Artigo Anais IV SINALGE

ANAIS de Evento

ISSN: 2527-0028

Visualizações: 289
A IDENTIDADE DO SER FEMININO NO CONTO HISTÓRIA PORTO-ALEGRENSE DE MOACYR SCLIAR: UMA PROPOSTA PARA A SALA DE AULA

Palavra-chaves: MULHERES, IDENTIDADE, LIBERDADE, PROPOSTA DE ENSINO Comunicação Oral (CO) GT18-LITERATURA NA ESCOLA: ENSINO E PESQUISA Publicado em 27 de abril de 2017

Resumo

A condição feminina é algo difícil de ser discutido. Esmiuçar as questões sociais, emocionais e morais que envolvem esse tema é importante se quisermos compreender o que leva as mulheres à resignação e ao esquecimento de si mesmas. Como sabemos, o percurso histórico de luta pela liberdade feminina nos diz que a sociedade criou estigmas e, infelizmente, enclausurou muitas mulheres na condição de inferioridade. É de suma importância trabalhar com essa temática em sala de aula, tendo em vista que até hoje é uma questão que suscita discussões abrangentes, pois em meio a tantas lutas, ainda há mulheres que não conseguiram se libertar totalmente dessas amarras e que por isso não têm identidade própria, autoestima e visão o suficiente para perceber que podem tecer seus destinos. Moacir Scliar traz no seu conto História porto-alegrense uma mulher que se deixa manipular pelo sentimento e se torna escrava da comodidade de não ter de decidir sobre sua própria vida. Portanto, este trabalho tem como objetivo desenvolver uma possível proposta que indique possibilidades para a realização de discussões no âmbito escolar acerca do tema. Vale salientar que o autor do conto é contemporâneo, o que nos leva a inferir que a temática ainda é bastante atual e precisa, por isso mesmo, ser levada para a sala de aula. Objetivamos, portanto, entender como o corpo discente compreende essa temática e como encara as várias consequências desse emblema social. Como aporte teórico para o nosso estudo, temos Friedan (1971), Molina (2011), que trazem reflexões importantes sobre o ser feminino e Alves (2014) com uma discussaõ voltada a literatura e o ensino.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.