Artigo Anais XIII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

O ENGODO DE ÉDIPO: DESLIZAMENTOS INCESTUOSOS NA LITERATURA ERÓTICA

Palavra-chaves: LITERATURA, PSICANÁLISE, SEXUALIDADE Comunicação Oral (CO) GT 07 – Gênero, Sexualidades e Produção do conhecimento
"2018-07-13 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 42161
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 80
    "inscrito_id" => 200
    "titulo" => "O ENGODO DE ÉDIPO: DESLIZAMENTOS INCESTUOSOS NA LITERATURA ERÓTICA"
    "resumo" => "O incesto está presente na história da humanidade desde os tempos mais remotos, sendo considerado um sintoma na cultura contemporânea. O termo remonta à Antiguidade Grega, e seu significado está vinculado às “relações sexuais entre um homem e uma mulher, pais e aliados, num grau que acarreta a proibição do casamento”. Para a psicanálise, é uma perversão sexual, um desvio da norma erótica, ou seja, um ato em que o adulto abusa de um outro, com o qual comporta um vínculo consanguíneo, colocando-o no lugar de um objeto de gozo, num movimento errante da libido. Ao desconsiderar a alteridade, tal conduta assume propriamente as feições de uma patologia. Diante de tal conjectura, nossa pesquisa, numa interface entre a literatura e a psicanálise, propõe-se a analisar, no conto Ele, do autor Dalton Trevisan, a relação incestuosa que se estabelece entre pai e filha. Esta, na condição de precariedade subjetiva em que se encontra, sucumbe ao trauma da sexualidade. Explicaremos os motivos que levam esse homem, movido por suas pulsões, a negligenciar a lei em favor de seus desejos perversos. Utilizaremos, como arcabouço teórico, os estudos psicanalíticos desenvolvidos por Schainaia (2015) e Razon (2007)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 – Gênero, Sexualidades e Produção do conhecimento"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, PSICANÁLISE, SEXUALIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA8_ID200_02052018173400.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LETÍCIA SIMÕES VELLOSO SCHULER"
    "autor_nome_curto" => "LETÍCIA"
    "autor_email" => "leticiaschuler6@gmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 42161
    "edicao_id" => 89
    "trabalho_id" => 80
    "inscrito_id" => 200
    "titulo" => "O ENGODO DE ÉDIPO: DESLIZAMENTOS INCESTUOSOS NA LITERATURA ERÓTICA"
    "resumo" => "O incesto está presente na história da humanidade desde os tempos mais remotos, sendo considerado um sintoma na cultura contemporânea. O termo remonta à Antiguidade Grega, e seu significado está vinculado às “relações sexuais entre um homem e uma mulher, pais e aliados, num grau que acarreta a proibição do casamento”. Para a psicanálise, é uma perversão sexual, um desvio da norma erótica, ou seja, um ato em que o adulto abusa de um outro, com o qual comporta um vínculo consanguíneo, colocando-o no lugar de um objeto de gozo, num movimento errante da libido. Ao desconsiderar a alteridade, tal conduta assume propriamente as feições de uma patologia. Diante de tal conjectura, nossa pesquisa, numa interface entre a literatura e a psicanálise, propõe-se a analisar, no conto Ele, do autor Dalton Trevisan, a relação incestuosa que se estabelece entre pai e filha. Esta, na condição de precariedade subjetiva em que se encontra, sucumbe ao trauma da sexualidade. Explicaremos os motivos que levam esse homem, movido por suas pulsões, a negligenciar a lei em favor de seus desejos perversos. Utilizaremos, como arcabouço teórico, os estudos psicanalíticos desenvolvidos por Schainaia (2015) e Razon (2007)."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 – Gênero, Sexualidades e Produção do conhecimento"
    "palavra_chave" => "LITERATURA, PSICANÁLISE, SEXUALIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV112_MD1_SA8_ID200_02052018173400.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:26"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:39"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LETÍCIA SIMÕES VELLOSO SCHULER"
    "autor_nome_curto" => "LETÍCIA"
    "autor_email" => "leticiaschuler6@gmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xiii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XIII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XIII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d919238165_19022020165042.png"
    "edicao_capa" => "5e4d91923461c_19022020165042.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-07-13 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 13 de julho de 2018

Resumo

O incesto está presente na história da humanidade desde os tempos mais remotos, sendo considerado um sintoma na cultura contemporânea. O termo remonta à Antiguidade Grega, e seu significado está vinculado às “relações sexuais entre um homem e uma mulher, pais e aliados, num grau que acarreta a proibição do casamento”. Para a psicanálise, é uma perversão sexual, um desvio da norma erótica, ou seja, um ato em que o adulto abusa de um outro, com o qual comporta um vínculo consanguíneo, colocando-o no lugar de um objeto de gozo, num movimento errante da libido. Ao desconsiderar a alteridade, tal conduta assume propriamente as feições de uma patologia. Diante de tal conjectura, nossa pesquisa, numa interface entre a literatura e a psicanálise, propõe-se a analisar, no conto Ele, do autor Dalton Trevisan, a relação incestuosa que se estabelece entre pai e filha. Esta, na condição de precariedade subjetiva em que se encontra, sucumbe ao trauma da sexualidade. Explicaremos os motivos que levam esse homem, movido por suas pulsões, a negligenciar a lei em favor de seus desejos perversos. Utilizaremos, como arcabouço teórico, os estudos psicanalíticos desenvolvidos por Schainaia (2015) e Razon (2007).

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.