Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

MARCAS DE ORALIDADE NA CARTA PESSOAL: APONTANDO TRAÇOS DE TRADIÇÃO NO DISCURSO

Palavra-chaves: PROXIMIDADE COMUNICATIVA, TRADIÇÃO DISCURSIVA, CARTA PESSOAL, DIACRONIA Comunicação Oral (CO) GT13-TRADIÇÕES DISCURSIVAS: HISTORICIDADE DOS GÊNEROS E DA LÍNGUA
"2017-04-27 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1638
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 27440
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 306
    "inscrito_id" => 1280
    "titulo" => "MARCAS DE ORALIDADE NA CARTA PESSOAL: APONTANDO TRAÇOS DE TRADIÇÃO NO DISCURSO"
    "resumo" => "A carta pessoal outrora foi um dos gêneros discursivos mais utilizados para comunicação interpessoal. Hoje, é indiscutível que, mais que simplesmente substituída, houve uma transformação da carta em outros gêneros; como os gêneros digitais – que são as principais formas textuais-discursivas de comunicação. Entretanto, para o estudo diacrônico da língua, a carta pessoal ainda ocupa um status substancial, sobretudo por evidenciar o caráter íntimo e espontâneo das relações, além de revelar certas escolhas linguísticas que podem evocar tradições no discurso, ou ainda, ser constituinte da estrutura composicional do próprio gênero. Propôs-se, nesse sentido, investigar as marcas linguístico-discursivas que apontam para o que Koch & Oesterreicher (1997, 2006) chamaram de proximidade comunicativa, e também investigar o que essas marcas de oralidade despontam de Tradição Discursiva (TD), através das relações e papéis socais dos escreventes. Para isso, selecionou-se um corpus de 189 cartas pessoais de pernambucanos datadas no período de 1860 a 1989, correspondentes aos séculos XIX e XX. Essas cartas foram coletadas na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e, através de doações autorizadas, totalizam um corpus com aproximadamente 49.500 palavras e estão divididas em cartas de amor, de amigo e de família. Dentro das principais etapas que constituíram o processo de análise, está a performance da carta pessoal, incluindo as preferências por determinados usos linguísticos, elementos textuais que se apresentam na estrutura composicional tradicional do gênero e a construção e análise do perfil e dos papéis sociais dos escreventes. Nesse sentido, a análise embasa-se nos seguintes aportes teórico-metodológicos: Brown & Gilman (1960), para a hierarquização das relações interpessoais e na escolha de certas formas tratamentais; Conde Silvestre (2007) e Brown & Levinson (1987), para a compreensão dos papéis sociais dos interlocutores; Koch & Oesterreicher (1997, 2006) e Kabatek (2006), para a discussão relacionada às TD e à proximidade comunicativa; e finalmente, Pessoa (2002) e Soto (2007), para o tratamento do gênero carta pessoal. Os resultados iniciais obtidos evidenciam marcas linguísticas que apontam para o eixo comunicativo oral, seja de nível sintático, pragmático, semântico ou lexical. Essas marcas foram evidenciadas, a partir do estudo performático da carta pessoal, ao se observar o grau: da publicidade ou privacidade da comunicação, o de familiaridade e afetividade (intimidade), o da implicação emocional, o de fixação ou liberdade temática e o de espontaneidade ou não da comunicação, revelando, assim, formas de escrever tradicionais do discurso. Dessa forma, como afirmado por Pessoa (2002), a carta pessoal é um dos gêneros mais significativos para a história das línguas por se poder observar as transformações da língua e da sociedade, a função do gênero em diferentes momentos históricos e, ainda, sua relevância na formação de outros gêneros."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT13-TRADIÇÕES DISCURSIVAS: HISTORICIDADE DOS GÊNEROS E DA LÍNGUA"
    "palavra_chave" => "PROXIMIDADE COMUNICATIVA, TRADIÇÃO DISCURSIVA, CARTA PESSOAL, DIACRONIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA13_ID1280_15032017102855.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ELIZABHETT CHRISTINA CAVALCANTE DA COSTA"
    "autor_nome_curto" => "ELIZABHETT COST"
    "autor_email" => "elizabhettcosta@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UFPE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 27440
    "edicao_id" => 57
    "trabalho_id" => 306
    "inscrito_id" => 1280
    "titulo" => "MARCAS DE ORALIDADE NA CARTA PESSOAL: APONTANDO TRAÇOS DE TRADIÇÃO NO DISCURSO"
    "resumo" => "A carta pessoal outrora foi um dos gêneros discursivos mais utilizados para comunicação interpessoal. Hoje, é indiscutível que, mais que simplesmente substituída, houve uma transformação da carta em outros gêneros; como os gêneros digitais – que são as principais formas textuais-discursivas de comunicação. Entretanto, para o estudo diacrônico da língua, a carta pessoal ainda ocupa um status substancial, sobretudo por evidenciar o caráter íntimo e espontâneo das relações, além de revelar certas escolhas linguísticas que podem evocar tradições no discurso, ou ainda, ser constituinte da estrutura composicional do próprio gênero. Propôs-se, nesse sentido, investigar as marcas linguístico-discursivas que apontam para o que Koch & Oesterreicher (1997, 2006) chamaram de proximidade comunicativa, e também investigar o que essas marcas de oralidade despontam de Tradição Discursiva (TD), através das relações e papéis socais dos escreventes. Para isso, selecionou-se um corpus de 189 cartas pessoais de pernambucanos datadas no período de 1860 a 1989, correspondentes aos séculos XIX e XX. Essas cartas foram coletadas na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e, através de doações autorizadas, totalizam um corpus com aproximadamente 49.500 palavras e estão divididas em cartas de amor, de amigo e de família. Dentro das principais etapas que constituíram o processo de análise, está a performance da carta pessoal, incluindo as preferências por determinados usos linguísticos, elementos textuais que se apresentam na estrutura composicional tradicional do gênero e a construção e análise do perfil e dos papéis sociais dos escreventes. Nesse sentido, a análise embasa-se nos seguintes aportes teórico-metodológicos: Brown & Gilman (1960), para a hierarquização das relações interpessoais e na escolha de certas formas tratamentais; Conde Silvestre (2007) e Brown & Levinson (1987), para a compreensão dos papéis sociais dos interlocutores; Koch & Oesterreicher (1997, 2006) e Kabatek (2006), para a discussão relacionada às TD e à proximidade comunicativa; e finalmente, Pessoa (2002) e Soto (2007), para o tratamento do gênero carta pessoal. Os resultados iniciais obtidos evidenciam marcas linguísticas que apontam para o eixo comunicativo oral, seja de nível sintático, pragmático, semântico ou lexical. Essas marcas foram evidenciadas, a partir do estudo performático da carta pessoal, ao se observar o grau: da publicidade ou privacidade da comunicação, o de familiaridade e afetividade (intimidade), o da implicação emocional, o de fixação ou liberdade temática e o de espontaneidade ou não da comunicação, revelando, assim, formas de escrever tradicionais do discurso. Dessa forma, como afirmado por Pessoa (2002), a carta pessoal é um dos gêneros mais significativos para a história das línguas por se poder observar as transformações da língua e da sociedade, a função do gênero em diferentes momentos históricos e, ainda, sua relevância na formação de outros gêneros."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT13-TRADIÇÕES DISCURSIVAS: HISTORICIDADE DOS GÊNEROS E DA LÍNGUA"
    "palavra_chave" => "PROXIMIDADE COMUNICATIVA, TRADIÇÃO DISCURSIVA, CARTA PESSOAL, DIACRONIA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV066_MD1_SA13_ID1280_15032017102855.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:13"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:56:12"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ELIZABHETT CHRISTINA CAVALCANTE DA COSTA"
    "autor_nome_curto" => "ELIZABHETT COST"
    "autor_email" => "elizabhettcosta@hotmail.c"
    "autor_ies" => "UFPE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-sinalge"
    "edicao_nome" => "Anais IV SINALGE"
    "edicao_evento" => "IV Simpósio Nacional de Linguagens e Gêneros Textuais"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/sinalge/2017"
    "edicao_logo" => "5e4d8586dda3e_19022020155918.png"
    "edicao_capa" => "5f1880a141ece_22072020150833.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-04-27 00:00:00"
    "publicacao_id" => 35
    "publicacao_nome" => "Anais SINALGE"
    "publicacao_codigo" => "2527-0028"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

A carta pessoal outrora foi um dos gêneros discursivos mais utilizados para comunicação interpessoal. Hoje, é indiscutível que, mais que simplesmente substituída, houve uma transformação da carta em outros gêneros; como os gêneros digitais – que são as principais formas textuais-discursivas de comunicação. Entretanto, para o estudo diacrônico da língua, a carta pessoal ainda ocupa um status substancial, sobretudo por evidenciar o caráter íntimo e espontâneo das relações, além de revelar certas escolhas linguísticas que podem evocar tradições no discurso, ou ainda, ser constituinte da estrutura composicional do próprio gênero. Propôs-se, nesse sentido, investigar as marcas linguístico-discursivas que apontam para o que Koch & Oesterreicher (1997, 2006) chamaram de proximidade comunicativa, e também investigar o que essas marcas de oralidade despontam de Tradição Discursiva (TD), através das relações e papéis socais dos escreventes. Para isso, selecionou-se um corpus de 189 cartas pessoais de pernambucanos datadas no período de 1860 a 1989, correspondentes aos séculos XIX e XX. Essas cartas foram coletadas na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e, através de doações autorizadas, totalizam um corpus com aproximadamente 49.500 palavras e estão divididas em cartas de amor, de amigo e de família. Dentro das principais etapas que constituíram o processo de análise, está a performance da carta pessoal, incluindo as preferências por determinados usos linguísticos, elementos textuais que se apresentam na estrutura composicional tradicional do gênero e a construção e análise do perfil e dos papéis sociais dos escreventes. Nesse sentido, a análise embasa-se nos seguintes aportes teórico-metodológicos: Brown & Gilman (1960), para a hierarquização das relações interpessoais e na escolha de certas formas tratamentais; Conde Silvestre (2007) e Brown & Levinson (1987), para a compreensão dos papéis sociais dos interlocutores; Koch & Oesterreicher (1997, 2006) e Kabatek (2006), para a discussão relacionada às TD e à proximidade comunicativa; e finalmente, Pessoa (2002) e Soto (2007), para o tratamento do gênero carta pessoal. Os resultados iniciais obtidos evidenciam marcas linguísticas que apontam para o eixo comunicativo oral, seja de nível sintático, pragmático, semântico ou lexical. Essas marcas foram evidenciadas, a partir do estudo performático da carta pessoal, ao se observar o grau: da publicidade ou privacidade da comunicação, o de familiaridade e afetividade (intimidade), o da implicação emocional, o de fixação ou liberdade temática e o de espontaneidade ou não da comunicação, revelando, assim, formas de escrever tradicionais do discurso. Dessa forma, como afirmado por Pessoa (2002), a carta pessoal é um dos gêneros mais significativos para a história das línguas por se poder observar as transformações da língua e da sociedade, a função do gênero em diferentes momentos históricos e, ainda, sua relevância na formação de outros gêneros.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.