Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

Visualizações: 184
AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA PRESSÃO PLANTAR DE MULHERES ATRAVÉS DA BAROPODOMETRIA

Palavra-chaves: PRESSÃO PLANTAR, DISTRIBUIÇÃO, EQUILÍBRIO Pôster (PO) Fisioterapia

Resumo

Introdução: A distribuição de pressão na superfície plantar pode revelar informações tanto sobre a estrutura e função dos pés, como sobre o controle postural de todo o corpo, em condições saudáveis ou patológicas. Além disso, o envelhecimento biológico do sistema musculoesquelético pode levar a alterações específicas do pé, entre elas, a atrofia da musculatura intrínseca e deformidades ósseas, que por alterarem a base de apoio podem levar a alterações do equilíbrio. Objetivo: Avaliar a distribuição da pressão plantar em mulheres participantes de um grupo de conscientização corporal. Metodologia: O trabalho foi realizado na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), na cidade de Campina Grande – PB, com 12 integrantes de um grupo de conscientização corporal na maturidade, com idade entre 47 e 70 anos, no mês de fevereiro de 2014. Utilizou-se o baropodômetro, no qual as participantes se posicionavam, sem calçados, sendo avaliadas com apoio bipodal e com olhos abertos, durante 10 segundos. Resultados: Dentre as participantes, 7 eram idosas. Com relação à distribuição da pressão entre os dois lados, 83,3% apresentou maior pressão no pé direito, 8,35% no pé esquerdo e 8,35% equilíbrio entre os lados. Na avaliação da pressão de acordo com a região do pé, a maioria apresentou picos de pressão no retropé (75%), uma pequena parte das avaliadas na região do antepé (16,7%) e apenas 8,3% apresentou em todo o pé. Conclusão: Após análise dos resultados foi possível observar que dentre as mulheres avaliadas, grande parte apresenta maior pressão no pé direito. Com relação à distribuição da pressão de acordo com a região do pé, verificou-se maior porcentual de pressão na região do retropé. A Baropodometria é uma ferramenta de diagnóstico com resultados fidedignos e que podem contribuir para a conduta preventiva e terapêutica das disfunções do pé, distúrbios no equilíbrio e macha, frequentemente alterados pelo envelhecimento, pois possibilita desde a orientação para o uso de palmilhas e calçados adequados à pisada aos treinamentos funcionais globais, sendo assim um importante aliado às condutas fisioterapêuticas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.