Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

A EDUCAÇÃO NO CONTEXTO PRISIONAL: CONTRADIÇÕES, AVANÇOS E DESAFIOS

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO;, DIREITO À EDUCAÇÃO;, SISTEMA PENITENCIÁRIO;, DIREITOS HUMANOS. Comunicação Oral (CO) GT 12 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas
"2017-12-19 23:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 35153
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 636
    "inscrito_id" => 5859
    "titulo" => "A EDUCAÇÃO NO CONTEXTO PRISIONAL: CONTRADIÇÕES, AVANÇOS E DESAFIOS"
    "resumo" => "Resumo: Na atualidade, o Sistema Penitenciário brasileiro encontra-se em estado de penúria, disseminando sofrimentos e infortúnios vivenciados pelos segmentos envolvidos na execução e cumprimento da pena privativa de liberdade, graves violações aos Direitos Humanos, chegam aos nossos lares, pelas telas das TVs em forma de espetáculo, que incita a sociedade livre, não contra um Estado que falha por não alcançar o objetivo da execução penal, prescrito no Art. 1º (LEP) “A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado”, e sim contra uma massa de seres humanos, duplamente vilipendiada em seus direitos. Nesse contexto, ressaltamos o acesso à educação, direito de todos e dever do Estado e da família. Na LEP a assistência educacional está prevista no Art. 11, no entanto, o acesso à educação, configura-se, em um dos problemas que assola as prisões brasileiras. Ao analisarmos os procedimentos disciplinares e as práticas pedagógicas adotadas no Instituto de Reeducação Penal Des. Sílvio Porto, lócus de investigação do presente estudo, evidenciamos a incompatibilidade de coexistirem no mesmo espaço, ou seja, na prisão, os objetivos de punição e recuperação. A reflexão é: Como equacionar tal incompatibilidade? Desta feita, este estudo irá apresentar dados preliminares da Pesquisa: “PRISÃO E EDUCAÇÃO, UM HIATO HISTÓRICO: da cela a sala de aula, um caminho para a educação ao longo da vida?”, e tem como escopo, propor uma apropriação mais crítica e reflexiva acerca da realidade educacional dos reeducandos da referida Instituição Penal, suas particularidades, complexidades e fragilidades, a partir do traçado do perfil socioeducacional dos mesmos. Utilizamos a Pesquisa Social empírica, a partir de uma abordagem qualitativa e quantitativa, adotamos a observação sistemática e a aplicação de entrevista semiestruturada com 1.075 reeducandos em um universo total de 1328, para tanto, utilizamos a amostra intencional. Os resultados mostram que o direito à educação está garantido pelo ordenamento jurídico e que o Brasil, obteve um expressivo avanço no que tange esse direito no espaço da prisão, no campo teórico. Entretanto, no campo prático a educação em espaços de privação de liberdade, não assume a dimensão de reinserção social, suas contribuições, ainda estão limitadas ao âmbito da prisão. Concluímos ainda, que a forma de acesso dos apenados às práticas educativas no Sílvio Porto, reforça a perspectiva do privilégio entre os mesmos. Portanto, a educação na perspectiva do direito não se efetiva totalmente, um grande desafio a ser superado pela referida instituição."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 12 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO;, DIREITO À EDUCAÇÃO;, SISTEMA PENITENCIÁRIO;, DIREITOS HUMANOS."
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA12_ID5859_31082017110549.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HELENÓRIA DE ALBUQUERQUE MELLO"
    "autor_nome_curto" => "HELENÓRIA MELLO"
    "autor_email" => "helen.mello17@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-19 23:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 35153
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 636
    "inscrito_id" => 5859
    "titulo" => "A EDUCAÇÃO NO CONTEXTO PRISIONAL: CONTRADIÇÕES, AVANÇOS E DESAFIOS"
    "resumo" => "Resumo: Na atualidade, o Sistema Penitenciário brasileiro encontra-se em estado de penúria, disseminando sofrimentos e infortúnios vivenciados pelos segmentos envolvidos na execução e cumprimento da pena privativa de liberdade, graves violações aos Direitos Humanos, chegam aos nossos lares, pelas telas das TVs em forma de espetáculo, que incita a sociedade livre, não contra um Estado que falha por não alcançar o objetivo da execução penal, prescrito no Art. 1º (LEP) “A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado”, e sim contra uma massa de seres humanos, duplamente vilipendiada em seus direitos. Nesse contexto, ressaltamos o acesso à educação, direito de todos e dever do Estado e da família. Na LEP a assistência educacional está prevista no Art. 11, no entanto, o acesso à educação, configura-se, em um dos problemas que assola as prisões brasileiras. Ao analisarmos os procedimentos disciplinares e as práticas pedagógicas adotadas no Instituto de Reeducação Penal Des. Sílvio Porto, lócus de investigação do presente estudo, evidenciamos a incompatibilidade de coexistirem no mesmo espaço, ou seja, na prisão, os objetivos de punição e recuperação. A reflexão é: Como equacionar tal incompatibilidade? Desta feita, este estudo irá apresentar dados preliminares da Pesquisa: “PRISÃO E EDUCAÇÃO, UM HIATO HISTÓRICO: da cela a sala de aula, um caminho para a educação ao longo da vida?”, e tem como escopo, propor uma apropriação mais crítica e reflexiva acerca da realidade educacional dos reeducandos da referida Instituição Penal, suas particularidades, complexidades e fragilidades, a partir do traçado do perfil socioeducacional dos mesmos. Utilizamos a Pesquisa Social empírica, a partir de uma abordagem qualitativa e quantitativa, adotamos a observação sistemática e a aplicação de entrevista semiestruturada com 1.075 reeducandos em um universo total de 1328, para tanto, utilizamos a amostra intencional. Os resultados mostram que o direito à educação está garantido pelo ordenamento jurídico e que o Brasil, obteve um expressivo avanço no que tange esse direito no espaço da prisão, no campo teórico. Entretanto, no campo prático a educação em espaços de privação de liberdade, não assume a dimensão de reinserção social, suas contribuições, ainda estão limitadas ao âmbito da prisão. Concluímos ainda, que a forma de acesso dos apenados às práticas educativas no Sílvio Porto, reforça a perspectiva do privilégio entre os mesmos. Portanto, a educação na perspectiva do direito não se efetiva totalmente, um grande desafio a ser superado pela referida instituição."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 12 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO;, DIREITO À EDUCAÇÃO;, SISTEMA PENITENCIÁRIO;, DIREITOS HUMANOS."
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA12_ID5859_31082017110549.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HELENÓRIA DE ALBUQUERQUE MELLO"
    "autor_nome_curto" => "HELENÓRIA MELLO"
    "autor_email" => "helen.mello17@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-19 23:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 19 de dezembro de 2017

Resumo

Resumo: Na atualidade, o Sistema Penitenciário brasileiro encontra-se em estado de penúria, disseminando sofrimentos e infortúnios vivenciados pelos segmentos envolvidos na execução e cumprimento da pena privativa de liberdade, graves violações aos Direitos Humanos, chegam aos nossos lares, pelas telas das TVs em forma de espetáculo, que incita a sociedade livre, não contra um Estado que falha por não alcançar o objetivo da execução penal, prescrito no Art. 1º (LEP) “A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado”, e sim contra uma massa de seres humanos, duplamente vilipendiada em seus direitos. Nesse contexto, ressaltamos o acesso à educação, direito de todos e dever do Estado e da família. Na LEP a assistência educacional está prevista no Art. 11, no entanto, o acesso à educação, configura-se, em um dos problemas que assola as prisões brasileiras. Ao analisarmos os procedimentos disciplinares e as práticas pedagógicas adotadas no Instituto de Reeducação Penal Des. Sílvio Porto, lócus de investigação do presente estudo, evidenciamos a incompatibilidade de coexistirem no mesmo espaço, ou seja, na prisão, os objetivos de punição e recuperação. A reflexão é: Como equacionar tal incompatibilidade? Desta feita, este estudo irá apresentar dados preliminares da Pesquisa: “PRISÃO E EDUCAÇÃO, UM HIATO HISTÓRICO: da cela a sala de aula, um caminho para a educação ao longo da vida?”, e tem como escopo, propor uma apropriação mais crítica e reflexiva acerca da realidade educacional dos reeducandos da referida Instituição Penal, suas particularidades, complexidades e fragilidades, a partir do traçado do perfil socioeducacional dos mesmos. Utilizamos a Pesquisa Social empírica, a partir de uma abordagem qualitativa e quantitativa, adotamos a observação sistemática e a aplicação de entrevista semiestruturada com 1.075 reeducandos em um universo total de 1328, para tanto, utilizamos a amostra intencional. Os resultados mostram que o direito à educação está garantido pelo ordenamento jurídico e que o Brasil, obteve um expressivo avanço no que tange esse direito no espaço da prisão, no campo teórico. Entretanto, no campo prático a educação em espaços de privação de liberdade, não assume a dimensão de reinserção social, suas contribuições, ainda estão limitadas ao âmbito da prisão. Concluímos ainda, que a forma de acesso dos apenados às práticas educativas no Sílvio Porto, reforça a perspectiva do privilégio entre os mesmos. Portanto, a educação na perspectiva do direito não se efetiva totalmente, um grande desafio a ser superado pela referida instituição.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.