Artigo Anais III CONBRACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2525-6696

LAGOQUILASCARÍASE HUMANA – ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO-LABORATORIAL

Palavra-chaves: LAGOCHILASCARIS MINOR, EPIDEMIOLOGIA, PARASITAS, ZOONOSES Comunicação Oral (CO) AT-03: Farmácia
"2018-06-13 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 41167
    "edicao_id" => 88
    "trabalho_id" => 148
    "inscrito_id" => 604
    "titulo" => "LAGOQUILASCARÍASE HUMANA – ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO-LABORATORIAL"
    "resumo" => "Algumas infecções parasitárias só recentemente foram descritas. É o caso de diversas doenças zoonóticas, que são próprias de determinadas classes de animais e eventualmente podem contaminar o ser humano, como helmintos do gênero Lagochilascaris, implicados como causadores de uma parasitose emergente e potencialmente grave. Na literatura, encontram-se descritas cinco espécies do gênero, sendo Lagochilascaris minor a única associada à infecção humana. No Brasil são observados mais de 90% dos registros de lagoquilascaríase humana mundial. As principais formas de contaminação são ingestão de carne, crua ou mal cozida de animais silvestres, contendo larvas encistadas do parasito e/ou ingestão de larvas infectantes juntamente com água de bebida contaminada com fezes de hospedeiro silvestre. A lagoquilascaríase é uma doença de evolução crônica cujo processo infeccioso pode persistir por vários anos, sobretudo quando o verme se aloja no tecido subcutâneo do pescoço, seios paranasais e mastoide. O parasita realiza autoinfecção no homem e isso leva a uma cronificação da doença durante vários anos. A migração do parasito, por meio dos tecidos, origina lesões secundárias próximas ou bem distantes do abscesso inicial, formando verdadeiros túneis nos tecidos comprometidos, demonstrando que o parasito apresenta intensa capacidade de lisar os tecidos dos hospedeiros definitivos. Apesar dos avanços na pesquisa científica, a maior parte dos profissionais em saúde das áreas endêmicas desconhece este parasito. É necessário o conhecimento para que sejam tomadas medidas no sentido de reduzir a contaminação dos ambientes, evitando assim a disseminação de parasitoses em animais e no homem."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-03: Farmácia"
    "palavra_chave" => "LAGOCHILASCARIS MINOR, EPIDEMIOLOGIA, PARASITAS, ZOONOSES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV108_MD1_SA3_ID604_09052018212812.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:25"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:35:33"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "TULIO CHAVES MENDES"
    "autor_nome_curto" => "TÚLIO CHAVES"
    "autor_email" => "tuliochavesmendes@gmail.c"
    "autor_ies" => "UEPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais III CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "III Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2018"
    "edicao_logo" => "5e4a0164e65af_16022020235844.png"
    "edicao_capa" => "5f1844cf3c5b5_22072020105319.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-06-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 41167
    "edicao_id" => 88
    "trabalho_id" => 148
    "inscrito_id" => 604
    "titulo" => "LAGOQUILASCARÍASE HUMANA – ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO-LABORATORIAL"
    "resumo" => "Algumas infecções parasitárias só recentemente foram descritas. É o caso de diversas doenças zoonóticas, que são próprias de determinadas classes de animais e eventualmente podem contaminar o ser humano, como helmintos do gênero Lagochilascaris, implicados como causadores de uma parasitose emergente e potencialmente grave. Na literatura, encontram-se descritas cinco espécies do gênero, sendo Lagochilascaris minor a única associada à infecção humana. No Brasil são observados mais de 90% dos registros de lagoquilascaríase humana mundial. As principais formas de contaminação são ingestão de carne, crua ou mal cozida de animais silvestres, contendo larvas encistadas do parasito e/ou ingestão de larvas infectantes juntamente com água de bebida contaminada com fezes de hospedeiro silvestre. A lagoquilascaríase é uma doença de evolução crônica cujo processo infeccioso pode persistir por vários anos, sobretudo quando o verme se aloja no tecido subcutâneo do pescoço, seios paranasais e mastoide. O parasita realiza autoinfecção no homem e isso leva a uma cronificação da doença durante vários anos. A migração do parasito, por meio dos tecidos, origina lesões secundárias próximas ou bem distantes do abscesso inicial, formando verdadeiros túneis nos tecidos comprometidos, demonstrando que o parasito apresenta intensa capacidade de lisar os tecidos dos hospedeiros definitivos. Apesar dos avanços na pesquisa científica, a maior parte dos profissionais em saúde das áreas endêmicas desconhece este parasito. É necessário o conhecimento para que sejam tomadas medidas no sentido de reduzir a contaminação dos ambientes, evitando assim a disseminação de parasitoses em animais e no homem."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT-03: Farmácia"
    "palavra_chave" => "LAGOCHILASCARIS MINOR, EPIDEMIOLOGIA, PARASITAS, ZOONOSES"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV108_MD1_SA3_ID604_09052018212812.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:25"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:35:33"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "TULIO CHAVES MENDES"
    "autor_nome_curto" => "TÚLIO CHAVES"
    "autor_email" => "tuliochavesmendes@gmail.c"
    "autor_ies" => "UEPB"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-conbracis"
    "edicao_nome" => "Anais III CONBRACIS"
    "edicao_evento" => "III Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conbracis/2018"
    "edicao_logo" => "5e4a0164e65af_16022020235844.png"
    "edicao_capa" => "5f1844cf3c5b5_22072020105319.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-06-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 29
    "publicacao_nome" => "Anais Conbracis"
    "publicacao_codigo" => "2525-6696"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 13 de junho de 2018

Resumo

Algumas infecções parasitárias só recentemente foram descritas. É o caso de diversas doenças zoonóticas, que são próprias de determinadas classes de animais e eventualmente podem contaminar o ser humano, como helmintos do gênero Lagochilascaris, implicados como causadores de uma parasitose emergente e potencialmente grave. Na literatura, encontram-se descritas cinco espécies do gênero, sendo Lagochilascaris minor a única associada à infecção humana. No Brasil são observados mais de 90% dos registros de lagoquilascaríase humana mundial. As principais formas de contaminação são ingestão de carne, crua ou mal cozida de animais silvestres, contendo larvas encistadas do parasito e/ou ingestão de larvas infectantes juntamente com água de bebida contaminada com fezes de hospedeiro silvestre. A lagoquilascaríase é uma doença de evolução crônica cujo processo infeccioso pode persistir por vários anos, sobretudo quando o verme se aloja no tecido subcutâneo do pescoço, seios paranasais e mastoide. O parasita realiza autoinfecção no homem e isso leva a uma cronificação da doença durante vários anos. A migração do parasito, por meio dos tecidos, origina lesões secundárias próximas ou bem distantes do abscesso inicial, formando verdadeiros túneis nos tecidos comprometidos, demonstrando que o parasito apresenta intensa capacidade de lisar os tecidos dos hospedeiros definitivos. Apesar dos avanços na pesquisa científica, a maior parte dos profissionais em saúde das áreas endêmicas desconhece este parasito. É necessário o conhecimento para que sejam tomadas medidas no sentido de reduzir a contaminação dos ambientes, evitando assim a disseminação de parasitoses em animais e no homem.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.