Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 226
ANÁLISE DE ENTEROPARASITAS EM AMOSTRAS DE ALFACES (LACTUCA SATIVA) DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE PATOS, PARAÍBA, BRASIL

Palavra-chaves: ENTEROPARASITAS, ALFACES, SISTEMAS DE CULTIVO Tema Livre (TL) Parasitologia Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

As hortaliças constituem alimentos de grande importância na dieta diária devido ao teor de nutrientes necessários ao funcionamento adequado do organismo, como sais minerais, fibras alimentares e vitaminas. Atraídos por esses benefícios os consumidores destas hortaliças in natura,em destaque a alface (Lactuca sativa) se expõe ao risco de infecções por enteroparasitas. O presente trabalho teve como objetivo realizar uma investigação laboratorial da ocorrência de enteroparasitas em amostras de alface de diferentes sistemas de cultivo comercializadas na cidade de Patos, Paraíba, Brasil, fazendo uma comparação do potencial contaminante em alfaces convencionais, orgânicos e hidropônico.As amostras foram coletadas em quatro pontos de comercialização de alfaces (Lactucasativa variedade crespa) na cidade de Patos- PB, sendo uma unidade de distribuição, um mercado público, uma feira livre e um supermercado privado e encaminhadas para o Laboratório Escola de Biomedicina das Faculdades Integradas de Patos – BIOLAB, onde foram processadas. Foi evidenciada uma positividade de 90% de contaminação nas amostras analisadas. As amostras de alface pelo sistema de cultivo hidropônico apresentaram ausência de estruturas parasitárias, já nas outras amostras os parasitas encontrados foram os seguintes: Entamoebahistolytica, Entamoeba coli, Endolimax nana,Giardialamblia, Taeniaspp,Ascaris lumbricoides,EnterobiusvermiculariseTrichuristrichiura.Confrontando os resultados obtidos no presente estudo frente os resultados de outras pesquisas disponíveis na literatura, constatou-se uma elevada contaminação em100% das amostras de alfaces coletadas cultivados pelo sistema convencional e orgânico. Provavelmente as contaminações dessas hortaliças ocorreram na horta, resultante da utilização de adubos ou irrigação inadequada com água contaminada, no transporte ou por manipulação nos pontos de vendas. Ainda foram encontrados cristais de oxalato de cálcio, levantando a possibilidade de que pessoas ou animais estivessem realizando suas necessidades fisiológicas próximas à horta. Em relação aos resultados das amostras de alfaces cultivadas pelo sistema hidropônico, constatou-se a ausência de contaminação por enteroparasitas, provavelmente este resultado deve-se as altas condições de higiene empregadas nas etapas de cultivo e manejo deste tipo de amostra, pois as hortaliças são protegidas do solo e de fatores adversos do meio ambiente, como chuvas e geadas, o que favorece a produtividade das hortaliças. Diante do exposto, conclui-se que as alfaces cultivadas pelos sistemas convencional e orgânico consumidas pela população da cidade de Patos estão fora do padrão de consumo normatizado pela resolução de 12/78, da Comissão Nacional de Normas e Padrões para Alimentos. Já sobre as alfaces cultivadas pelo sistema hidropônico pode-se ressaltar sua qualidade higiênico-sanitária, confirmando a hipótese de que a hidroponia utiliza essencialmente nutrientes dissolvidos em água potável, não sendo as hortaliças plantadas em terra, que é comprovadamente veículo de vários parasitos e contaminantes. Torna-se, portanto essencial à busca por uma reeducação de higienização por parte dos produtores e dos consumidores, e o fornecimento de ações educativas aos manipuladores de alimentos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.