Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

MONOPÓLIO AMBIENTAL NO ENSINO DE ECOLOGIA: APLICAÇÃO E CONSIDERAÇÕES

Palavra-chaves: ECOLOGIA, JOGO DIDÁTICO, MEIO AMBIENTE Comunicação Oral (CO) GT 16 – Ensino de Ciências
"2017-12-20 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 37475
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 4861
    "inscrito_id" => 9998
    "titulo" => "MONOPÓLIO AMBIENTAL NO ENSINO DE ECOLOGIA: APLICAÇÃO E CONSIDERAÇÕES"
    "resumo" => "Apesar das ferramentas de ensino variadas na área, a educação ambiental permanece precarizada no Brasil, com uma baixa compreensão de conceitos como impactos ambientais e o papel antrópico neles pela maior parte da população. Isso não significa que o ensino de Ecologia em si seja de fato inconsistente, mas sim que as significações dos conceitos mais profundos da área não estão sendo abordados de maneira a refletir a compreensão do tema. Conceitos específicos de Ecologia podem ser apreendidos, mas isso não basta para que se tenha a aplicação desses conhecimentos no cotidiano. É nesse cenário que surgem propostas para fazer com que os conceitos abordados sejam interiorizados a partir da vivência. Um passeio pelo bairro, por exemplo, pode mostrar aos alunos os impactos ambientais domésticos, experiência que se interiorizada e refletida, deverá gerar mudança de comportamento. Mas também consideramos que questões ambientais são questões socioculturais e perpassam obrigatoriamente por muitos atores. E apenas o diálogo entre os mais diversos pontos de vista que participam desse cenário pode gerar alterações duradouras. Impacto requer empatia. Mas como ver o cenário a partir do ponto de vista da indústria, a maior responsável pelos impactos ambientais? O jogo Monopólio Ambiental oferece um caminho para isso, fazendo com que os jogadores encarnem empresários que precisam lucrar para vencer o jogo, mas que para isso devem tomar decisões difíceis que envolvam vários aspectos da sociedade civil (governo, população, imprensa...). Tal jogo foi aplicado a aluno de Ensino Fundamental II e Ensino Médio para perceber sua eficácia e eficiência ao trabalhar esses assuntos. O jogo traz conceitos específicos de Ecologia que envolvem toda a dinâmica do jogo. Um questionário foi usado para saber se os alunos apreenderam os conceitos trabalhados e as questões ambientais em micro e macro escalas. Através da análise desse jogo pudemos perceber que ele foi eficaz em ensinar conceitos específicos, como corredores ecológicos e parques ambientais, bem como sobre gerenciar recursos naturais de modo sustentável. E sua eficiência foi também elevada, aumentando consideravelmente o entendimento de conceitos específicos de Ecologia. Curiosamente, uma porção considerável dos alunos subestima o próprio aprendizado, o que foi verificado a partir da análise dos questionários."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 16 – Ensino de Ciências"
    "palavra_chave" => "ECOLOGIA, JOGO DIDÁTICO, MEIO AMBIENTE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA16_ID9998_17102017123151.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:22"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:08"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SANDREANE DE OLIVEIRA TENÓRIO"
    "autor_nome_curto" => "SANDREANE"
    "autor_email" => "sandreanedeoliveira@gmail"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS (UFAL)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 37475
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 4861
    "inscrito_id" => 9998
    "titulo" => "MONOPÓLIO AMBIENTAL NO ENSINO DE ECOLOGIA: APLICAÇÃO E CONSIDERAÇÕES"
    "resumo" => "Apesar das ferramentas de ensino variadas na área, a educação ambiental permanece precarizada no Brasil, com uma baixa compreensão de conceitos como impactos ambientais e o papel antrópico neles pela maior parte da população. Isso não significa que o ensino de Ecologia em si seja de fato inconsistente, mas sim que as significações dos conceitos mais profundos da área não estão sendo abordados de maneira a refletir a compreensão do tema. Conceitos específicos de Ecologia podem ser apreendidos, mas isso não basta para que se tenha a aplicação desses conhecimentos no cotidiano. É nesse cenário que surgem propostas para fazer com que os conceitos abordados sejam interiorizados a partir da vivência. Um passeio pelo bairro, por exemplo, pode mostrar aos alunos os impactos ambientais domésticos, experiência que se interiorizada e refletida, deverá gerar mudança de comportamento. Mas também consideramos que questões ambientais são questões socioculturais e perpassam obrigatoriamente por muitos atores. E apenas o diálogo entre os mais diversos pontos de vista que participam desse cenário pode gerar alterações duradouras. Impacto requer empatia. Mas como ver o cenário a partir do ponto de vista da indústria, a maior responsável pelos impactos ambientais? O jogo Monopólio Ambiental oferece um caminho para isso, fazendo com que os jogadores encarnem empresários que precisam lucrar para vencer o jogo, mas que para isso devem tomar decisões difíceis que envolvam vários aspectos da sociedade civil (governo, população, imprensa...). Tal jogo foi aplicado a aluno de Ensino Fundamental II e Ensino Médio para perceber sua eficácia e eficiência ao trabalhar esses assuntos. O jogo traz conceitos específicos de Ecologia que envolvem toda a dinâmica do jogo. Um questionário foi usado para saber se os alunos apreenderam os conceitos trabalhados e as questões ambientais em micro e macro escalas. Através da análise desse jogo pudemos perceber que ele foi eficaz em ensinar conceitos específicos, como corredores ecológicos e parques ambientais, bem como sobre gerenciar recursos naturais de modo sustentável. E sua eficiência foi também elevada, aumentando consideravelmente o entendimento de conceitos específicos de Ecologia. Curiosamente, uma porção considerável dos alunos subestima o próprio aprendizado, o que foi verificado a partir da análise dos questionários."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 16 – Ensino de Ciências"
    "palavra_chave" => "ECOLOGIA, JOGO DIDÁTICO, MEIO AMBIENTE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA16_ID9998_17102017123151.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:22"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:08"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SANDREANE DE OLIVEIRA TENÓRIO"
    "autor_nome_curto" => "SANDREANE"
    "autor_email" => "sandreanedeoliveira@gmail"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS (UFAL)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Apesar das ferramentas de ensino variadas na área, a educação ambiental permanece precarizada no Brasil, com uma baixa compreensão de conceitos como impactos ambientais e o papel antrópico neles pela maior parte da população. Isso não significa que o ensino de Ecologia em si seja de fato inconsistente, mas sim que as significações dos conceitos mais profundos da área não estão sendo abordados de maneira a refletir a compreensão do tema. Conceitos específicos de Ecologia podem ser apreendidos, mas isso não basta para que se tenha a aplicação desses conhecimentos no cotidiano. É nesse cenário que surgem propostas para fazer com que os conceitos abordados sejam interiorizados a partir da vivência. Um passeio pelo bairro, por exemplo, pode mostrar aos alunos os impactos ambientais domésticos, experiência que se interiorizada e refletida, deverá gerar mudança de comportamento. Mas também consideramos que questões ambientais são questões socioculturais e perpassam obrigatoriamente por muitos atores. E apenas o diálogo entre os mais diversos pontos de vista que participam desse cenário pode gerar alterações duradouras. Impacto requer empatia. Mas como ver o cenário a partir do ponto de vista da indústria, a maior responsável pelos impactos ambientais? O jogo Monopólio Ambiental oferece um caminho para isso, fazendo com que os jogadores encarnem empresários que precisam lucrar para vencer o jogo, mas que para isso devem tomar decisões difíceis que envolvam vários aspectos da sociedade civil (governo, população, imprensa...). Tal jogo foi aplicado a aluno de Ensino Fundamental II e Ensino Médio para perceber sua eficácia e eficiência ao trabalhar esses assuntos. O jogo traz conceitos específicos de Ecologia que envolvem toda a dinâmica do jogo. Um questionário foi usado para saber se os alunos apreenderam os conceitos trabalhados e as questões ambientais em micro e macro escalas. Através da análise desse jogo pudemos perceber que ele foi eficaz em ensinar conceitos específicos, como corredores ecológicos e parques ambientais, bem como sobre gerenciar recursos naturais de modo sustentável. E sua eficiência foi também elevada, aumentando consideravelmente o entendimento de conceitos específicos de Ecologia. Curiosamente, uma porção considerável dos alunos subestima o próprio aprendizado, o que foi verificado a partir da análise dos questionários.

Compartilhe:

Visualização do Artigo

Infelizmente, não conseguimos localizar o arquivo para download. Mas não se preocupe, nossa equipe já foi notificada do problema e já estamos trabalhando para a resolução! Tente novamente mais tarde!

Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.