Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

FATORES DE RISCO PARA QUEDA EM IDOSOS

Palavra-chaves: IDOSO, FATORES DE RISCO, QUEDA Pôster (PO) Enfermagem
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5225
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 62
    "inscrito_id" => 857
    "titulo" => "FATORES DE RISCO PARA QUEDA EM IDOSOS"
    "resumo" => "Introdução: a queda é normalmente multifatorial, resultante da interação entre fatores predisponentes e precipitantes, que podem ser intrínsecos e extrínsecos. Pode resultar em consequências físicas, funcionais e psicossociais. Sendo frequente e limitante na vida do idoso e é caracterizada como um evento inesperado e não intencional. As mesmas podem ocorrer por vários fatores, dentre estes, destacamos: disfunções motoras, senso de percepção, equilíbrio ou déficit cognitivo. Cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano e o fenômeno é mais prevalente entre as mulheres. Objetivo: relatar por meio da literatura os fatores de risco para queda em idosos. Metodologia: revisão sistemática, realizada no mês de fevereiro de 2014, nas bases de dados Sciello e Lilacs, por meio dos descritores: idoso, fatores de risco e queda. Inicialmente encontramos 643.519 artigos, após a associação dos descritores e a aplicação dos critérios de inclusão, trabalhos publicados entre os anos de 2010 e 2013, escritos em língua portuguesa e publicados na íntegra, totalizamos 04 artigos.  Resultados: classificamos em fatores intrínsecos e os extrínsecos, com relação a estes, destacamos: aponta-se a faixa etária elevada, a diminuição da força muscular, dos reflexos, da flexibilidade, da velocidade espontânea da marcha, da acuidade visual, a fraqueza dos membros inferiores. Tontura de origem vestibular pode ser um fator desencadeante de quedas recorrentes, pois as disfunções vestibulares limitam o controle postural, predispondo à instabilidade e ao desalinhamento corporal. Ocasionando à redução na qualidade e na quantidade das informações necessárias para o controle postural eficiente comprometimento do equilíbrio está associado ao aumento do risco de quedas em idosos. Reportando-se aos extrínsecos elencamos: a ausência de barra de proteção no banheiro, presença de tapetes soltos e sem antiderrapante, presença de degraus e acesso difícil ao interruptor de luz. O comprometimento na realização das atividades diárias ou a inatividade são fatores de risco com alto peso de evidência para quedas em idosos que praticam poucas atividades físicas podendo agravar o ciclo vicioso do envelhecimento, menor capacidade funcional, sedentarismo, atrofia e quedas. O envelhecimento dá origem a várias modificações estruturais e funcionais, responsáveis pela alteração da função psicomotora do equilíbrio que podem levar à queda da pessoa idosa, entre as quais se observam a diminuição do desempenho de atividades cotidianas como caminhar, mudar de posição e ir ao banheiro. Conclusão: as quedas ocorrem pela combinação de várias etiologias por isso a importância de identificar os fatores de risco precocemente e assim planejar estratégias de prevenção, reorganização ambiental e de reabilitação funcional, como exemplo destacamos a prática de atividades físicas, consideradas como uma das modalidades terapêuticas que melhora a mobilidade física e postural do idoso, podendo estar diretamente relacionada com a diminuição de quedas e, consequentemente, evitar a dependência e diminuir a morbidade e a mortalidade dos idosos."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Enfermagem"
    "palavra_chave" => "IDOSO, FATORES DE RISCO, QUEDA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_10_03_2014_18_58_56_idinscrito_857_9a72a666bf56bb1beb3f84ca0fa02393.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:38"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCA ALINE PEREIRA BEZERRA"
    "autor_nome_curto" => "FRANCISCA ALINE"
    "autor_email" => "aline.pb@hotmail.com"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5225
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 62
    "inscrito_id" => 857
    "titulo" => "FATORES DE RISCO PARA QUEDA EM IDOSOS"
    "resumo" => "Introdução: a queda é normalmente multifatorial, resultante da interação entre fatores predisponentes e precipitantes, que podem ser intrínsecos e extrínsecos. Pode resultar em consequências físicas, funcionais e psicossociais. Sendo frequente e limitante na vida do idoso e é caracterizada como um evento inesperado e não intencional. As mesmas podem ocorrer por vários fatores, dentre estes, destacamos: disfunções motoras, senso de percepção, equilíbrio ou déficit cognitivo. Cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano e o fenômeno é mais prevalente entre as mulheres. Objetivo: relatar por meio da literatura os fatores de risco para queda em idosos. Metodologia: revisão sistemática, realizada no mês de fevereiro de 2014, nas bases de dados Sciello e Lilacs, por meio dos descritores: idoso, fatores de risco e queda. Inicialmente encontramos 643.519 artigos, após a associação dos descritores e a aplicação dos critérios de inclusão, trabalhos publicados entre os anos de 2010 e 2013, escritos em língua portuguesa e publicados na íntegra, totalizamos 04 artigos.  Resultados: classificamos em fatores intrínsecos e os extrínsecos, com relação a estes, destacamos: aponta-se a faixa etária elevada, a diminuição da força muscular, dos reflexos, da flexibilidade, da velocidade espontânea da marcha, da acuidade visual, a fraqueza dos membros inferiores. Tontura de origem vestibular pode ser um fator desencadeante de quedas recorrentes, pois as disfunções vestibulares limitam o controle postural, predispondo à instabilidade e ao desalinhamento corporal. Ocasionando à redução na qualidade e na quantidade das informações necessárias para o controle postural eficiente comprometimento do equilíbrio está associado ao aumento do risco de quedas em idosos. Reportando-se aos extrínsecos elencamos: a ausência de barra de proteção no banheiro, presença de tapetes soltos e sem antiderrapante, presença de degraus e acesso difícil ao interruptor de luz. O comprometimento na realização das atividades diárias ou a inatividade são fatores de risco com alto peso de evidência para quedas em idosos que praticam poucas atividades físicas podendo agravar o ciclo vicioso do envelhecimento, menor capacidade funcional, sedentarismo, atrofia e quedas. O envelhecimento dá origem a várias modificações estruturais e funcionais, responsáveis pela alteração da função psicomotora do equilíbrio que podem levar à queda da pessoa idosa, entre as quais se observam a diminuição do desempenho de atividades cotidianas como caminhar, mudar de posição e ir ao banheiro. Conclusão: as quedas ocorrem pela combinação de várias etiologias por isso a importância de identificar os fatores de risco precocemente e assim planejar estratégias de prevenção, reorganização ambiental e de reabilitação funcional, como exemplo destacamos a prática de atividades físicas, consideradas como uma das modalidades terapêuticas que melhora a mobilidade física e postural do idoso, podendo estar diretamente relacionada com a diminuição de quedas e, consequentemente, evitar a dependência e diminuir a morbidade e a mortalidade dos idosos."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Enfermagem"
    "palavra_chave" => "IDOSO, FATORES DE RISCO, QUEDA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_10_03_2014_18_58_56_idinscrito_857_9a72a666bf56bb1beb3f84ca0fa02393.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:38"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FRANCISCA ALINE PEREIRA BEZERRA"
    "autor_nome_curto" => "FRANCISCA ALINE"
    "autor_email" => "aline.pb@hotmail.com"
    "autor_ies" => ""
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

Introdução: a queda é normalmente multifatorial, resultante da interação entre fatores predisponentes e precipitantes, que podem ser intrínsecos e extrínsecos. Pode resultar em consequências físicas, funcionais e psicossociais. Sendo frequente e limitante na vida do idoso e é caracterizada como um evento inesperado e não intencional. As mesmas podem ocorrer por vários fatores, dentre estes, destacamos: disfunções motoras, senso de percepção, equilíbrio ou déficit cognitivo. Cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano e o fenômeno é mais prevalente entre as mulheres. Objetivo: relatar por meio da literatura os fatores de risco para queda em idosos. Metodologia: revisão sistemática, realizada no mês de fevereiro de 2014, nas bases de dados Sciello e Lilacs, por meio dos descritores: idoso, fatores de risco e queda. Inicialmente encontramos 643.519 artigos, após a associação dos descritores e a aplicação dos critérios de inclusão, trabalhos publicados entre os anos de 2010 e 2013, escritos em língua portuguesa e publicados na íntegra, totalizamos 04 artigos. Resultados: classificamos em fatores intrínsecos e os extrínsecos, com relação a estes, destacamos: aponta-se a faixa etária elevada, a diminuição da força muscular, dos reflexos, da flexibilidade, da velocidade espontânea da marcha, da acuidade visual, a fraqueza dos membros inferiores. Tontura de origem vestibular pode ser um fator desencadeante de quedas recorrentes, pois as disfunções vestibulares limitam o controle postural, predispondo à instabilidade e ao desalinhamento corporal. Ocasionando à redução na qualidade e na quantidade das informações necessárias para o controle postural eficiente comprometimento do equilíbrio está associado ao aumento do risco de quedas em idosos. Reportando-se aos extrínsecos elencamos: a ausência de barra de proteção no banheiro, presença de tapetes soltos e sem antiderrapante, presença de degraus e acesso difícil ao interruptor de luz. O comprometimento na realização das atividades diárias ou a inatividade são fatores de risco com alto peso de evidência para quedas em idosos que praticam poucas atividades físicas podendo agravar o ciclo vicioso do envelhecimento, menor capacidade funcional, sedentarismo, atrofia e quedas. O envelhecimento dá origem a várias modificações estruturais e funcionais, responsáveis pela alteração da função psicomotora do equilíbrio que podem levar à queda da pessoa idosa, entre as quais se observam a diminuição do desempenho de atividades cotidianas como caminhar, mudar de posição e ir ao banheiro. Conclusão: as quedas ocorrem pela combinação de várias etiologias por isso a importância de identificar os fatores de risco precocemente e assim planejar estratégias de prevenção, reorganização ambiental e de reabilitação funcional, como exemplo destacamos a prática de atividades físicas, consideradas como uma das modalidades terapêuticas que melhora a mobilidade física e postural do idoso, podendo estar diretamente relacionada com a diminuição de quedas e, consequentemente, evitar a dependência e diminuir a morbidade e a mortalidade dos idosos.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.