Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

RELAÇÃO ENTRE A PRESSÃO ARTERIAL E O GENERO DE ADOLESCENTES ESCOLARES

Palavra-chaves: ADOLESCENTE, HIPERTENSAO, DOENÇA CARDIOVASCULAR Pôster (PO) Saúde Pública
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5504
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 860
    "inscrito_id" => 1201
    "titulo" => "RELAÇÃO ENTRE A PRESSÃO ARTERIAL E O GENERO DE ADOLESCENTES ESCOLARES"
    "resumo" => "INTRODUÇÃO: A Hipertensão Arterial apresenta crescentes prevalências mundialmente e no Brasil, sendo considerada como o mais importante fator de risco cardiovascular. A sua identificação precoce, em fases da vida como infância e adolescência, constitui-se como uma forma de redução do risco e, consequente, prevenção das doenças cardiovasculares. OBJETIVO: Verificar a prevalência de pressão arterial elevada entre adolescentes escolares da rede pública de Campina Grande-PB.  MÉTODOS: Estudo transversal, quantitativo, realizado entre setembro e novembro/2012 com 99 adolescentes escolares entre 15 e 19 anos da rede pública de ensino. A aferição da pressão arterial foi realizada com aparelhos semi-automáticos OMRON – HEM 742, validados para a população jovem, e caracterizada pelos valores de pressão arterial sistólica e/ou diastólica iguais ou superiores ao percentil 95, para idade, gênero e percentil de estatura, com base nas tabelas específicas para crianças e adolescentes. Além disso, os valores de pressão arterial sistólica e diastólica iguais ou acima de 120 mmHg e/ou 80 mmHg, respectivamente, foram considerados como elevados mesmo para os que tiveram percentil abaixo do 95. Os valores citados foram utilizados para classificar os adolescentes até 17 anos, a partir desta idade considerou-se elevada a pressão sistólica ≥ 130 mmHg e∕ou pressão diastólica ≥ 85 mmHg. RESULTADOS: A prevalência de pressão arterial elevada entre os escolares foi de 26%. Houve diferença estatisticamente significante entre os níveis pressóricos elevados e o sexo, encontrando-se 45,7% dos meninos com pressão elevada em detrimento de 12,5% das meninas (p<0,001). A análise da pressão arterial sistólica e diastólica apontou comportamento semelhante em relação ao sexo, sendo alterados 45,7% das pressões sistólicas dos adolescentes e 12,5% das adolescentes (<0,001). Os dados referentes pressão diastólica não apresentaram diferença estatisticamente significante. CONCLUSÃO: Foi verificada alta prevalência de pressão arterial elevada, especialmente na avaliação da sistólica, sendo mais prevalente entre adolescentes do sexo masculino."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Saúde Pública"
    "palavra_chave" => "ADOLESCENTE, HIPERTENSAO, DOENÇA CARDIOVASCULAR"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_24_03_2014_23_47_25_idinscrito_1201_c9e408825192f58619abdac71aad2777.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RAFAELA RAMOS DANTAS"
    "autor_nome_curto" => "RAFAELA DANTAS"
    "autor_email" => "rafinha.dantas@hotmail.co"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5504
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 860
    "inscrito_id" => 1201
    "titulo" => "RELAÇÃO ENTRE A PRESSÃO ARTERIAL E O GENERO DE ADOLESCENTES ESCOLARES"
    "resumo" => "INTRODUÇÃO: A Hipertensão Arterial apresenta crescentes prevalências mundialmente e no Brasil, sendo considerada como o mais importante fator de risco cardiovascular. A sua identificação precoce, em fases da vida como infância e adolescência, constitui-se como uma forma de redução do risco e, consequente, prevenção das doenças cardiovasculares. OBJETIVO: Verificar a prevalência de pressão arterial elevada entre adolescentes escolares da rede pública de Campina Grande-PB.  MÉTODOS: Estudo transversal, quantitativo, realizado entre setembro e novembro/2012 com 99 adolescentes escolares entre 15 e 19 anos da rede pública de ensino. A aferição da pressão arterial foi realizada com aparelhos semi-automáticos OMRON – HEM 742, validados para a população jovem, e caracterizada pelos valores de pressão arterial sistólica e/ou diastólica iguais ou superiores ao percentil 95, para idade, gênero e percentil de estatura, com base nas tabelas específicas para crianças e adolescentes. Além disso, os valores de pressão arterial sistólica e diastólica iguais ou acima de 120 mmHg e/ou 80 mmHg, respectivamente, foram considerados como elevados mesmo para os que tiveram percentil abaixo do 95. Os valores citados foram utilizados para classificar os adolescentes até 17 anos, a partir desta idade considerou-se elevada a pressão sistólica ≥ 130 mmHg e∕ou pressão diastólica ≥ 85 mmHg. RESULTADOS: A prevalência de pressão arterial elevada entre os escolares foi de 26%. Houve diferença estatisticamente significante entre os níveis pressóricos elevados e o sexo, encontrando-se 45,7% dos meninos com pressão elevada em detrimento de 12,5% das meninas (p<0,001). A análise da pressão arterial sistólica e diastólica apontou comportamento semelhante em relação ao sexo, sendo alterados 45,7% das pressões sistólicas dos adolescentes e 12,5% das adolescentes (<0,001). Os dados referentes pressão diastólica não apresentaram diferença estatisticamente significante. CONCLUSÃO: Foi verificada alta prevalência de pressão arterial elevada, especialmente na avaliação da sistólica, sendo mais prevalente entre adolescentes do sexo masculino."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Saúde Pública"
    "palavra_chave" => "ADOLESCENTE, HIPERTENSAO, DOENÇA CARDIOVASCULAR"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_24_03_2014_23_47_25_idinscrito_1201_c9e408825192f58619abdac71aad2777.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "RAFAELA RAMOS DANTAS"
    "autor_nome_curto" => "RAFAELA DANTAS"
    "autor_email" => "rafinha.dantas@hotmail.co"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

INTRODUÇÃO: A Hipertensão Arterial apresenta crescentes prevalências mundialmente e no Brasil, sendo considerada como o mais importante fator de risco cardiovascular. A sua identificação precoce, em fases da vida como infância e adolescência, constitui-se como uma forma de redução do risco e, consequente, prevenção das doenças cardiovasculares. OBJETIVO: Verificar a prevalência de pressão arterial elevada entre adolescentes escolares da rede pública de Campina Grande-PB. MÉTODOS: Estudo transversal, quantitativo, realizado entre setembro e novembro/2012 com 99 adolescentes escolares entre 15 e 19 anos da rede pública de ensino. A aferição da pressão arterial foi realizada com aparelhos semi-automáticos OMRON – HEM 742, validados para a população jovem, e caracterizada pelos valores de pressão arterial sistólica e/ou diastólica iguais ou superiores ao percentil 95, para idade, gênero e percentil de estatura, com base nas tabelas específicas para crianças e adolescentes. Além disso, os valores de pressão arterial sistólica e diastólica iguais ou acima de 120 mmHg e/ou 80 mmHg, respectivamente, foram considerados como elevados mesmo para os que tiveram percentil abaixo do 95. Os valores citados foram utilizados para classificar os adolescentes até 17 anos, a partir desta idade considerou-se elevada a pressão sistólica ≥ 130 mmHg e∕ou pressão diastólica ≥ 85 mmHg. RESULTADOS: A prevalência de pressão arterial elevada entre os escolares foi de 26%. Houve diferença estatisticamente significante entre os níveis pressóricos elevados e o sexo, encontrando-se 45,7% dos meninos com pressão elevada em detrimento de 12,5% das meninas (p<0,001). A análise da pressão arterial sistólica e diastólica apontou comportamento semelhante em relação ao sexo, sendo alterados 45,7% das pressões sistólicas dos adolescentes e 12,5% das adolescentes (<0,001). Os dados referentes pressão diastólica não apresentaram diferença estatisticamente significante. CONCLUSÃO: Foi verificada alta prevalência de pressão arterial elevada, especialmente na avaliação da sistólica, sendo mais prevalente entre adolescentes do sexo masculino.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.