Artigo Anais II CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO BÁSICO:PROJETO AMBIENTE LIMPO

Palavra-chaves: EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO BÁSICA Pôster (PO) / Poster Submission Educação Ambiental
"2015-10-14 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 15823
    "edicao_id" => 38
    "trabalho_id" => 2252
    "inscrito_id" => 7501
    "titulo" => "EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO BÁSICO:PROJETO AMBIENTE LIMPO"
    "resumo" => """
      O presente trabalho faz parte de um dos eixos da pesquisa em andamento no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), sub-projeto interdisciplinar Geografia, Letras-Português/Libras e Pedagogia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Aborda os resultados, impressões e reflexões relacionadas ao sub-projeto intitulado “Ambiente Limpo: Eu gosto, Você gosta, Nós gostamos”, desenvolvido em uma Escola da rede Estadual da cidade de Maceió-AL, com as turmas de 6° ao 9° ano dos turnos manhã e tarde.\r\n
      Diante do frequente comportamento divergente das orientações aplicadas na escola, sobre o destino apropriado para os descartes, e o acúmulo de lixo no chão das salas de aula e corredores, foram corporificadas ações para a realização deste trabalho visando práticas de educação ambiental, com objetivo de sensibilizar os alunos sobre suas práticas. \r\n
      Traremos para esta discussão as perspectivas de Paulo Freire, na qual  concebe  o ser humano como um ser inacabado e pronto a aprender. É relevante que a escola, enquanto agente transformador dos sujeitos, não apenas se preocupe com o conhecimento intelectual dos alunos, mas também, o conhecimento para a vida cidadã, consciente dos diretos e deveres que possui.\r\n
      No Brasil a ideia da implantação da Educação ambiental é historicamente recente e surge com o Parecer 226/87, quando se organiza uma proposta mais concreta que diz: “A Educação Ambiental avança na construção de uma cidadania responsável, estimulando interações mais justas entre os seres humanos e os demais seres que habitam o Planeta, para a construção de um presente e um futuro sustentável, sadio e socialmente justo” (BRASIL, 1987, p.02).\r\n
       Os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs (1997) tratam a Educação Ambiental como um tema transversal a ser estudado em todas as séries e em todas as disciplinas, visando a promoção da multidisciplinaridade no contexto educacional, referente às questões contemporâneas de relevante interesse social.\r\n
      Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade.\r\n
      Considerando que a cidade enfrenta problemas de poluição, depredação de patrimônio público, desmatamento, além da visão estreita sobre o conceito de meio ambiente, observando que ainda existe a concepção de que o mesmo se reduz à natureza, plantas e animais. Quando ele é, na verdade, todo o espaço onde o homem vive. \r\n
      Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade.
      """
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Educação Ambiental"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO BÁSICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV045_MD4_SA10_ID7501_08092015212724.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:01"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:15:04"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "DASSAYANNE DOS SANTOS VASCONCELOS"
    "autor_nome_curto" => "DASSAYANNE"
    "autor_email" => "dassayvasconcelos@hotmail"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais II CONEDU"
    "edicao_evento" => "II Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2015"
    "edicao_logo" => "5e4a05cfac134_17022020001735.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1848ba64e27_22072020111002.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-10-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 15823
    "edicao_id" => 38
    "trabalho_id" => 2252
    "inscrito_id" => 7501
    "titulo" => "EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO BÁSICO:PROJETO AMBIENTE LIMPO"
    "resumo" => """
      O presente trabalho faz parte de um dos eixos da pesquisa em andamento no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), sub-projeto interdisciplinar Geografia, Letras-Português/Libras e Pedagogia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Aborda os resultados, impressões e reflexões relacionadas ao sub-projeto intitulado “Ambiente Limpo: Eu gosto, Você gosta, Nós gostamos”, desenvolvido em uma Escola da rede Estadual da cidade de Maceió-AL, com as turmas de 6° ao 9° ano dos turnos manhã e tarde.\r\n
      Diante do frequente comportamento divergente das orientações aplicadas na escola, sobre o destino apropriado para os descartes, e o acúmulo de lixo no chão das salas de aula e corredores, foram corporificadas ações para a realização deste trabalho visando práticas de educação ambiental, com objetivo de sensibilizar os alunos sobre suas práticas. \r\n
      Traremos para esta discussão as perspectivas de Paulo Freire, na qual  concebe  o ser humano como um ser inacabado e pronto a aprender. É relevante que a escola, enquanto agente transformador dos sujeitos, não apenas se preocupe com o conhecimento intelectual dos alunos, mas também, o conhecimento para a vida cidadã, consciente dos diretos e deveres que possui.\r\n
      No Brasil a ideia da implantação da Educação ambiental é historicamente recente e surge com o Parecer 226/87, quando se organiza uma proposta mais concreta que diz: “A Educação Ambiental avança na construção de uma cidadania responsável, estimulando interações mais justas entre os seres humanos e os demais seres que habitam o Planeta, para a construção de um presente e um futuro sustentável, sadio e socialmente justo” (BRASIL, 1987, p.02).\r\n
       Os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs (1997) tratam a Educação Ambiental como um tema transversal a ser estudado em todas as séries e em todas as disciplinas, visando a promoção da multidisciplinaridade no contexto educacional, referente às questões contemporâneas de relevante interesse social.\r\n
      Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade.\r\n
      Considerando que a cidade enfrenta problemas de poluição, depredação de patrimônio público, desmatamento, além da visão estreita sobre o conceito de meio ambiente, observando que ainda existe a concepção de que o mesmo se reduz à natureza, plantas e animais. Quando ele é, na verdade, todo o espaço onde o homem vive. \r\n
      Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade.
      """
    "modalidade" => "Pôster (PO) / Poster Submission"
    "area_tematica" => "Educação Ambiental"
    "palavra_chave" => "EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO BÁSICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV045_MD4_SA10_ID7501_08092015212724.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:01"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:15:04"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "DASSAYANNE DOS SANTOS VASCONCELOS"
    "autor_nome_curto" => "DASSAYANNE"
    "autor_email" => "dassayvasconcelos@hotmail"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-ii-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais II CONEDU"
    "edicao_evento" => "II Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2015
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2015"
    "edicao_logo" => "5e4a05cfac134_17022020001735.jpg"
    "edicao_capa" => "5f1848ba64e27_22072020111002.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2015-10-14 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 14 de outubro de 2015

Resumo

O presente trabalho faz parte de um dos eixos da pesquisa em andamento no âmbito do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), sub-projeto interdisciplinar Geografia, Letras-Português/Libras e Pedagogia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Aborda os resultados, impressões e reflexões relacionadas ao sub-projeto intitulado “Ambiente Limpo: Eu gosto, Você gosta, Nós gostamos”, desenvolvido em uma Escola da rede Estadual da cidade de Maceió-AL, com as turmas de 6° ao 9° ano dos turnos manhã e tarde. Diante do frequente comportamento divergente das orientações aplicadas na escola, sobre o destino apropriado para os descartes, e o acúmulo de lixo no chão das salas de aula e corredores, foram corporificadas ações para a realização deste trabalho visando práticas de educação ambiental, com objetivo de sensibilizar os alunos sobre suas práticas. Traremos para esta discussão as perspectivas de Paulo Freire, na qual concebe o ser humano como um ser inacabado e pronto a aprender. É relevante que a escola, enquanto agente transformador dos sujeitos, não apenas se preocupe com o conhecimento intelectual dos alunos, mas também, o conhecimento para a vida cidadã, consciente dos diretos e deveres que possui. No Brasil a ideia da implantação da Educação ambiental é historicamente recente e surge com o Parecer 226/87, quando se organiza uma proposta mais concreta que diz: “A Educação Ambiental avança na construção de uma cidadania responsável, estimulando interações mais justas entre os seres humanos e os demais seres que habitam o Planeta, para a construção de um presente e um futuro sustentável, sadio e socialmente justo” (BRASIL, 1987, p.02). Os Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs (1997) tratam a Educação Ambiental como um tema transversal a ser estudado em todas as séries e em todas as disciplinas, visando a promoção da multidisciplinaridade no contexto educacional, referente às questões contemporâneas de relevante interesse social. Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade. Considerando que a cidade enfrenta problemas de poluição, depredação de patrimônio público, desmatamento, além da visão estreita sobre o conceito de meio ambiente, observando que ainda existe a concepção de que o mesmo se reduz à natureza, plantas e animais. Quando ele é, na verdade, todo o espaço onde o homem vive. Reduzindo mais o ângulo, no Estado de Alagoas os órgãos ativos que determinam o regulamento para o meio ambiente são: o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e o IMA (Instituto do Meio Ambiente), porém, embora haja decretos e vigilância, é perceptível nas cidades (vale aqui citar a cidade de Maceió, capital do Estado de Alagoas) que não há uma educação ambiental para subsistência e sustentabilidade.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.