Artigo Anais III CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

Visualizações: 270
A UTILIZAÇÃO DO THRESHOLD EM PACIENTES IDOSOS COM SEQUELAS DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

Palavra-chaves: IDOSOS, ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO, TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO Pôster (PO) Atenção integral à saúde: promoção, prevenção, tratamento e reabilitação do idoso Publicado em 15 de junho de 2013

Resumo

IntroduçãoO acidente vascular encefálico (AVE) é o surgimento agudo de uma disfunção neurológica, tendo como resultados sinais e sintomas que correspondem ao comprometimento de áreas focais do cérebro devido a uma anormalidade na circulação cerebral. Grande parte da população de terceira idade em nosso país é acometida, proveniente de uma diversidade de fatores. Os pacientes acometidos pelo AVE apresentam disfunções respiratórias importantes no que se diz respeito à sua capacidade pulmonar, a qual encontra-se alterada nesses indivíduos. Através da ventilometria é possível avaliar os volumes pulmonares e a capacidade vital, bem como se avalia a força da musculatura inspiratória e expiratória através da manovacuometria. A mensuração das pressões respiratórias máximas geradas durante uma inspiração profunda máxima Pimáx (Pressão inspiratória máxima) e uma expiração forçada máxima Pemáx (Pressão expiratória máxima), nos fornece dados úteis para avaliação funcional dos músculos respiratórios. O Threshold é utilizado para realização de treino de força e endurance para os músculos inspiratórios, através de uma carga linear pressórica ou de fluxo-independente. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi de verificar a capacidade pulmonar dos pacientes acometidos por AVE e observar as modificações promovidas na capacidade pulmonar, antes e após a utilização do threshold, com a finalidade de promover uma melhora ventilatória do paciente.MétodosTrata-se de um estudo observacional, descritivo e de caráter longitudinal. A amostra constou de 10 pacientes acometidos pelo AVE atendidos na Enfermaria Neurológica do Hospital referência do estado. Foi realizado um protocolo avaliativo com utilização do ventilômetro, manovacuômetro e Threshold, Os dados foram coletados por meio de ficha avaliativa desenvolvida para o estudo contendo informações sobre a capacidade pulmonar dos pacientes, tais como: volume corrente e minuto, Pimáx e Pemáx. Os dados coletados foram agrupados em planilhas do Microsoft Office Excel - sistema operacional Windows XP Home Edition, traçando-se o perfil quanto ao gênero, à média da faixa etária, peso e capacidade pulmonar dos pacientes tais como: volume corrente e minuto, Pimáx e Pemáx.ResultadosQuanto ao gênero, o masculino correspondeu a 60% dos pacientes. A média de idade foi de 74,2 anos. Quanto às pressões respiratórias, foi observado que na admissão a média da Pimáx, foi de 60 cmH2O e de 120 cmH2O na 25ª sessão. Assim como à Pemáx, onde verificamos inicialmente á média de 90 cmH2O e de 120 cmH2O na 25ª sessão. Quanto ao volume corrente a média foi de 109 ml na admissão e 753 ml na 25ª sessão. Em relação à média do volume minuto (VM) inicialmente foi de 10.500 L/min e 16.200 L/min após o tratamento. E por último a Capacidade Vital (CV) que foi de 3 litros na primeira avaliação e de 6 litros na última sessão.ConclusãoObservamos que os ganhos em qualidade de vida e a diminuição das complicações pulmonares dos pacientes submetidos a treinamento muscular inspiratório são inquestionáveis. De forma que os ganhos obtidos promoveram melhora da capacidade e volumes pulmonares, colaborando para a integração desse paciente ao ambiente familiar e social.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.