Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 136
AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA, MODULADORA E CARACTERIZAÇÃO FITOQUÍMICA DAS FRAÇÕES ACETATO DE ETILO OBTIDAS DOS EXTRATOS DAS FOLHAS DE CORDIA VERBENACEA DC.

Palavra-chaves: CORDIA VERBENACEA, MODULAÇÃO, FITOQUÍMICA Tema Livre (TL) Microbiologia

Resumo

O emprego de produtos naturais como agentes antimicrobianos, anti inflamatórios e analgésicos é amplamente utilizado na medicina popular, tais ações são observadas na Cordia verbenacea DC, uma planta conhecida popularmente como “erva baleeira”, onde o objetivo deste estudo foi justificar, por meio de modelos experimentais in vitro, a utilização das frações de acetato de etilo obtidas de extratos metanólicos e hexânicos das folhas de C. verbenacea DC como um agente terapêutico e fonte alternativa de novas substâncias. Para realização dos experimentos, as folhas foram coletadas, trituradas e acondicionadas no solvente metanol por 72hrs; Após esse período, foi realizada a concentração do extrato em um evaporador rotativo a vácuo e banho ultrathermal obtendo-se o extrato bruto. Para a obtenção da fração, o extrato foi fracionado a partir de filtração a vácuo com a utilização de solventes de diferentes polaridades tendo como produtos as frações de acetato de etilo dos extratos metanólico e hexânico. Os testes fitoquímicos foram realizados seguindo a metodologia descrita por Matos (1997), e a quantificação de compostos por meio de HPLC –DAD seguindo o método proposto por (Laghari et al. , 2011), com ligeiras modificações; No teste da Concentração Inibitória Mínima (CIM) foram utilizadas as bactérias das linhagens padrões de Escherichia coli ATCC 10536, Staphylococcus aureus ATCC 25923 e Pseudomonas aeruginosa ATCC 15442 e as linhagens bacterianas multirresistentes de P. aeruginosa 03, E. coli 27 e S. aureus 358, no teste de modulação foram usadas as linhagens multirresistentes; as drogas utilizadas foram a amicacina, gentamicina e neomicina. O método empregado para determinação da CIM foi o da microdiluição e para o teste de modulação a metodologia descrita por Lorenzi et al (2003), os resultados foram expressos como média geométrica. A análise estatística foi aplicada a análise de duas vias seguido por pós-testes Bonferroni usando o software GraphPadPrism 5.0. Os testes fitoquímicos detectaram a presença de taninos flobatenics, flavonóides e terpenos para a fração de acetato de etilo do extrato metanólico (AFMECV); O resultado para a fração acetato de etilo do extrato hexano (AFHECV) obtive a presença dos mesmos compostos da AFMECV , com exceção dos flavonones. A análise por HPLC das frações AFMECV e AFHECV revelou a presença de ácido gálico, clorogénico, caféico, fenol glicosídeo não identificado , rutina e quercetina; A avaliação da CIM de AFMECV e AFHECV mostrou uma Concentração Inibitória Mínima de 256 a ≥ 1,024 mg / L para as estirpes de bactérias utilizadas, onde foram considerados os resultados com atividade clínica relevante (≤ 256 mg / L) e irrelevante (≥ 1024 mg / L). Nos testes de modulação a AFMECV e AFHECV potencializaram o efeito antibacteriano dos antibióticos testados contra todas as cepas bacterianas utilizadas, com exceção de AFHECV quando combinada a amicacina e testado contra o SA358, onde houve antagonismo reduzindo o potencial antibacteriano do aminoglicosídeo. Os resultados expõem que os extratos e frações obtidas das folhas de C. verbenacea DC possuem atividade antibacteriana moderada clinicamente relevante, mas quando combinada a um antibiótico, as frações demonstraram atividade sinérgica significativa.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.