Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

CRENÇAS SOBRE AIDS EM IDOSOS E VULNERABILIDADES DE PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS DA POPULAÇÃO EM GERAL

Palavra-chaves: ENVELHECIMENTO, HIV/AIDS, VULNERABILIDADE Tema Livre (TL) Psicologia
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5530
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 137
    "inscrito_id" => 284
    "titulo" => "CRENÇAS SOBRE AIDS EM IDOSOS E VULNERABILIDADES DE PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS DA POPULAÇÃO EM GERAL"
    "resumo" => "Atualmente, têm-se percebido mudanças no curso da epidemia da Aids, tornando-se cada vez mais frequente o número de casos na faixa etária acima de 50 anos. Entre as pessoas acima de 50 anos, as estimativas de suscetibilidade por idade têm demonstrado que o “risco relativo de infecção pelo HIV” apresenta crescimento a partir da faixa etária de 13 anos, atinge o máximo após os 20 anos, diminuindo até os 40 anos, recomeçando o crescimento após essa idade. Este estudo tem por objetivo identificar as práticas sexuais e preventivas e as crenças sobre a aids em idosos de pessoas da população em geral com idades igual ou superior a 50 anos. Participaram, de forma não probabilística e acidental, 57 pessoas com idades variando de 50 a 80 anos (M=60; DP=8,2), sendo a maioria do sexo feminino (38 mulheres), casados (31 pessoas) e com até 8 anos de escolaridade (20 pessoas).Utilizou-se como instrumento uma escala de crenças sobre a aids em idosos e questionário sociodemográfico. Estas pessoas foram abordadas em praças e logradouros de 09 cidades pertencentes às macrorregiões de saúde de Patos e Sousa. Os dados foram analisados através de estatística descritiva, de posição e de variabilidade (Frequência, média e desvio padrão, respectivamente). Para tanto, utilizou-se o softwere estatístico SPSS, versão 20. Em relação às práticas sexuais e preventivas, numa escala de 0 a 10, os participantes apresentaram média igual a 6,07 (DP=4,4) ao avaliarem o risco pessoal de contrair Aids. Ao se perguntar sobre o uso de camisinha durante as relações sexuais, das 52 pessoas que responderam a esta questão, 48 nunca usaram o preservativo e 4 afirmaram usar “às vezes”. Nenhum participante afirmou ter usado “sempre”. Ademais, a maioria dos participantes não acredita que os idosos possam pegar aids através do sexo, bem como não concordam que o idoso se previne contra a AIDS. Destaca-se, ainda, a crenças dos participantes de que idosos com aids sofrem o preconceito social, tornando uma realidade vergonhosa, quando comparado com jovens, havendo, ainda, um maior grau de concordância de que estes idosos deveriam manter o sigilo sobre seu diagnóstico. Foi possível identificar que as práticas sexuais e preventivas dos participantes apontam para elementos de vulnerabilidade às DST`s/AIDS, bem como para um conjuntos de crenças que não envolvem apenas o idoso com aids, mas a vivencia da aids no contexto social dos indivíduos. Se faz necessário destacar que as práticas sexuais associadas à maior vulnerabilidade não devem ser entendidos e abordados como uma decorrência imediata da ação voluntária das pessoas, mas estão relacionados tanto com condições objetivas de vida (escolaridade, renda, acesso às informação, capacidade de compreensão e o efetivo exercício na vida diárias, etc.) quanto com as condições culturais e sociais em que os atores sociais vivem."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL)"
    "area_tematica" => "Psicologia"
    "palavra_chave" => "ENVELHECIMENTO, HIV/AIDS, VULNERABILIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_2datahora_11_03_2014_23_33_38_idinscrito_284_ee18f09a5307f5b01d6029c5d4079fa9.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RENATA PIRES MENDES DA NÓBREGA"
    "autor_nome_curto" => "RENATA NÓBREGA"
    "autor_email" => "renata_pmn@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIPÊ - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5530
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 137
    "inscrito_id" => 284
    "titulo" => "CRENÇAS SOBRE AIDS EM IDOSOS E VULNERABILIDADES DE PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS DA POPULAÇÃO EM GERAL"
    "resumo" => "Atualmente, têm-se percebido mudanças no curso da epidemia da Aids, tornando-se cada vez mais frequente o número de casos na faixa etária acima de 50 anos. Entre as pessoas acima de 50 anos, as estimativas de suscetibilidade por idade têm demonstrado que o “risco relativo de infecção pelo HIV” apresenta crescimento a partir da faixa etária de 13 anos, atinge o máximo após os 20 anos, diminuindo até os 40 anos, recomeçando o crescimento após essa idade. Este estudo tem por objetivo identificar as práticas sexuais e preventivas e as crenças sobre a aids em idosos de pessoas da população em geral com idades igual ou superior a 50 anos. Participaram, de forma não probabilística e acidental, 57 pessoas com idades variando de 50 a 80 anos (M=60; DP=8,2), sendo a maioria do sexo feminino (38 mulheres), casados (31 pessoas) e com até 8 anos de escolaridade (20 pessoas).Utilizou-se como instrumento uma escala de crenças sobre a aids em idosos e questionário sociodemográfico. Estas pessoas foram abordadas em praças e logradouros de 09 cidades pertencentes às macrorregiões de saúde de Patos e Sousa. Os dados foram analisados através de estatística descritiva, de posição e de variabilidade (Frequência, média e desvio padrão, respectivamente). Para tanto, utilizou-se o softwere estatístico SPSS, versão 20. Em relação às práticas sexuais e preventivas, numa escala de 0 a 10, os participantes apresentaram média igual a 6,07 (DP=4,4) ao avaliarem o risco pessoal de contrair Aids. Ao se perguntar sobre o uso de camisinha durante as relações sexuais, das 52 pessoas que responderam a esta questão, 48 nunca usaram o preservativo e 4 afirmaram usar “às vezes”. Nenhum participante afirmou ter usado “sempre”. Ademais, a maioria dos participantes não acredita que os idosos possam pegar aids através do sexo, bem como não concordam que o idoso se previne contra a AIDS. Destaca-se, ainda, a crenças dos participantes de que idosos com aids sofrem o preconceito social, tornando uma realidade vergonhosa, quando comparado com jovens, havendo, ainda, um maior grau de concordância de que estes idosos deveriam manter o sigilo sobre seu diagnóstico. Foi possível identificar que as práticas sexuais e preventivas dos participantes apontam para elementos de vulnerabilidade às DST`s/AIDS, bem como para um conjuntos de crenças que não envolvem apenas o idoso com aids, mas a vivencia da aids no contexto social dos indivíduos. Se faz necessário destacar que as práticas sexuais associadas à maior vulnerabilidade não devem ser entendidos e abordados como uma decorrência imediata da ação voluntária das pessoas, mas estão relacionados tanto com condições objetivas de vida (escolaridade, renda, acesso às informação, capacidade de compreensão e o efetivo exercício na vida diárias, etc.) quanto com as condições culturais e sociais em que os atores sociais vivem."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL)"
    "area_tematica" => "Psicologia"
    "palavra_chave" => "ENVELHECIMENTO, HIV/AIDS, VULNERABILIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_2datahora_11_03_2014_23_33_38_idinscrito_284_ee18f09a5307f5b01d6029c5d4079fa9.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RENATA PIRES MENDES DA NÓBREGA"
    "autor_nome_curto" => "RENATA NÓBREGA"
    "autor_email" => "renata_pmn@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UNIPÊ - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

Atualmente, têm-se percebido mudanças no curso da epidemia da Aids, tornando-se cada vez mais frequente o número de casos na faixa etária acima de 50 anos. Entre as pessoas acima de 50 anos, as estimativas de suscetibilidade por idade têm demonstrado que o “risco relativo de infecção pelo HIV” apresenta crescimento a partir da faixa etária de 13 anos, atinge o máximo após os 20 anos, diminuindo até os 40 anos, recomeçando o crescimento após essa idade. Este estudo tem por objetivo identificar as práticas sexuais e preventivas e as crenças sobre a aids em idosos de pessoas da população em geral com idades igual ou superior a 50 anos. Participaram, de forma não probabilística e acidental, 57 pessoas com idades variando de 50 a 80 anos (M=60; DP=8,2), sendo a maioria do sexo feminino (38 mulheres), casados (31 pessoas) e com até 8 anos de escolaridade (20 pessoas).Utilizou-se como instrumento uma escala de crenças sobre a aids em idosos e questionário sociodemográfico. Estas pessoas foram abordadas em praças e logradouros de 09 cidades pertencentes às macrorregiões de saúde de Patos e Sousa. Os dados foram analisados através de estatística descritiva, de posição e de variabilidade (Frequência, média e desvio padrão, respectivamente). Para tanto, utilizou-se o softwere estatístico SPSS, versão 20. Em relação às práticas sexuais e preventivas, numa escala de 0 a 10, os participantes apresentaram média igual a 6,07 (DP=4,4) ao avaliarem o risco pessoal de contrair Aids. Ao se perguntar sobre o uso de camisinha durante as relações sexuais, das 52 pessoas que responderam a esta questão, 48 nunca usaram o preservativo e 4 afirmaram usar “às vezes”. Nenhum participante afirmou ter usado “sempre”. Ademais, a maioria dos participantes não acredita que os idosos possam pegar aids através do sexo, bem como não concordam que o idoso se previne contra a AIDS. Destaca-se, ainda, a crenças dos participantes de que idosos com aids sofrem o preconceito social, tornando uma realidade vergonhosa, quando comparado com jovens, havendo, ainda, um maior grau de concordância de que estes idosos deveriam manter o sigilo sobre seu diagnóstico. Foi possível identificar que as práticas sexuais e preventivas dos participantes apontam para elementos de vulnerabilidade às DST`s/AIDS, bem como para um conjuntos de crenças que não envolvem apenas o idoso com aids, mas a vivencia da aids no contexto social dos indivíduos. Se faz necessário destacar que as práticas sexuais associadas à maior vulnerabilidade não devem ser entendidos e abordados como uma decorrência imediata da ação voluntária das pessoas, mas estão relacionados tanto com condições objetivas de vida (escolaridade, renda, acesso às informação, capacidade de compreensão e o efetivo exercício na vida diárias, etc.) quanto com as condições culturais e sociais em que os atores sociais vivem.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.