Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

O CÁRCERE E SUAS MUTILAÇÕES: MECANISMOS DE PROTEÇÃO E RISCO NO PRECESSO DE RESILIENCIA EM MULHERES ENCARCERADAS

Palavra-chaves: CÁRCERE, RESILIÊNCIA, MULHERES Pôster (PO) Psicologia
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5432
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 560
    "inscrito_id" => 2544
    "titulo" => "O CÁRCERE E SUAS MUTILAÇÕES: MECANISMOS DE PROTEÇÃO E RISCO NO PRECESSO DE RESILIENCIA EM MULHERES ENCARCERADAS"
    "resumo" => "Introdução: A atmosfera hostil do cárcere comporta aspectos que o fazem ir além do caráter punitivo propriamente dito, os indivíduos que ali se encontram sofrem mutilações que ferem mais a alma do que o corpo, chegando aos limites da raça humana, alterando com isso as concepções de se mesmo, do outro e do futuro, assim como a auto-estima, autonomia, auto-eficaia, dentre outros aspectos que constituem o individuo. No que diz respeito a mulher encarcerada, as conseqüências vão além, tendo em vista que as mesmas apresentam mais dificuldades de enfrentar o cárcere, pois sofrem com o estigma, com a separação dos filhos, parceiros e família, sendo a autoculpabilização um sentimento recorrente. Contudo há mecanismos que podem influenciar de forma positiva ou negativa no processo de resiliencia dessas mulheres frente a cárcere, sendo a resiliencia a capacidade de superação frente aos efeitos nocivos das adversidades. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo identificar os principais mecanismos de proteção e risco envoltos no processo de resiliencia em mulheres encarceradas. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo exploratória, realizada a partir de uma revisão integrativa da literatura nas principais bases de dados. Utilizou-se como descritores os termos “O cárcere e a mulher encarcerada” e “Processo de resiliencia no ambiente prisional”. Para tanto, foram considerados os seguintes critérios de refinamento: artigos publicados em português, exclusão de textos coincidentes, que não disponibilizassem o conteúdo completo e que não fizessem referência direta ao tema. Foram encontrados 25 artigos, não obstante, apenas 12 atenderam aos critérios de inclusão. O tratamento dos dados foi realizado por meio da análise qualitativa dos artigos selecionados, confrontando-os de modo a extrair as convergências, divergências e novas perspectivas acerca do tema abordado. RESULTADOS E DISCUSSÕES: De acordo com o material discutido e analisado, pode-se entender como se dar esse processo de “mutilações” presente nas instituições  de prisão, sobretudo observar que as principais formas de mutilações – Distanciamento dos filhos, fragmentação da estrutura familiar, despersonalização, ausência de relações afetivas e de confiança - podem ser caracterizadas como mecanismos de risco. No entanto pode identificar diversos mecanismos de proteção que influenciam de forma positiva no processo de resiliencia, alguns deles são: a fé, o amor aos filhos, a música, o trabalho, a escola, e desejo de oferecer um futuro melhor para os filhos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É importante ressaltar que a literatura apresenta uma constelação de mecanismos, sejam eles pessoais ou desencadeados pelo ambiente. No entanto o referencial superação é muito particular e subjetivo, em outras palavras, variando de pessoa para pessoa, de grupo para grupo."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Psicologia"
    "palavra_chave" => "CÁRCERE, RESILIÊNCIA, MULHERES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_21_03_2014_13_15_12_idinscrito_2544_a264892e45d4f5fa25e0815531a10692.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA RENATA FLORENCIO DE AZEVEDO"
    "autor_nome_curto" => "RENATA AZEVEDO"
    "autor_email" => "renata-azevedo@hotmail.co"
    "autor_ies" => "FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5432
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 560
    "inscrito_id" => 2544
    "titulo" => "O CÁRCERE E SUAS MUTILAÇÕES: MECANISMOS DE PROTEÇÃO E RISCO NO PRECESSO DE RESILIENCIA EM MULHERES ENCARCERADAS"
    "resumo" => "Introdução: A atmosfera hostil do cárcere comporta aspectos que o fazem ir além do caráter punitivo propriamente dito, os indivíduos que ali se encontram sofrem mutilações que ferem mais a alma do que o corpo, chegando aos limites da raça humana, alterando com isso as concepções de se mesmo, do outro e do futuro, assim como a auto-estima, autonomia, auto-eficaia, dentre outros aspectos que constituem o individuo. No que diz respeito a mulher encarcerada, as conseqüências vão além, tendo em vista que as mesmas apresentam mais dificuldades de enfrentar o cárcere, pois sofrem com o estigma, com a separação dos filhos, parceiros e família, sendo a autoculpabilização um sentimento recorrente. Contudo há mecanismos que podem influenciar de forma positiva ou negativa no processo de resiliencia dessas mulheres frente a cárcere, sendo a resiliencia a capacidade de superação frente aos efeitos nocivos das adversidades. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo identificar os principais mecanismos de proteção e risco envoltos no processo de resiliencia em mulheres encarceradas. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo exploratória, realizada a partir de uma revisão integrativa da literatura nas principais bases de dados. Utilizou-se como descritores os termos “O cárcere e a mulher encarcerada” e “Processo de resiliencia no ambiente prisional”. Para tanto, foram considerados os seguintes critérios de refinamento: artigos publicados em português, exclusão de textos coincidentes, que não disponibilizassem o conteúdo completo e que não fizessem referência direta ao tema. Foram encontrados 25 artigos, não obstante, apenas 12 atenderam aos critérios de inclusão. O tratamento dos dados foi realizado por meio da análise qualitativa dos artigos selecionados, confrontando-os de modo a extrair as convergências, divergências e novas perspectivas acerca do tema abordado. RESULTADOS E DISCUSSÕES: De acordo com o material discutido e analisado, pode-se entender como se dar esse processo de “mutilações” presente nas instituições  de prisão, sobretudo observar que as principais formas de mutilações – Distanciamento dos filhos, fragmentação da estrutura familiar, despersonalização, ausência de relações afetivas e de confiança - podem ser caracterizadas como mecanismos de risco. No entanto pode identificar diversos mecanismos de proteção que influenciam de forma positiva no processo de resiliencia, alguns deles são: a fé, o amor aos filhos, a música, o trabalho, a escola, e desejo de oferecer um futuro melhor para os filhos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É importante ressaltar que a literatura apresenta uma constelação de mecanismos, sejam eles pessoais ou desencadeados pelo ambiente. No entanto o referencial superação é muito particular e subjetivo, em outras palavras, variando de pessoa para pessoa, de grupo para grupo."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Psicologia"
    "palavra_chave" => "CÁRCERE, RESILIÊNCIA, MULHERES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_21_03_2014_13_15_12_idinscrito_2544_a264892e45d4f5fa25e0815531a10692.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARIA RENATA FLORENCIO DE AZEVEDO"
    "autor_nome_curto" => "RENATA AZEVEDO"
    "autor_email" => "renata-azevedo@hotmail.co"
    "autor_ies" => "FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

Introdução: A atmosfera hostil do cárcere comporta aspectos que o fazem ir além do caráter punitivo propriamente dito, os indivíduos que ali se encontram sofrem mutilações que ferem mais a alma do que o corpo, chegando aos limites da raça humana, alterando com isso as concepções de se mesmo, do outro e do futuro, assim como a auto-estima, autonomia, auto-eficaia, dentre outros aspectos que constituem o individuo. No que diz respeito a mulher encarcerada, as conseqüências vão além, tendo em vista que as mesmas apresentam mais dificuldades de enfrentar o cárcere, pois sofrem com o estigma, com a separação dos filhos, parceiros e família, sendo a autoculpabilização um sentimento recorrente. Contudo há mecanismos que podem influenciar de forma positiva ou negativa no processo de resiliencia dessas mulheres frente a cárcere, sendo a resiliencia a capacidade de superação frente aos efeitos nocivos das adversidades. Objetivo: O presente estudo tem por objetivo identificar os principais mecanismos de proteção e risco envoltos no processo de resiliencia em mulheres encarceradas. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo exploratória, realizada a partir de uma revisão integrativa da literatura nas principais bases de dados. Utilizou-se como descritores os termos “O cárcere e a mulher encarcerada” e “Processo de resiliencia no ambiente prisional”. Para tanto, foram considerados os seguintes critérios de refinamento: artigos publicados em português, exclusão de textos coincidentes, que não disponibilizassem o conteúdo completo e que não fizessem referência direta ao tema. Foram encontrados 25 artigos, não obstante, apenas 12 atenderam aos critérios de inclusão. O tratamento dos dados foi realizado por meio da análise qualitativa dos artigos selecionados, confrontando-os de modo a extrair as convergências, divergências e novas perspectivas acerca do tema abordado. RESULTADOS E DISCUSSÕES: De acordo com o material discutido e analisado, pode-se entender como se dar esse processo de “mutilações” presente nas instituições de prisão, sobretudo observar que as principais formas de mutilações – Distanciamento dos filhos, fragmentação da estrutura familiar, despersonalização, ausência de relações afetivas e de confiança - podem ser caracterizadas como mecanismos de risco. No entanto pode identificar diversos mecanismos de proteção que influenciam de forma positiva no processo de resiliencia, alguns deles são: a fé, o amor aos filhos, a música, o trabalho, a escola, e desejo de oferecer um futuro melhor para os filhos. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É importante ressaltar que a literatura apresenta uma constelação de mecanismos, sejam eles pessoais ou desencadeados pelo ambiente. No entanto o referencial superação é muito particular e subjetivo, em outras palavras, variando de pessoa para pessoa, de grupo para grupo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.