Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

BREVE HISTÓRICO DO PROEJA NO CAMPUS SALGUEIRO – IFSERTÃO-PE

Palavra-chaves: PROEJA, EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS, EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Comunicação Oral (CO) GT 12 - Educação de Pessoas Jovens e Adultas Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

O trabalho apresenta o levantamento histórico de implantação do Programa de Integração Educação Básica e Educação Profissional na Modalidade EJA (PROEJA) no campus Salgueiro, inaugurado em 2010. Tendo suas atividades voltadas à educação de jovens e adultos no ano 2011, faz parte do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, onde o Curso de Edificações – PROEJA, foi implantado no segundo semestre do ano mencionado. A pesquisa foi desenvolvida por meio de estudo documental institucional desde sua implantação até 2016. Esta proposta de pesquisa teve por objetivo traçar um breve caminho histórico da Educação de Jovens e Adultos no campus Salgueiro nos anos de 2011 a 2016, possibilitando a compreensão a respeito das relações de poder, ideológicas, políticas e econômicas que marcam e favorecem as iniciativas descontínuas assistencialistas, dualistas e de aligeiramento, presentes nessa modalidade de acordo com suas diretrizes; o campus Salgueiro está situado no Sertão Pernambucano, região conhecida como Rota de Desenvolvimento, importante eixo rodoviário do Estado, região localizada na Microrregião: Sertão Central Pernambucano, estratégica do ponto de vista logístico. Na pesquisa, foram utilizados levantamento documental e bibliográfico. A abordagem qualitativa tornou-se mais apropriada, pois o problema focado exige um caráter exploratório que visa elencar o tema abordado. Diante dos resultados obtidos, através do levantamento documental, confirma-se a necessidade de uma educação comprometida com o desenvolvimento do pensamento autônomo e crítico, em que todo o esforço pedagógico se concentre no exercício da liberdade desses(as) alunos(as) que esperam conquistar espaços onde enfim possam ser indivíduos ativos de seu processo de emancipação.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.