Artigo Anais I CNEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2526-1908

Visualizações: 189
AVALIAÇÃO DA AUTOESTIMA EM IDOSOS DE UM GRUPO DE CONVIVÊNCIA DE MONTES CLAROS - MG

Palavra-chaves: AUTOESTIMA, IDOSOS, GRUPO DE CONVIVÊNCIA Pôster (PO) / Poster Submission AT 7: ENVELHECIMENTO ATIVO E QUALIDADE DE VIDA

Resumo

INTRODUÇÃO: A autoestima corresponde à valorização que o indivíduo faz de si mesmo em diferentes situações e eventos da vida. Está relacionada a sentimentos de competência, valor pessoal, autorrespeito e autoconfiança. O estilo de vida adotado durante a fase de desenvolvimento humano está intrinsecamente ligado a uma velhice saudável. OBJETIVO: Avaliar a autoestima de idosos de grupo de convivência de Montes Claros – MG e analisar as principais características envolvidas. METODOLOGIA: Este trabalho foi desenvolvido através de entrevista estruturada com aplicação de teste de autoestima, o qual utilizou como referência a Escala de Rosenberg. Além das questões do referido teste, houve levantamento de informações sobre o cotidiano dos voluntários. Orientações sobre o trabalho realizado foram transmitidas aos voluntários que após, assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Para tal participaram das entrevistas 33 voluntários de um grupo de convivência, todos do sexo feminino, com idade entre 55 e 83 anos. RESULTADOS: Considerando os valores de referência da escala de Rosenberg, 87,9% dos idosos apresentaram autoestima elevada e 12,1% baixa autoestima. As características do grupo que apresentou autoestima elevada foram: estado civil (48,2% viúvo, 31% casado e 20,8% solteiro); atividades físicas (24,1% caminhada, 13,79% hidroginástica); família (89,6% tem filhos, 82,7% tem netos); condições de saúde (86,2% pressão alta, 17,2% osteosporose, 10,3% alergia, artrose ou coluna, 6,89% labirintite e 3,4% sinusite, fibromialgia, hérnia de disco, câncer, rim policístico ou depressão); Ocupação (72,4% do lar, 6,89% costureira ou vendedora, 3,4% empresa, reciclagem ou cozinheira); companhia na residência (96,5% moram com familiares, 3,5% moram sozinhos); lazer (65,5% visitam parentes, 31% frequentam igreja, 13,79% lêem, 6,89% viajam ou pintam, 3,4% fazem crochê, bordado, assistem TV ou dançam); motivação para entrar no grupo (37,9% gostar de atividade física, 24,1% melhorar convívio social/fazer amizade ou por indicação médica, 20,68% outros motivos, 17,2% incentivo de parentes e amigos e 3,4% melhorar saúde física e mental). As características do grupo que apresentou baixa autoestima foram: estado civil (50% casado, 25% viúvo e 25% solteiro); atividades físicas (25% caminhada, 25% hidroginástica); família (100% tem filhos e netos); condições de saúde (50% pressão alta e coluna, 25% diabetes, coração, trombose, fibromialgia e hérnia de disco); Ocupação (75% do lar, 25% costureira); companhia na residência (50% moram com familiares, 50% moram sozinhos); lazer (25% visitam parentes, frequentam igreja, lêem ou escrevem); motivação para entrar no grupo (50% melhorar convívio social/fazer amizade, 25% indicação médica ou outros motivos). CONCLUSÕES: A grande maioria dos idosos apresentou elevada autoestima. Características relacionadas com atividades sociais foram mais marcantes nas diferenças entre os idosos com baixa autoestima quando comparada com os de elevada autoestima. Estimular o convívio social e atividade de lazer pode contribuir para melhorar a autoestima.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.