Artigo Anais V ENLAÇANDO

ANAIS de Evento

ISSN: 2238-9008

Visualizações: 255
O MURO E ÁRVORE: IDENTIFICANDO PARTICIPATIVAMENTE AS RELAÇÕES DE GÊNERO PELO OLHAR DA JUVENTUDE CAMPONESA DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO SERTÃO – MONTE SANTO/BA

Palavra-chaves: JUVENTUDE, GENERO, EDUCAÇÃO DO CAMPO Pôster (PO) ET33: SABERES ANCESTRAIS E TRADICIONAIS E A EXPERIÊNCIA POLÍTICA DXS FEMININXS: REDES DE CONHECIMENTO E EDUCAÇÃO DO CAMPO Publicado em 27 de novembro de 2017

Resumo

O resumo aqui apresentado relata a fase inicial da pesquisa-ação desenvolvida na Escola Família Agrícola do Sertão (EFASE), tratando das relações de gênero percebidas pela juventude camponesa em formação neste espaço. Esta escola do campo está localizada no município de Monte Santo/BA, no Território do Sisal. O diagnóstico aqui relatado ocorreu em maio de 2017 com a participação de 8 jovens homens e 11 jovens mulheres do 1º ano do ensino médio e técnico integrado em Agropecuária. A técnica de coleta de dados foi o grupo focal, e mais dois instrumentos de facilitação: o muro das lamentações e árvore dos sonhos, como maneira de provocar a reflexão e o debate, além de trazer os temas de interesse dessa juventude a serem discutidos e trabalhados ao longo da pesquisa. Ao identificar os problemas observados pelas/os educandas/os estas/es apontaram em suas falas as desigualdades e opressões nos diferentes espaços da vida pública e privada, como os diversos tipos de violências, questões relacionadas a preconceito de raça e classe, e controle do corpo e liberdade da mulher. Os temas de interesse para formação identificados foram feminismo, empoderamento e protagonismo feminino; violência e direitos femininos; machismo, patriarcado, e outras formas de opressão; políticas públicas voltadas para a mulher; relações de gênero nos espaços educativos, e orientação sexual, saúde e questões reprodutivas. Avaliou-se dentro do grupo a importância de discutir esses temas para buscar ressignificar as relações de gênero construídas socialmente, principalmente no espaço educativo, propondo reflexões e ações que extrapolem o espaço de formação e pesquisa, e incorporem toda a comunidade escolar. Esse momento foi então de extrema importância para firmar-se o compromisso e vínculo do grupo para se desenvolver de forma coletiva a pesquisa e intervenção proposta.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.