Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

A INFLUÊNCIA DO BRINQUEDO NA HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À CRIANÇA

Palavra-chaves: BRINQUEDOS, ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL, ENFERMAGEM PEDIÁTRICA Pôster (PO) Enfermagem
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5512
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 329
    "inscrito_id" => 792
    "titulo" => "A INFLUÊNCIA DO BRINQUEDO NA HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À CRIANÇA"
    "resumo" => "O brinquedo terapêutico proporciona a criança criar o seu próprio mundo, tempo e espaço, pois expressa sua realidade, constrói um mundo que seja significativo e corresponda às necessidades intrínsecas para seu desenvolvimento. O brinquedo terapêutico possui quatro funções básicas: recreação, quando o prazer e a distração constituem o objetivo central da atividade; estimulação, ao favorecer o desenvolvimento sensório-motor, intelectual, social e a criatividade de forma natural; socialização, ao permitir que a criança vivencie papéis sociais e aprenda a se relacionar com os demais; catarse, quando possibilita a criança dramatizar papéis e a conflitos que está enfrentando, com o objetivo de aliviar a tensão emocional. A Lei nº 11.104 de 21/03/2005 dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de brinquedotecas em todas as unidades de saúde, públicas ou privadas, que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação, com o intuito de preservar o direito de brincar mesmo quando a criança está no hospital. O recurso lúdico, nesse contexto, não representa apenas um incentivo à diversão e ao entretenimento, mas uma alternativa educacional, que favorece o desenvolvimento social, emocional, intelectual e terapêutica, quando auxilia a diminuir o estresse, o medo e a ansiedade. Na assistência a criança a comunicação é fundamental entre ela e o profissional, favorecendo maior aceitação de situações que às vezes, amedrontam tais como a realização de procedimentos invasivos e exame físico. Vale ressalvar que, de forma geral, a pessoa com quem a criança brinca é a mesma a quem ela recorre quando se sente assustada e necessita de ajuda, estabelecendo um vínculo de confiança importante durante a assistência com o profissional de enfermagem. Portanto, além de terapêutico o brinquedo é uma forma de humanizar a assistência, mostrando uma linguagem compreensível ao mundo dos pequenos, na qual ao brincar com elementos semelhantes aos encontrados nos procedimentos farão entender a necessidade dos procedimentos no tratamento e recuperação. Neste contexto, o estudo objetivou a importância do brinquedo terapêutico na relação e assistência do enfermeiro com a criança hospitalizada. Trata-se de uma revisão de literatura realizada através da biblioteca virtual Scientific Electronic Library Online (SciELO), por meio dos seguintes descritores em Ciência da Saúde (DeCS): “brinquedos, assistência ambulatorial, enfermagem pediátrica”. Foram utilizados os seguintes critérios de inclusão: artigos da biblioteca virtual Scielo, artigos escritos em língua portuguesa e publicados nos últimos cinco anos - a partir destes foram selecionados 10 artigos sobre a temática. Dentre os artigos analisados, observou-se que a maioria (70%) comprovou que o brinquedo terapêutico contribui para que a criança continue se desenvolvendo integralmente, apesar do adoecimento. No entanto, os benefícios terapêuticos do brincar para a criança doente, ainda são bastante desvalorizados em nosso meio, ao invés de utilizá-los como coadjuvantes no tratamento, usa-os como atividade dispensável. Portanto, os profissionais de saúde que cuidam de crianças necessitam compreender o humano que há naquele ser, pois é compreendendo o humano que a equipe de saúde despertará para além da competência profissional, a sensibilidade e acolhimento com os pequenos."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Enfermagem"
    "palavra_chave" => "BRINQUEDOS, ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL, ENFERMAGEM PEDIÁTRICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_12_03_2014_20_07_51_idinscrito_792_b7418de0c0deeba4cf75abbf9fb8beb4.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RANIGÉLLIA BARBOZA DE OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "RANIGÉLLIA"
    "autor_email" => "ranigellia_barboza@hotmai"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5512
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 329
    "inscrito_id" => 792
    "titulo" => "A INFLUÊNCIA DO BRINQUEDO NA HUMANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À CRIANÇA"
    "resumo" => "O brinquedo terapêutico proporciona a criança criar o seu próprio mundo, tempo e espaço, pois expressa sua realidade, constrói um mundo que seja significativo e corresponda às necessidades intrínsecas para seu desenvolvimento. O brinquedo terapêutico possui quatro funções básicas: recreação, quando o prazer e a distração constituem o objetivo central da atividade; estimulação, ao favorecer o desenvolvimento sensório-motor, intelectual, social e a criatividade de forma natural; socialização, ao permitir que a criança vivencie papéis sociais e aprenda a se relacionar com os demais; catarse, quando possibilita a criança dramatizar papéis e a conflitos que está enfrentando, com o objetivo de aliviar a tensão emocional. A Lei nº 11.104 de 21/03/2005 dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de brinquedotecas em todas as unidades de saúde, públicas ou privadas, que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação, com o intuito de preservar o direito de brincar mesmo quando a criança está no hospital. O recurso lúdico, nesse contexto, não representa apenas um incentivo à diversão e ao entretenimento, mas uma alternativa educacional, que favorece o desenvolvimento social, emocional, intelectual e terapêutica, quando auxilia a diminuir o estresse, o medo e a ansiedade. Na assistência a criança a comunicação é fundamental entre ela e o profissional, favorecendo maior aceitação de situações que às vezes, amedrontam tais como a realização de procedimentos invasivos e exame físico. Vale ressalvar que, de forma geral, a pessoa com quem a criança brinca é a mesma a quem ela recorre quando se sente assustada e necessita de ajuda, estabelecendo um vínculo de confiança importante durante a assistência com o profissional de enfermagem. Portanto, além de terapêutico o brinquedo é uma forma de humanizar a assistência, mostrando uma linguagem compreensível ao mundo dos pequenos, na qual ao brincar com elementos semelhantes aos encontrados nos procedimentos farão entender a necessidade dos procedimentos no tratamento e recuperação. Neste contexto, o estudo objetivou a importância do brinquedo terapêutico na relação e assistência do enfermeiro com a criança hospitalizada. Trata-se de uma revisão de literatura realizada através da biblioteca virtual Scientific Electronic Library Online (SciELO), por meio dos seguintes descritores em Ciência da Saúde (DeCS): “brinquedos, assistência ambulatorial, enfermagem pediátrica”. Foram utilizados os seguintes critérios de inclusão: artigos da biblioteca virtual Scielo, artigos escritos em língua portuguesa e publicados nos últimos cinco anos - a partir destes foram selecionados 10 artigos sobre a temática. Dentre os artigos analisados, observou-se que a maioria (70%) comprovou que o brinquedo terapêutico contribui para que a criança continue se desenvolvendo integralmente, apesar do adoecimento. No entanto, os benefícios terapêuticos do brincar para a criança doente, ainda são bastante desvalorizados em nosso meio, ao invés de utilizá-los como coadjuvantes no tratamento, usa-os como atividade dispensável. Portanto, os profissionais de saúde que cuidam de crianças necessitam compreender o humano que há naquele ser, pois é compreendendo o humano que a equipe de saúde despertará para além da competência profissional, a sensibilidade e acolhimento com os pequenos."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Enfermagem"
    "palavra_chave" => "BRINQUEDOS, ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL, ENFERMAGEM PEDIÁTRICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_12_03_2014_20_07_51_idinscrito_792_b7418de0c0deeba4cf75abbf9fb8beb4.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RANIGÉLLIA BARBOZA DE OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "RANIGÉLLIA"
    "autor_email" => "ranigellia_barboza@hotmai"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

O brinquedo terapêutico proporciona a criança criar o seu próprio mundo, tempo e espaço, pois expressa sua realidade, constrói um mundo que seja significativo e corresponda às necessidades intrínsecas para seu desenvolvimento. O brinquedo terapêutico possui quatro funções básicas: recreação, quando o prazer e a distração constituem o objetivo central da atividade; estimulação, ao favorecer o desenvolvimento sensório-motor, intelectual, social e a criatividade de forma natural; socialização, ao permitir que a criança vivencie papéis sociais e aprenda a se relacionar com os demais; catarse, quando possibilita a criança dramatizar papéis e a conflitos que está enfrentando, com o objetivo de aliviar a tensão emocional. A Lei nº 11.104 de 21/03/2005 dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de brinquedotecas em todas as unidades de saúde, públicas ou privadas, que ofereçam atendimento pediátrico em regime de internação, com o intuito de preservar o direito de brincar mesmo quando a criança está no hospital. O recurso lúdico, nesse contexto, não representa apenas um incentivo à diversão e ao entretenimento, mas uma alternativa educacional, que favorece o desenvolvimento social, emocional, intelectual e terapêutica, quando auxilia a diminuir o estresse, o medo e a ansiedade. Na assistência a criança a comunicação é fundamental entre ela e o profissional, favorecendo maior aceitação de situações que às vezes, amedrontam tais como a realização de procedimentos invasivos e exame físico. Vale ressalvar que, de forma geral, a pessoa com quem a criança brinca é a mesma a quem ela recorre quando se sente assustada e necessita de ajuda, estabelecendo um vínculo de confiança importante durante a assistência com o profissional de enfermagem. Portanto, além de terapêutico o brinquedo é uma forma de humanizar a assistência, mostrando uma linguagem compreensível ao mundo dos pequenos, na qual ao brincar com elementos semelhantes aos encontrados nos procedimentos farão entender a necessidade dos procedimentos no tratamento e recuperação. Neste contexto, o estudo objetivou a importância do brinquedo terapêutico na relação e assistência do enfermeiro com a criança hospitalizada. Trata-se de uma revisão de literatura realizada através da biblioteca virtual Scientific Electronic Library Online (SciELO), por meio dos seguintes descritores em Ciência da Saúde (DeCS): “brinquedos, assistência ambulatorial, enfermagem pediátrica”. Foram utilizados os seguintes critérios de inclusão: artigos da biblioteca virtual Scielo, artigos escritos em língua portuguesa e publicados nos últimos cinco anos - a partir destes foram selecionados 10 artigos sobre a temática. Dentre os artigos analisados, observou-se que a maioria (70%) comprovou que o brinquedo terapêutico contribui para que a criança continue se desenvolvendo integralmente, apesar do adoecimento. No entanto, os benefícios terapêuticos do brincar para a criança doente, ainda são bastante desvalorizados em nosso meio, ao invés de utilizá-los como coadjuvantes no tratamento, usa-os como atividade dispensável. Portanto, os profissionais de saúde que cuidam de crianças necessitam compreender o humano que há naquele ser, pois é compreendendo o humano que a equipe de saúde despertará para além da competência profissional, a sensibilidade e acolhimento com os pequenos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.