Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 250
A DOCÊNCIA ENTRE A RIGIDEZ E A FLEXIBILIDADE: AVALIAÇÃO DOS DOCENTES FRENTE AOS SABERES NECESSÁRIOS À PRÁTICA EDUCATIVA

Palavra-chaves: PAULO FREIRE, SALA DE AULA, RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO Comunicação Oral (CO) GT 01 - Formação de Professores Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

No ambiente acadêmico, longe de um padrão individual ou cultural, foram identificados dois tipos de docentes, de maneira grosseira, mais significativos: um docente rígido e outro flexível. O docente rígido seria aquele que traria elementos de uma docência conservadora, tradicional e que privilegiaria um conhecimento já pronto e um script de aula e curso pétreos. Já o docente flexível seria aquele disposto a mudanças, a aceitar o novo, flexibilizando o curso e rigidez conteudística para um diálogo e aceitação de aprendizagem advindas dos alunos. O objetivo desse trabalho foi: i) identificar se existe, segundo os conceitos acima, a classificação entre docente rígido e flexível; ii) qual a diferença entre as duas classificações segundo a utilização dos saberes de Paulo Freire (Pedagogia da Autonomia); iii) qual a influência da utilização dos saberes na avaliação e possivelmente da aprendizagem. Foram trabalhadas as disciplinas do primeiro semestre (disciplinas básicas) dos cursos do Centro de Ciências Biológicas, através das respostas dos alunos a um questionário virtual e estruturado. 108 alunos responderam a pesquisa na qual certificaram a estereotipagem do docente e sua influência na aprendizagem. O Docente flexível utiliza mais os saberes necessários a práticas educativas proposto por Freire, visto os pesos que os alunos deram para suas práxis. 98% dos alunos concordaram que a aprendizagem é significativa com o docente flexível, e 81% discordaram desta aprendizagem com o docente rígido. A síntese desse trabalho é questionamentos como: Será que na formação docente (ou formação continuada) se pode construir uma semiótica docente? Será que o docente pode ressignificar suas aulas e avaliações para um equilíbrio docente? E isso influenciar na aprendizagem dos alunos?

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.