Artigo Anais I CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

A MULHER SURDA E SUAS RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE

Palavra-chaves: MULHER, SURDEZ, INCLUSÃO Pôster (PO) INCLUSÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE
"2014-09-18 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 6815
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1875
    "inscrito_id" => 4035
    "titulo" => "A MULHER SURDA E SUAS RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE"
    "resumo" => "O presente trabalho trata dos desafios que as mulheres surdas geralmente vivenciam, pois as mesmas sentem-se inseguras em relação ás mulheres ouvintes nos seus relacionamentos afetivos. Percebe-se a necessidade de uma consciência inclusiva, pois a mulher surda tem a surdez como mais uma de suas múltiplas identidades. Contudo percebe-se que a sociedade ainda vive seus tabus em relação à mulher surda, não contribuindo para a inclusão da mesma, inferiorizando-a e tornando-a assim mais insegura em relação às demais mulheres. Quanto aos seus relacionamentos afetivos podemos perceber que a insegurança de muitas mulheres surdas é devido à ignorância dos que as veem como mulheres incapazes de manter um relacionamento saudável e sólida, e incapacitada para formar uma família. A metodologia escolhida para desenvolver a pesquisa é de cunho bibliográfico, esta modalidade de pesquisa é feita com base em materiais que já foram criados, nos quais fazem parte destes, fundamentalmente livros e artigos científicos, com base nas referências teóricas, fazendo uma interpretação sobre o tema tendo como resultado motivações e percepções e assim alcançar os resultados, as discussões e as conclusões a respeito do tema tratado, de acordo com a temática os resultados e discussão serão organizados em tópicos, resumindo os conteúdos que estão interligados aos comportamentos, atitudes e que influenciam as mulheres surdas. A mulher surda é vista por olhos preconceituosos como incapaz para o mercado de trabalho, o que a faz sentir, na maior parte das vezes, inútil á sociedade. Não levando em conta que a surdez não a torna incapaz de ser independente e autora de sua própria história. A mulher surda como realmente ela é: Pensante: capaz de refletir sobre o mundo que a cerca. Afetiva: tendo as capacidades de sentir e de relacionar-se tal qual como as demais mulheres. Podendo assim, construir relacionamentos, e família como qualquer outra mulher. Múltiplas identidades: ela pode ser alta, baixa, gorda, magra, vaidosa, inteligente, ativa e etc. Ou seja, ela pode ter defeitos e qualidades que não diz respeito a sua surdez. Temos por objetivo informar e conscientizar a sociedade dos desafios enfrentados e dos tabus que devem ser quebrados e como promover a inclusão da mulher surda na sociedade.  Percebeu-se que a mulher surda foi alvo do machismo e do preconceito, simplesmente por não se enquadrar no padrão de “normalidade” que foram estabelecidos, e por isso, foi privada dos seus direitos. Concluímos através desse trabalho a necessidade de que haja o reconhecimento das diferenças, e que a surdez não seja, mas vista como algo que incapacite a mulher de ter uma vida normal, e sim de ter os seus direitos garantidos na sociedade, bem como os seus deveres."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "INCLUSÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE"
    "palavra_chave" => "MULHER, SURDEZ, INCLUSÃO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_15_08_2014_11_32_06_idinscrito_4035_d8795461110fd31faacc34e9498ac37a.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:24"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MIANCY ELDINE DA SILVA VIEIRA"
    "autor_nome_curto" => "MIANCY"
    "autor_email" => "mia_eldine@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPI"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 6815
    "edicao_id" => 23
    "trabalho_id" => 1875
    "inscrito_id" => 4035
    "titulo" => "A MULHER SURDA E SUAS RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE"
    "resumo" => "O presente trabalho trata dos desafios que as mulheres surdas geralmente vivenciam, pois as mesmas sentem-se inseguras em relação ás mulheres ouvintes nos seus relacionamentos afetivos. Percebe-se a necessidade de uma consciência inclusiva, pois a mulher surda tem a surdez como mais uma de suas múltiplas identidades. Contudo percebe-se que a sociedade ainda vive seus tabus em relação à mulher surda, não contribuindo para a inclusão da mesma, inferiorizando-a e tornando-a assim mais insegura em relação às demais mulheres. Quanto aos seus relacionamentos afetivos podemos perceber que a insegurança de muitas mulheres surdas é devido à ignorância dos que as veem como mulheres incapazes de manter um relacionamento saudável e sólida, e incapacitada para formar uma família. A metodologia escolhida para desenvolver a pesquisa é de cunho bibliográfico, esta modalidade de pesquisa é feita com base em materiais que já foram criados, nos quais fazem parte destes, fundamentalmente livros e artigos científicos, com base nas referências teóricas, fazendo uma interpretação sobre o tema tendo como resultado motivações e percepções e assim alcançar os resultados, as discussões e as conclusões a respeito do tema tratado, de acordo com a temática os resultados e discussão serão organizados em tópicos, resumindo os conteúdos que estão interligados aos comportamentos, atitudes e que influenciam as mulheres surdas. A mulher surda é vista por olhos preconceituosos como incapaz para o mercado de trabalho, o que a faz sentir, na maior parte das vezes, inútil á sociedade. Não levando em conta que a surdez não a torna incapaz de ser independente e autora de sua própria história. A mulher surda como realmente ela é: Pensante: capaz de refletir sobre o mundo que a cerca. Afetiva: tendo as capacidades de sentir e de relacionar-se tal qual como as demais mulheres. Podendo assim, construir relacionamentos, e família como qualquer outra mulher. Múltiplas identidades: ela pode ser alta, baixa, gorda, magra, vaidosa, inteligente, ativa e etc. Ou seja, ela pode ter defeitos e qualidades que não diz respeito a sua surdez. Temos por objetivo informar e conscientizar a sociedade dos desafios enfrentados e dos tabus que devem ser quebrados e como promover a inclusão da mulher surda na sociedade.  Percebeu-se que a mulher surda foi alvo do machismo e do preconceito, simplesmente por não se enquadrar no padrão de “normalidade” que foram estabelecidos, e por isso, foi privada dos seus direitos. Concluímos através desse trabalho a necessidade de que haja o reconhecimento das diferenças, e que a surdez não seja, mas vista como algo que incapacite a mulher de ter uma vida normal, e sim de ter os seus direitos garantidos na sociedade, bem como os seus deveres."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "INCLUSÃO, DIREITOS HUMANOS E INTERCULTURALIDADE"
    "palavra_chave" => "MULHER, SURDEZ, INCLUSÃO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_15_08_2014_11_32_06_idinscrito_4035_d8795461110fd31faacc34e9498ac37a.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:53"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:12:24"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "MIANCY ELDINE DA SILVA VIEIRA"
    "autor_nome_curto" => "MIANCY"
    "autor_email" => "mia_eldine@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFPI"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais I CONEDU"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2014"
    "edicao_logo" => "5e4a0671b0a63_17022020002017.png"
    "edicao_capa" => "5f1848d9ed142_22072020111033.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-09-18 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 18 de setembro de 2014

Resumo

O presente trabalho trata dos desafios que as mulheres surdas geralmente vivenciam, pois as mesmas sentem-se inseguras em relação ás mulheres ouvintes nos seus relacionamentos afetivos. Percebe-se a necessidade de uma consciência inclusiva, pois a mulher surda tem a surdez como mais uma de suas múltiplas identidades. Contudo percebe-se que a sociedade ainda vive seus tabus em relação à mulher surda, não contribuindo para a inclusão da mesma, inferiorizando-a e tornando-a assim mais insegura em relação às demais mulheres. Quanto aos seus relacionamentos afetivos podemos perceber que a insegurança de muitas mulheres surdas é devido à ignorância dos que as veem como mulheres incapazes de manter um relacionamento saudável e sólida, e incapacitada para formar uma família. A metodologia escolhida para desenvolver a pesquisa é de cunho bibliográfico, esta modalidade de pesquisa é feita com base em materiais que já foram criados, nos quais fazem parte destes, fundamentalmente livros e artigos científicos, com base nas referências teóricas, fazendo uma interpretação sobre o tema tendo como resultado motivações e percepções e assim alcançar os resultados, as discussões e as conclusões a respeito do tema tratado, de acordo com a temática os resultados e discussão serão organizados em tópicos, resumindo os conteúdos que estão interligados aos comportamentos, atitudes e que influenciam as mulheres surdas. A mulher surda é vista por olhos preconceituosos como incapaz para o mercado de trabalho, o que a faz sentir, na maior parte das vezes, inútil á sociedade. Não levando em conta que a surdez não a torna incapaz de ser independente e autora de sua própria história. A mulher surda como realmente ela é: Pensante: capaz de refletir sobre o mundo que a cerca. Afetiva: tendo as capacidades de sentir e de relacionar-se tal qual como as demais mulheres. Podendo assim, construir relacionamentos, e família como qualquer outra mulher. Múltiplas identidades: ela pode ser alta, baixa, gorda, magra, vaidosa, inteligente, ativa e etc. Ou seja, ela pode ter defeitos e qualidades que não diz respeito a sua surdez. Temos por objetivo informar e conscientizar a sociedade dos desafios enfrentados e dos tabus que devem ser quebrados e como promover a inclusão da mulher surda na sociedade. Percebeu-se que a mulher surda foi alvo do machismo e do preconceito, simplesmente por não se enquadrar no padrão de “normalidade” que foram estabelecidos, e por isso, foi privada dos seus direitos. Concluímos através desse trabalho a necessidade de que haja o reconhecimento das diferenças, e que a surdez não seja, mas vista como algo que incapacite a mulher de ter uma vida normal, e sim de ter os seus direitos garantidos na sociedade, bem como os seus deveres.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.