Artigo Anais JORNADA RDL

ANAIS de Evento

ISSN: 2594-6854

Visualizações: 162
AS CAÇADAS DE PEDRINHO: A LIQUIDAÇÃO DAS HERANÇAS DA ESCRAVIDÃO E A VIOLÊNCIA SIMBÓLICA

Palavra-chaves: VIOLÊNCIA SIMBÓLICA, LIBERDADE, IGUALDADE, DIREITOS HUMANOS Comunicação Oral (CO) GT 06 - DIREITO, LITERATURA E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

Resumo

Este trabalho busca analisar a clássica obra de Monteiro Lobato, do ano de 1933, as “Caçadas de Pedrinho”, que faz parte de sua produção literária dirigida ao público infantil. O texto lança um olhar sobre partes da narrativa do autor que parecem demonstrar uma linguagem ofensiva na fala dos outros personagens quando em referência a Tia Anastácia, a cozinheira negra da família, decorrente de uma possível dominação simbólica, conceito de Pierre Bourdieu, filósofo, nascido na França em 1930, que durante sua vida acadêmica, desenvolveu trabalhos abordando a questão da dominação pelo exercício do poder simbólico. Em que pese não ser feita a análise da existência ou não de racismo por parte do autor da obra, sendo certo que a desqualificação racial à época fazia parte da herança deixada pelos remotos tempos da escravização dos negros, busca-se interpretar os acontecimentos narrados no livro como um sinal particularmente demonstrativo de uma tendência ao exercício do poder simbólico como forma de opressão do homem branco sobre o homem negro. Trabalha-se com a ideia de ofensa aos direitos humanos, provocada na estrutura dos direitos da igualdade, pela existência de elementos que diferenciam a personagem por características étnicas. O artigo pretende explorar a evolução e o progresso dos documentos de proteção da personalidade humana em concordância com as premissas da igualdade, da fraternidade e da solidariedade, ideais aclamados durante a Revolução Francesa e, igualmente, proclamados pela Declaração Universal do Direitos Humanos de 1948, e tantos outros documentos de proteção a igualdade. Também a Constituição Federal de 1988, e sua perspectiva da construção de uma sociedade mais solidária e mais justa, compõe o interesse ao reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis que constituem o fundamento da liberdade, da justiça e da paz, que inviabiliza qualquer forma de discriminação. Nesse sentido, defende-se que os Direitos Humanos são o novo ethos mundial, e que o ideal de igualdade deve ser perseguido através da resistência e da correção daquilo que se encontra em conflito com a dignidade da pessoa humana. O reconhecimento à igualdade em todos os seus detalhes é tema de grande importância, que merece reflexão por parte da sociedade para que se possa alcançar a democracia e a paz. Para atingir o objetivo proposto, utilizou-se fonte de pesquisa imediata formal, quanto à coleta de dados, bibliográfica.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.