Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 188
A HISTÓRIA DO PRONERA EM RORAIMA

Palavra-chaves: EJA, PRONERA, EDUCAÇÃO DO CAMPO Comunicação Oral (CO) EDUCAÇÃO DE PESSOAS JOVENS E ADULTAS Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população, o campo se configurou como um espaço mais atingido por tal exclusão. A história do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA) surge através das reinvindicações dos movimentos sociais, em especial do Movimento Sem Terra-MST, após o “Massacre do Eldorado do Carajás”, Sul do Pará, através de uma ação violenta e desastrosa da Polícia Militar para desbloquear a rodovia PA-150, resultando em 19 mortes de trabalhadores rurais, considerado uma das mais violentas ações policial na história do Brasil. Em 1998, o governo de Fernando Henrique Cardoso implantou o PRONERA buscando atender as reinvindicações dos movimentos sociais na área educacional. A presente pesquisa dialética buscou analisar como aconteceu a história do PRONERA no Estado de Roraima. Os resultados mostraram que a Assessora de Comunicação do INCRA-RR, senhora Dilma Lindalva Pereira da Costa, procurou informações do programa junto ao Ministério de Desenvolvimento Agrário-MDA em Brasília, o interesse surgiu porque sua história de vida e educacional foi iniciada no campo. Em 2001, foi executado o primeiro projeto do PRONERA no estado de Roraima uma parceria do INCRA-RR com o SENAR-RR. Os resultados mostraram que as maiores dificuldades encontradas para se trabalhar com Educação de Jovens e Adultos no campo do estado de Roraima estão relacionadas ao modelo de projetos de assentamentos, infraestrutura nas salas de aula e falta de professores qualificados e residentes no campo. Em conclusão, as ações educacionais proposta pelo PRONERA no estado de Roraima apensar enfrentar muitos problemas, contribuem de forma significativa para formação e transformação social do campo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.