Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

TECNOLOGIA ASSISTIVA: CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA O ALUNO COM PARALISIA CEREBRAL

Palavra-chaves: TECNOLOGIA ASSISTIVA, DEFICIÊNCIA FÍSICA, ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO Pôster (PO) GT 10 - Educação Especial
"2017-12-20 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 38656
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 2081
    "inscrito_id" => 6088
    "titulo" => "TECNOLOGIA ASSISTIVA: CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA O ALUNO COM PARALISIA CEREBRAL"
    "resumo" => "A deficiência física, geralmente, aparece associada a outras condições, como associações sensoriais, visuais ou auditivas, deficiência intelectual, autismo, dentre outras. O Ministério da Educação (2007) caracteriza a deficiência física como a alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física. Esse comprometimento acarreta a falta de um membro, sua má-formação ou deformação. Existem também as alterações funcionais motoras provenientes de lesão do sistema nervoso que altera, principalmente, o tônus muscular. No contexto escolar, o professor se depara com diagnósticos diferenciados, por isso a importância do conhecimento sobre a deficiência, principalmente para quem atua no Atendimento Educacional Especializado (AEE). Neste trabalho, nos detemos a um estudo de caso de um aluno que apresenta o quadro de paralisia cerebral e frequenta o serviço do AEE. A paralisia cerebral é definida como um termo genérico para o conjunto de encefalopatias crônicas não progressivas da infância.  Alguns autores reconhecem a evidente associação entre a deficiência física e as questões comunicacionais, como nos casos de indivíduos com paralisia cerebral. Dessa maneira, justifica-se a importância da Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) para esse público com dificuldades funcionais de fala e escrita. A CAA conta com recursos (pranchas de comunicação ou vocalizadores portáteis) e estratégias que adicionam ou favorecem alternativas para a fala de difícil compreensão ou inexistente. Diante disto, foi apresentado ao referido aluno as possibilidades de construção das pranchas de comunicação pessoal personalizada; o aluno optou pela confecção de cartões de comunicação organizados em fichários e presos em argolas (como um chaveiro), pois facilita o manuseio e o mesmo apresenta comprometimentos motores dos membros superiores, como pequenos espasmos. A apresentação dos cartões ocorreu de maneira gradativa, possibilitando êxito no uso correto. O objetivo principal do trabalho no AEE com o aluno foi estabelecer melhores meios de ampliar sua comunicação nos diversos espaços, utilizando a proposta pedagógica dos recursos de tecnologia assistiva, em especial a CAA. Vale ressaltar que no AEE, o professor encontra um grande número de alunos que apresentam quadros de paralisia cerebral que podem ou não apresentar a fala preservada, por isso à necessidade de aprofundamento do profissional do AEE sobre esse recurso de materiais pedagógicos adaptados."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 10 - Educação Especial"
    "palavra_chave" => "TECNOLOGIA ASSISTIVA, DEFICIÊNCIA FÍSICA, ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD4_SA10_ID6088_11092017170944.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:23"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "KEROLYN CHRISTINA MOREIRA"
    "autor_nome_curto" => "KEROLYN MOREIRA"
    "autor_email" => "kerolynmoreira@yahoo.com."
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 38656
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 2081
    "inscrito_id" => 6088
    "titulo" => "TECNOLOGIA ASSISTIVA: CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA O ALUNO COM PARALISIA CEREBRAL"
    "resumo" => "A deficiência física, geralmente, aparece associada a outras condições, como associações sensoriais, visuais ou auditivas, deficiência intelectual, autismo, dentre outras. O Ministério da Educação (2007) caracteriza a deficiência física como a alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física. Esse comprometimento acarreta a falta de um membro, sua má-formação ou deformação. Existem também as alterações funcionais motoras provenientes de lesão do sistema nervoso que altera, principalmente, o tônus muscular. No contexto escolar, o professor se depara com diagnósticos diferenciados, por isso a importância do conhecimento sobre a deficiência, principalmente para quem atua no Atendimento Educacional Especializado (AEE). Neste trabalho, nos detemos a um estudo de caso de um aluno que apresenta o quadro de paralisia cerebral e frequenta o serviço do AEE. A paralisia cerebral é definida como um termo genérico para o conjunto de encefalopatias crônicas não progressivas da infância.  Alguns autores reconhecem a evidente associação entre a deficiência física e as questões comunicacionais, como nos casos de indivíduos com paralisia cerebral. Dessa maneira, justifica-se a importância da Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) para esse público com dificuldades funcionais de fala e escrita. A CAA conta com recursos (pranchas de comunicação ou vocalizadores portáteis) e estratégias que adicionam ou favorecem alternativas para a fala de difícil compreensão ou inexistente. Diante disto, foi apresentado ao referido aluno as possibilidades de construção das pranchas de comunicação pessoal personalizada; o aluno optou pela confecção de cartões de comunicação organizados em fichários e presos em argolas (como um chaveiro), pois facilita o manuseio e o mesmo apresenta comprometimentos motores dos membros superiores, como pequenos espasmos. A apresentação dos cartões ocorreu de maneira gradativa, possibilitando êxito no uso correto. O objetivo principal do trabalho no AEE com o aluno foi estabelecer melhores meios de ampliar sua comunicação nos diversos espaços, utilizando a proposta pedagógica dos recursos de tecnologia assistiva, em especial a CAA. Vale ressaltar que no AEE, o professor encontra um grande número de alunos que apresentam quadros de paralisia cerebral que podem ou não apresentar a fala preservada, por isso à necessidade de aprofundamento do profissional do AEE sobre esse recurso de materiais pedagógicos adaptados."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 10 - Educação Especial"
    "palavra_chave" => "TECNOLOGIA ASSISTIVA, DEFICIÊNCIA FÍSICA, ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD4_SA10_ID6088_11092017170944.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:23"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:11"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "KEROLYN CHRISTINA MOREIRA"
    "autor_nome_curto" => "KEROLYN MOREIRA"
    "autor_email" => "kerolynmoreira@yahoo.com."
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

A deficiência física, geralmente, aparece associada a outras condições, como associações sensoriais, visuais ou auditivas, deficiência intelectual, autismo, dentre outras. O Ministério da Educação (2007) caracteriza a deficiência física como a alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física. Esse comprometimento acarreta a falta de um membro, sua má-formação ou deformação. Existem também as alterações funcionais motoras provenientes de lesão do sistema nervoso que altera, principalmente, o tônus muscular. No contexto escolar, o professor se depara com diagnósticos diferenciados, por isso a importância do conhecimento sobre a deficiência, principalmente para quem atua no Atendimento Educacional Especializado (AEE). Neste trabalho, nos detemos a um estudo de caso de um aluno que apresenta o quadro de paralisia cerebral e frequenta o serviço do AEE. A paralisia cerebral é definida como um termo genérico para o conjunto de encefalopatias crônicas não progressivas da infância. Alguns autores reconhecem a evidente associação entre a deficiência física e as questões comunicacionais, como nos casos de indivíduos com paralisia cerebral. Dessa maneira, justifica-se a importância da Comunicação Aumentativa e Alternativa (CAA) para esse público com dificuldades funcionais de fala e escrita. A CAA conta com recursos (pranchas de comunicação ou vocalizadores portáteis) e estratégias que adicionam ou favorecem alternativas para a fala de difícil compreensão ou inexistente. Diante disto, foi apresentado ao referido aluno as possibilidades de construção das pranchas de comunicação pessoal personalizada; o aluno optou pela confecção de cartões de comunicação organizados em fichários e presos em argolas (como um chaveiro), pois facilita o manuseio e o mesmo apresenta comprometimentos motores dos membros superiores, como pequenos espasmos. A apresentação dos cartões ocorreu de maneira gradativa, possibilitando êxito no uso correto. O objetivo principal do trabalho no AEE com o aluno foi estabelecer melhores meios de ampliar sua comunicação nos diversos espaços, utilizando a proposta pedagógica dos recursos de tecnologia assistiva, em especial a CAA. Vale ressaltar que no AEE, o professor encontra um grande número de alunos que apresentam quadros de paralisia cerebral que podem ou não apresentar a fala preservada, por isso à necessidade de aprofundamento do profissional do AEE sobre esse recurso de materiais pedagógicos adaptados.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.