolvidas, possibilitando a participação de diversas questões a respeito dessa temática. Fernando Hernández vai um pouco além quando diz que, apresentar uma experiência escolar costuma transformar-se uma reiteração de lugares-comuns, filtrados pela particularidade daqueles que a realizaram. Além disso, se complementa com as dúvidas, com a reflexão, com as interações, não só com os discentes, mas também com outros docentes e com as diferentes instituições (famílias, especialistas, outras escolas, a Administração), tudo aquilo que cria uma trama de uma riqueza explicativa tal que a restrição do escrito reduz e minimiza. (p.13 – 1998). É nesse espaço de inconsciência das estratégias desencadeadoras de uma leitura mais eficiente que se faz necessária a intervenção do professor. Conforme nos informa Pedro Demo, Professor não é quem dá aula. “Dar aula” tornou-se expressão vulgar para mera reprodução de conhecimento, reduzindo-se a procedimento transmissivo de caráter instrucional. Se for para apenas reproduzir conhecimento, temos hoje meios mais interessantes disponíveis, como a parafernália eletrônica, que tem a vantagem de poder ser ao vivo e em cores, com efeitos especiais, conduzidas por gente bonita e jovem. (p. 12-2004). Ele deve se colocar como mediador entre alunos e texto, propondo atividades que os levem à compreensão do processo de leitura por meio de ativação do conhecimento de mundo já adquirido, do estabelecimento de relações entre esse saber e as informações novas, de antecipações e levantamento de hipóteses e de verificação dos obstáculos à compreensão global do texto. Entendemos que aprender a ler é também aprender a ler o mundo, compreender o seu contexto, não numa manipulação mecânica de palavras, mas numa relação dinâmica que vincula linguagem e realidade. Assim é imprescindível que os alunos possam vivenciar, na escola, situações reais de leitura e produção de diferentes textos que possibilitem uma ampliação de suas experiências de letramento. O letramento não está restrito ao sistema escolar, mas considera-se que cabe a escola, fundamentalmente, levar os seus alunos a um processo mais profundo nas praticas

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.