Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

Visualizações: 210
“ARTE E CONSCIÊNCIA NEGRA: PRODUÇÃO DE SABERES NA INTERFACE ESCOLA E TERREIRO DE UMBANDA”

Palavra-chaves: ARTE, ESCOLA, TERREIRO, AFRO-BRASILEIRA Pôster (PO) GT 06 - Educação e Relações Étnico-Raciais

Resumo

Resumo O ensino em Arte vem assumindo um papel de destaque na transmissão de saberes pós-coloniais, desmistificando concepções eurocêntricas que, por vezes, invizibilizam a contribuição da cultura afro-brasileira para o processo de formação do conhecimento escolar. Nos dias atuais, é de extremo valor cultivar um espaço de humanização no ambiente escolar, de modo que o aluno se sinta parte do processo de construção do saber. Pensando nisso, o presente artigo trata de uma pesquisa-ação em andamento, refletida na lei n° 11.645/08, tornando obrigatório o ensino sobre cultura afro-brasileira e indígena na educação básica. Assim, objetivamos investigar a relação dos alunos com temas voltados para essa área, a partir da contribuição do povo de terreiro e seus ensinamentos religiosos, num encontro de diálogo, interação e produção de saberes. Para essa intervenção, será realizado o projeto II Festival de Cultura Negra- tempos de crise e intolerância, para mostrar a importância de trabalhar a Arte e religião afro-brasileira como um veículo transmissor de conhecimentos, esclarecendo mitos do senso comum que estigmatizam religiões de matrizes africanas que costumeiramente associam suas práticas de forma distorcida do real. Para isso, pretendemos integrar a comunidade do Terreiro Cantinho de Luz, localizado na zona rural do município de Altos e os discentes da Unidade Escolar Raimundo Araújo Prado, em Beneditinos, ambos no estado do Piauí, para a culminância do projeto. Como suporte metodológico, faremos uma análise bibliográfica, para em seguida desenvolver o projeto com discussões em sala sobre artistas que trabalhem com a temática do negro na sociedade, exposição de pinturas com a temática sobre racismo e intolerância religiosa, performances que reverenciem a ancestralidade umbandista, homenageando os cultos do povo de santo e palestras que ressaltem a importância de se discutir a referida temática na escola, a fim de esclarecer a nossos alunos a importância da liberdade religiosa e do respeito à diversidade num país onde a força da intolerância vem causando desastres ao patrimônio cultural afro-brasileiro.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.