Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 279
EFEITO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE ANTIBIÓTICOS CONTRA LINHAGENS DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS MDR

Palavra-chaves: SINERGISMO, β-LACTÂMICOS, AMINOGLICOSÍDEOS Pôster (PO) Farmacologia Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

Introdução: O uso de terapias combinadas de antibióticos é preferido em infecções nosocomiais provocadas por bactérias multirresistentes e tem demonstrado efeitos sinérgicos promissores na prática clínica. Dentre os antibióticos utilizados no combate a estas infecções encontram-se os betalactâmicos, compostos que englobam os carbapenêmicos e as cefalosporinas e possuem ação na parede celular bacteriana interferindo em sua reação de transpeptidação, deixando a célula bacteriana desprotegida. Além destes pode-se citar também os aminoglicosídeos, compostos que necessitam ser internalizados na célula bacteriana para produzirem efeito. Assim substância que facilitem essa internalização podem amplificar o ação dos aminoglicosídeos, melhorando sua atuação no combate a infecções nosocomiais. Objetivos: Investigar in vitro as possíveis interações entre antibióticos da classe dos aminoglicosídeos combinados a cefalosporinas e carbapenêmicos frente a linhagens multirresistentes de Staphylococcus aureus, provenientes de isolados clínicos da UTI do Hospital e Maternidade São Vicente de Paula Barbalha - CE. Metodologia: A avaliação da atividade antibacteriana dos antibióticos foi observada através da determinação da Concentração Inibitória Mínima (CIM) pelo método da microdiluição. Foram realizados ensaios para verificar a possível ação sinérgica entre as aminoglicosídeos e as cefalosporinas e os carbapenêmicos, utilizando os aminoglicosídeos em uma concentração subinibitória. Resultados: Não houve interferência na atividade dos antibióticos, discordando de estudos prévios com Gram-positiva, que também demonstraram sinergismo quando à associação destes antibióticos. A resistência do S. aureus aos antibióticos tem sido desenvolvida desde a utilização do primeiro β-lactâmico, a penicilina, pela produção da β-lactamase codificada por plasmídeos. Conclusão: Estes dados contribuem com outros já existentes em bibliografias e poderão incentivar futuras pesquisas sobre os aspectos toxicológicos desta combinação. Ressalta-se que a utilização da politerapia no tratamento das diversas enfermidades tem contribuído significativamente para a melhora dos pacientes. Os novos estudos deveram pautar-se na utilização de outras linhagens bacterianas, além da utilizada no presente estudo, promovendo uma ampliação na perspectiva de resultados.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.