Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 208
COISA DE MULHER NEGRA É...: NEPGS E NEABI DISCUTINDO A INVISIBILIDADE SOCIAL IMPOSTA

Palavra-chaves: MULHER NEGRA, GÊNERO, RAÇA Comunicação Oral (CO) GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Canoas vem incentivando os alunos através de projetos de pesquisa e extensão que viabilizam assuntos pouco recorrentes em sala de aula, oportunizando espaços de engajamento pelo saber em questões sociais e culturais. Sendo assim, o Núcleos de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidades – NEPGS e o Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas - NEABI do Campus Canoas vem promovendo ações como palestras, debates, exibições de filmes e atividades que abordam as relações de gênero, sexualidades e étnico-raciais. Algumas destas ações são em conjunto, devido aos pontos de encontro entre suas questões, como ,por exemplo, as mulheres negras. Este trabalho tem como proposta apresentar a história de dez mulheres negras empoderadas de grande importância para o engajamento dos feminismos negros na história em uma exposição imagética e ilustrativa na Semana da Consciência Negra do IFRS Campus Canoas. Com o objetivo de identificar os feminismos negros como causadores do surgimento de espaços na sociedade para as mulheres negras. Abrindo espaços de debate e visibilidade para os alunos e alunas poderem ampliar seus horizontes sobre as temáticas gênero e raça, que ainda sofrem muito preconceito devido, geralmente, aos estereótipos criados pela sociedade em relação aos assuntos. Buscamos problematizar a existência de mulheres negras empoderadas que subvertem a invisibilidade das mulheres negras na história. Elaboramos resumos e ilustrações para a exposição, que consiste em registrar a história da mulher e o porquê dela ser considerada empoderada. A problemática é relevante, pois a escola precisa de espaços para debates entre os alunos, e principalmente, as meninas negras poderem expor suas dúvidas e ideias, integrando a escola e os alunos cada vez mais em prol da equidade para uma sociedade sem divisões preconceituosas e injustas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.