Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

OLHO HUMANO: A ÓPTICA DO CORPO

Palavra-chaves: PIBID, EXPERIMENTO DE BAIXO CUSTO, ENSINO DE ÓPTICA, DEFICIÊNCIAS VISUAIS Pôster (PO) GT 16 – Ensino de Ciências
"2017-12-20 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 38043
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 4105
    "inscrito_id" => 3086
    "titulo" => "OLHO HUMANO: A ÓPTICA DO CORPO"
    "resumo" => "Este trabalho trata da construção e aplicação de um módulo experimental que tem por finalidade fazer com que o aluno perceba fenômenos ópticos do cotidiano, ou seja, exemplos de como a óptica está completamente presente em seu dia-a-dia. Foi construído um modelo experimental simples de um olho humano que, de forma lúdica e ilustrativa, aborda tais fenômenos a partir de um grande exemplo concreto e corriqueiro, a saber, as deficiências visuais mais comumente incidentes. O aparato experimental utilizado conta com três conjuntos de lentes, cada qual com a finalidade de simular uma situação diferente: um olho com seu cristalino saudável, um olho míope e um olho hipermetrope. Além disso, os conjuntos que simulam alguma das deficiências contam, cada um, com uma lente que representa a correção -, no caso, representando uma lente de contato - feita para que o olho volte a ter um cristalino saudável. Durante a realização do experimento, é possível observar, através de uma câmera de celular – com o autofoco desligado – localizado na parte posterior do olho na saída de uma câmara escura, como a imagem se forma na retina do olho. Com isso, demonstramos, trocando os conjuntos de lentes, o que são, como funcionam e como corrigir os problemas visuais abordados (miopia e hipermetropia) utilizando lentes de contato. O modelo experimental foi, previamente, aplicado para uma turma de calouros do curso de licenciatura em física da UFRRJ para avaliar a eficiência da abordagem já que, por terem entrado a pouco tempo eles ainda não tiveram matérias sobre essa área de estudo. A aplicação consistiu em dois testes, um antes da explicação do modelo e um depois da explicação com o intuito de avaliar, respectivamente, o nível de conhecimento prévio dos alunos e o quanto o experimento os ajudou a reforçar e/ou compreender melhor os tópicos abordados. Sendo assim, o processo de aprendizagem de conceitos como, por exemplo, lentes convergentes e divergentes, além do entendimento de como ocorre o processo da visão, se torna muito mais fácil e palpável para a mente do aluno, uma vez que que esses assuntos serão abordados de forma prática e aplicada. Ressalte-se que todo o modelo experimental foi concebido para que possa ser construído caseiramente com o uso de componentes acessíveis e de baixo custo."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 16 – Ensino de Ciências"
    "palavra_chave" => "PIBID, EXPERIMENTO DE BAIXO CUSTO, ENSINO DE ÓPTICA, DEFICIÊNCIAS VISUAIS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD4_SA16_ID3086_16102017173924.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:23"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:10"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARCELO KESSELES GONÇALVES"
    "autor_nome_curto" => "MARCELO K."
    "autor_email" => "marcelo_kesseles@hotmail."
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO (UFRRJ)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 38043
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 4105
    "inscrito_id" => 3086
    "titulo" => "OLHO HUMANO: A ÓPTICA DO CORPO"
    "resumo" => "Este trabalho trata da construção e aplicação de um módulo experimental que tem por finalidade fazer com que o aluno perceba fenômenos ópticos do cotidiano, ou seja, exemplos de como a óptica está completamente presente em seu dia-a-dia. Foi construído um modelo experimental simples de um olho humano que, de forma lúdica e ilustrativa, aborda tais fenômenos a partir de um grande exemplo concreto e corriqueiro, a saber, as deficiências visuais mais comumente incidentes. O aparato experimental utilizado conta com três conjuntos de lentes, cada qual com a finalidade de simular uma situação diferente: um olho com seu cristalino saudável, um olho míope e um olho hipermetrope. Além disso, os conjuntos que simulam alguma das deficiências contam, cada um, com uma lente que representa a correção -, no caso, representando uma lente de contato - feita para que o olho volte a ter um cristalino saudável. Durante a realização do experimento, é possível observar, através de uma câmera de celular – com o autofoco desligado – localizado na parte posterior do olho na saída de uma câmara escura, como a imagem se forma na retina do olho. Com isso, demonstramos, trocando os conjuntos de lentes, o que são, como funcionam e como corrigir os problemas visuais abordados (miopia e hipermetropia) utilizando lentes de contato. O modelo experimental foi, previamente, aplicado para uma turma de calouros do curso de licenciatura em física da UFRRJ para avaliar a eficiência da abordagem já que, por terem entrado a pouco tempo eles ainda não tiveram matérias sobre essa área de estudo. A aplicação consistiu em dois testes, um antes da explicação do modelo e um depois da explicação com o intuito de avaliar, respectivamente, o nível de conhecimento prévio dos alunos e o quanto o experimento os ajudou a reforçar e/ou compreender melhor os tópicos abordados. Sendo assim, o processo de aprendizagem de conceitos como, por exemplo, lentes convergentes e divergentes, além do entendimento de como ocorre o processo da visão, se torna muito mais fácil e palpável para a mente do aluno, uma vez que que esses assuntos serão abordados de forma prática e aplicada. Ressalte-se que todo o modelo experimental foi concebido para que possa ser construído caseiramente com o uso de componentes acessíveis e de baixo custo."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "GT 16 – Ensino de Ciências"
    "palavra_chave" => "PIBID, EXPERIMENTO DE BAIXO CUSTO, ENSINO DE ÓPTICA, DEFICIÊNCIAS VISUAIS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD4_SA16_ID3086_16102017173924.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:23"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:10"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MARCELO KESSELES GONÇALVES"
    "autor_nome_curto" => "MARCELO K."
    "autor_email" => "marcelo_kesseles@hotmail."
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO (UFRRJ)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Este trabalho trata da construção e aplicação de um módulo experimental que tem por finalidade fazer com que o aluno perceba fenômenos ópticos do cotidiano, ou seja, exemplos de como a óptica está completamente presente em seu dia-a-dia. Foi construído um modelo experimental simples de um olho humano que, de forma lúdica e ilustrativa, aborda tais fenômenos a partir de um grande exemplo concreto e corriqueiro, a saber, as deficiências visuais mais comumente incidentes. O aparato experimental utilizado conta com três conjuntos de lentes, cada qual com a finalidade de simular uma situação diferente: um olho com seu cristalino saudável, um olho míope e um olho hipermetrope. Além disso, os conjuntos que simulam alguma das deficiências contam, cada um, com uma lente que representa a correção -, no caso, representando uma lente de contato - feita para que o olho volte a ter um cristalino saudável. Durante a realização do experimento, é possível observar, através de uma câmera de celular – com o autofoco desligado – localizado na parte posterior do olho na saída de uma câmara escura, como a imagem se forma na retina do olho. Com isso, demonstramos, trocando os conjuntos de lentes, o que são, como funcionam e como corrigir os problemas visuais abordados (miopia e hipermetropia) utilizando lentes de contato. O modelo experimental foi, previamente, aplicado para uma turma de calouros do curso de licenciatura em física da UFRRJ para avaliar a eficiência da abordagem já que, por terem entrado a pouco tempo eles ainda não tiveram matérias sobre essa área de estudo. A aplicação consistiu em dois testes, um antes da explicação do modelo e um depois da explicação com o intuito de avaliar, respectivamente, o nível de conhecimento prévio dos alunos e o quanto o experimento os ajudou a reforçar e/ou compreender melhor os tópicos abordados. Sendo assim, o processo de aprendizagem de conceitos como, por exemplo, lentes convergentes e divergentes, além do entendimento de como ocorre o processo da visão, se torna muito mais fácil e palpável para a mente do aluno, uma vez que que esses assuntos serão abordados de forma prática e aplicada. Ressalte-se que todo o modelo experimental foi concebido para que possa ser construído caseiramente com o uso de componentes acessíveis e de baixo custo.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.