Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 195
PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE COQUELUCHE NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

Palavra-chaves: EPIDEMIOLOGIA, COQUELUCHE /MICROBIOLOGIA, VACINAÇÃO Tema Livre (TL) Microbiologia

Resumo

INTRODUÇÃO A coqueluche é uma doença infecciosa aguda, transmissível, de distribuição universal. Compromete especificamente o aparelho respiratório (traqueia e brônquios) e se caracteriza por paroxismos de tosse seca. Ocorre sob as formas endêmica e epidêmica. A transmissão ocorre pelo contato direto com indivíduos sintomáticos, por meio de secreções do trato respiratório; os primeiros sintomas geralmente aparecem de sete a dez dias após a infecção, e os sinais e sintomas variam com a idade, condição vacinal e tempo decorrido desde a última dose da vacina. A doença evolui em três fases consecutivas Infecções respiratórias de outra natureza, que se instalam durante a convalescença da coqueluche, podem provocar o ressurgimento transitório dos paroxismos.O Diagnóstico específico é realizado mediante o isolamento da Bordetellapertussis através de cultura de material da nasorofaringe e de exames complementares para confirmação ou descarte dos casos suspeitos, os quais são: leucograma e raios X de tórax. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo documental, retrospectivo cuja população envolveu os casos notificados de coqueluche diagnosticados no Serviço de Doenças Infectocontagiosas do Hospital Universitário Lauro Wanderley (HULW), registrados no Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) no período de 2008 a 2012. Para a coleta dos dados foram utilizadas as planilhas do SINAN da comissão epidemiológica do HULW/PB, no período de julho e agosto de 2013. Os dados apresentaram as seguintes informações: Frequência por Ano da Notificação; Frequência por Coleta Nasofaringe; Frequência por Doses DPT DT dT; Frequência por Faixa Etária; Frequência por Hospitalização e foram analisados através de procedimentos estatísticos. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Observou-se que no período de 2008 a 2012, houve uma disparidade nos casos de coqueluche uma vez que em 2010 houve apenas um caso e em 2012 foram registrados nove casos no HULW. Nos últimos anos observa-se que vem ocorrendo um aumento nos casos notificados naquele hospital sendo necessária uma avaliação destes e uma campanha de conscientização acerca da prevenção desta patologia Em relação à coleta de material da nosafaringe para identificação da Bordetella pertussis constata-se uma baixa incidência na realização deste exame tendo em vista que nesse período foram realizados apenas sete exames o que equivale a 35% dos casos diagnosticados no HULW, treze casos, 65 % das notificações realizadas a partir de outros parâmetros que não o exame de coleta nasofaringeCONSIDERAÇÕES FINAIS: A partir do presente estudo constatou-se um aumento dos casos de coqueluche em pacientes internados no HULW, o que é preocupante uma vez que existem no Brasil políticas públicas disponibilizando gratuitamente a imunização para a prevenção da doença. De acordo com os dados constata-se um perfil epidemiológico com o recrudescimento de coqueluche em crianças menores de um ano, imunização incompleta, a não realização da coleta de material da nosafaringe para um diagnóstico seguro e tratamento eficaz, além do número elevado de internação demonstrando a importância do serviço de vigilância epidemiológica.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.