Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 174
CARACTERIZAÇÃO FITOQUÍMICA E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA E MODULADORA DE RESISTÊNCIA AOS AMINOGLICOSÍDEOS DE FRAÇÕES CLOROFÓRMICAS OBTIDAS DE EXTRATOS DE FOLHAS DE CORDIA VERBENACEA DC .

Palavra-chaves: CORDIA VERBENACEA, FITOQUÍMICA, MODULAÇÃO Tema Livre (TL) Microbiologia Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

Erva-baleeira " , Cordia verbenacea DC ., é uma das espécies de plantas que está sendo explorada com a finalidade de produzir um produto fitoterápico extraído de suas folhas ( Barroso et al. , 2002). O extrato bruto da erva é amplamente utilizado na medicina popular , principalmente como antimicrobianos , anti-inflamatórios e analgésicos ( Sertie et al . , 2005) . Diante disso, o objetivo deste estudo foi justificar a utilização das frações clorofórmicas, obtidas dos extratos metanólico e hexano de folhas de C. verbenacea DC como um agente terapêutico e uma fonte alternativa de novas substâncias. As folhas de Cordia verbenacea DC foram coletadas no município de Crato, Ceará, Brasil. Primeiramente foram obtidos os extratos metanólico e hexânico e logo após as frações: Fração Clorofórmica do Extrato Metanólico (CFMECV) e Fração Clorofórmica do Extrato Hexânico (CFHECV ) . Os testes fitoquímicos foram realizados de acordo com o método descrito por (Matos,1997) e a quantificação de compostos por meio de HPLC –DAD foram realizadas seguindo o método proposto por (Laghari et al. , 2011), com ligeiras modificações. Para o teste de Concentração Inibitória Mínima (MIC) foram utilizadas as linhagens padrões de E. coli ATCC 25923, S. aureus ATCC 10536 e P. aeruginosa ATCC 15442 e as linhagens bacterianas multirresistentes P. aeruginosa 03, E. coli 27 e S. aureus 358. Para o teste de modulação foram usadas apenas as linhagens multirresistentes. As drogas utilizadas nos testes foram os aminoglicosídeos amicacina, neomicina e gentamicina. O método utilizado para determinação da MIC foi o da microdiluição em caldo (Javadpour et al , 1996; . NCCLS , 2003 , NCCLS , 2005) . A atividade moduladora foi determinada de acordo com os métodos propostos por Javadpour et al (1996); NCCLS (2003); NCCLS (2005) e Lorenzi et al (2003). Os testes fitoquímicos para CFMECV mostraram a presença de taninos flobatenics, flavonóides e terpenos. Os resultados para CFHECV mostraram a presença de taninos flobatenics, flavonóides (flavonas, flavonóis, xantonas, flavonons ) e terpenos . A quantificação de compostos por meio de HPLC –DAD de CFMECV e CFHECV revelou a presença de ácido gálico, ácido clorogénico e ácido caféico. No teste de Concentração Inibitória Mínima (MIC), foi obtido um resultado ≥ 1024 µg / mL para todas as linhagens de bactérias testadas , mas CFMECV contra S. aureus multirresistente ( SA358 ) mostrou MIC de 128 µg/ mL e CFHECV contra P. aeruginosa resistente ( PA03 ) mostrou MIC de 512 µg/ mL. Foram considerados como atividade de relevância clínica, valores ≤ 256 µg/ mL. Nos testes de modulação da resistência bacteriana aos aminoglicosídeos, CFMECV e CFHECV potencializaram o efeito antibacteriano dos antibióticos testados contra todas as estirpes de bactérias utilizadas, exceto CFHECV quando combinado com neomicina e testado contra a estirpe SA358 e quando combinado com gentamicina e testado contra a estirpe de PA03, onde não houve sinergismo. Diante disso, o uso das folhas dessa planta pode constituir-se numa alternativa viável e acessível para tratamento antibacteriano.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.