Artigo Anais XI CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 184
A HIFENIZAÇÃO PODE SER SUFOCANTE PARA AS MULHERES: A DIÁSPORA CARIBENHA GENDRADA EM HOW THE GARCÍA GIRLS LOST THEIR ACCENTS, DE JULIA ALVAREZ

Palavra-chaves: HIFENIZAÇÃO, DIÁSPORA GENDRADA, JULIA ALVAREZ Comunicação Oral (CO) / Oral Papers Submission Estudos literários, Gênero e Sexualidades

Resumo

O romance How the García Girls Lost their Accents, de Julia Alvarez, descreve a vida de quatro meninas: Carla, Sandra, Yolanda e Sofía García, que foram forçadas a migrar para os EUA por causa do exílio de seu pai, Carlos García. O Sr. García participou de uma conspiração para derrubar a ditadura de Rafael Trujillo, um dos períodos mais corruptos e opressores da República Dominicana. Devido ao exílio, as irmãs García adquirem uma nova percepção sobre sua condição diaspórica. Avtar Brah (1996, p.181) afirma que ““the word [diaspora] embodies a notion of a centre, a locus, a ‘home, from where the dispersion occurs. It evokes images of multiple journeys” (BRAH, 1996, p. 181) [a palavra [diáspora] incorpora uma noção de um centro, um lócus, uma ‘casa’ de onde a dispersão ocorre. Evoca imagens de jornadas múltiplas] (BRAH, 1996, p. 181, tradução nossa). As personagens de How the García Girls Lost their Accents também experimentam jornadas múltiplas, uma vez que começam a vivenciar uma nova existência nos EUA, algumas na infância e outras na adolescência. Com isso, elas passam a negociar entre sua porção caribenha e sua porção estadunidense, buscando por suas identidades. Por toda a obra elas passam por situações que um imigrante possivelmente pode experimentar nessa nova localidade: a aquisição da língua local – o inglês –; o contato com os estadunidenses e sua sociedade; a manutenção de suas tradições de origem, apesar da tendência à assimilação da cultura estadunidense e o consequente processo de se tornarem bilíngues; assim como o enfrentamento com o passado que parece assombrar a família García. Ademais, com o passar do tempo, Carla, Sandra, Yolanda e Sofia passam a adquirir alguns costumes, comportamentos e o modo de pensar da sociedade estadunidense. Assim, a identificação das irmãs García com a forma de pensar estadunidense faz com que elas comecem a vivenciar embate entre gêneros, uma vez que as García têm que lidar com a dominação masculina e com atitudes sexistas em relação às mulheres na República Dominicana tanto nos EUA quanto na ilha caribenha. O objetivo desta pesquisa é problematizar a relação de convivência entre gêneros na ficção alvareziana, sob o prisma da diáspora, uma vez que deixar a sua terra natal e se instalar em terras forasteiras como consequência do movimento de imigração pode provocar transformações na vida de um indivíduo, neste caso, das mulheres da obra, pois tal sujeito pode começar a perceber o mundo com outros olhos e, na situação das irmãs García, percebê-lo com uma perspectiva estadunidense.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.