Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

O CINEMA NO ENSINO DE HISTÓRIA: QUEBRANDO PARADIGMAS SOBRE O INDÍGENA AMERICANO EM “DANÇA COM LOBOS”

Palavra-chaves: ENSINO DE HISTÓRIA, JOGOS, INDÍGENA AMERICANO Comunicação Oral (CO) FORMAÇÃO DE PROFESSORES Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

Sabemos que o cinema se trata de um importante produto cultural e que só recentemente,devido as transformações ocorridas no campo da historiografia, com a ampliação das fontes, passou a ser considerado como fonte histórica. A linguagem cinematográfica é detentora de inúmeros recursos linguísticos, áudio-visuais além de uma rica composição imagética que se trabalhada de forma correta pelos professores pode se configurar em importante instrumento para despertar um maior interesse por parte dos alunos no que diz respeito as discussões do campo de saber histórico. A película nos diz muito mais sobre a sociedade que o produziu do que sobre a sociedade que retrata, é partindo deste postulado que buscamos por meio de uma oficina de exibição e analise de diversos filmes demonstrar como o cinema pode contribuir tanto para o desenvolvimento de uma visão etnocentrista do nativo americano, no sentido de denominá-lo enquanto selvagem e incivilizado, como a partir do fim da década de 1960, este mesmo cinema pode em virtude das discussões então dominantes sobre a cultura indígena e o debate da diversidade cultural, elaborar uma produção tida do ponto de vista índio, inaugurada por Arthur Penn com Pequeno Grande Homem (1970), desta forma pretendemos demonstrar como por meio da linguagem cinematográfica, o aluno pode sistematizar conceitos provenientes das discussões acadêmicas, não no intuito de formarmos pequenos historiadores, mas de favorecermos o desenvolvimento da visão de alteridade e dos debates interculturais. A oficina foi realizada no ano de 2012 na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Alvaro Gaudêncio de Queiroz em Campina Grande Paraíba, pelo PIBID/HISTÓRIA da UEPB.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.