Artigo Anais XI CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

DA FEITICEIRA GREGA ÀS ESTRANGEIRAS CONTEMPORÂNEAS: MEDEIA VOZES E A DISCUSSÃO DE GÊNERO

Palavra-chaves: MEDÉIA, MEDEIA VOZES, TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Estudos literários, Gênero e Sexualidades Publicado em 03 de junho de 2015

Resumo

Medéia: a infanticida, a fraticida, a bárbara, a estrangeira. Da diáspora política ao pathos indissolúvel, da hybris aos assassínios. O mito de Medéia é anterior às tragédias da Antiguidade Clássica. Porém, a versão que continua (re)conhecida e divulgada é a do tragediógrafo grego Eurípides (século V a.C.): a bárbara feiticeira da Cólquida. Quem é Medéia? Qual o tom da sua voz? Na busca por encontrar, ressignificar e expressar a voz calada dessa personagem, sobretudo, estrangeira, é que a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre (RS) se dedicou a pesquisar, produzir e encenar, dentro do projeto Raízes do teatro, um espetáculo baseado no teatro de vivência (do teatro ritualístico de Antonin Artaud) e no teatro político de Hans-Thies Lehmann. A partir do romance de Christa Wolf, Medeia Vozes é uma criação coletiva, uma “celebração” dessas múltiplas vozes de mulheres refugiadas, exploradas, abusadas, torturadas, oprimidas, ao ressoar as Medéias contemporâneas: a indiana Phoolan Devi, as alemãs Rosa Luxemburgo e Ulrike Meinholf, a somali Waris Dirie e a boliviana Domitila Chungara. Nesse sentido, o trabalho tem por objetivo tecer considerações sobre a peça Medeia Vozes, tendo como referência o roteiro de cenas (aspectos literários – dramatúrgicos e cênicos), além de examinar essa figura mítica e refletir acerca da condição de gênero e da estrangeridade (estrangeiro conforme Julia Kristeva)

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.