Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

Visualizações: 226
MENINA, MENINO, MADRINHA E PAVÃO: EM BUSCA DE UM ESPAÇO IMAGINÁRIO

Palavra-chaves: LITERATURA INFANTOJUVENIL, FUNÇÃO SOCIAL DA LITERATURA, LETRAMENTO LITERÁRIO Comunicação Oral (CO) GT18-LITERATURA NA ESCOLA: ENSINO E PESQUISA Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

Na obra A casa da madrinha, de Lygia Bojunga Nunes, notam-se aspectos que dão ênfase a questões sociais relativas ao contexto sócio-histórico em que foi escrita. É preciso entendê-lo: época de ditadura no Brasil, em que era comum o autoritarismo e a falta de liberdade de expressão. As vozes, como afirmam muitos historiadores, eram abafadas. Em seu romance, Lygia traz destaque para indivíduos marginalizados pela sociedade, como é o caso do menino Alexandre, que sonha encontrar a casa de sua madrinha, espaço este inventado por seu irmão, a fim de tornar a realidade do menino mais leve. Ao menos, até certo ponto da narrativa. A casa da madrinha é obra significativa da literatura infantojuvenil desse período, uma vez que apresenta caráter plurissignificativo em sua linguagem. Obra de elevada relevância estética que põe em pauta discussão de ideias, valores e comportamentos da sociedade contemporânea. Estão presentes variadas simbologias que ampliam o letramento literário dos estudantes e, decisivamente, contribuem para a formação de leitores crítico-reflexivos e, por isso, importante de ser lida em sala de aula. Neste artigo, busca-se, além de apresentar e discutir a construção, por Bojunga, de personagens como representantes de diferentes sujeitos em seus lugares sociais, também apreender em que medida Lygia demonstra e discute o autoritarismo da época em sua relação com o desejo de se fazer ouvir por seus personagens a quem não é dado o direito à voz, por isso, considerados marginais, como o Pavão e, especialmente, o menino Alexandre e mesmo Vera. Assim, ao longo deste trabalho, discute-se a partir do enredo, das experiências sensoriais dos personagens, em seus diálogos, cenas e no próprio espaço idealizado, a casa da madrinha de Alexandre, como estão representados, de modo simbólico, os elementos do autoritarismo, da liberdade de expressão e das sensações que extrapolam a realidade mais dura, considerando as diferentes relações de poder existentes, inclusive no que se refere à linguagem. Percebe-se, então, em Bojunga, a literatura, em uma de suas funções, a de denúncia da dura realidade dos anos em que se viveu sob o regime militar. Também se discute e se propõe em que medida essas análises podem contribuir para a formação do leitor literário já no Ensino Fundamental. Discutir-se-á a partir destes autores: Lajolo e Zilberman (1999); Candido (2000); Compagnon (2009); Barthes (1987), entre outros. Acredita-se que este trabalho pode ser importante para estudantes de Pedagogia e Letras e professores da Educação Básica que se preocupem com a promoção do letramento literário.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.