Artigo Anais IV CONEDU

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-8829

A GESTÃO ESCOLAR E AS RELAÇÕES GÊNERO NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS

Palavra-chaves: GÊNERO;, GESTÃO;, PAPÉIS SOCIAIS. Comunicação Oral (CO) GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação
"2017-12-20 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 35251
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 2884
    "inscrito_id" => 7466
    "titulo" => "A GESTÃO ESCOLAR E AS RELAÇÕES GÊNERO NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS"
    "resumo" => "Este artigo, através de diálogos com profissionais da área educacional em instituições públicas, ajuda-nos a compreender a dicotomia que existe entre os gêneros masculino e feminino, quando os mesmos assumem cargos de direção escolar. É interessante perceber como a opinião das pessoas em relação aos papéis socioculturais do gênero masculino e feminino ainda estão delimitados e coadunam com um modelo patriarcal de atuação. Sendo assim, os postos de chefia continuam a ser vistos como um lugar masculino por autoridade, dando-nos uma ideia de que estes são inerentes ao homem. A história da educação no Brasil parece coincidir com a história da discriminação de gênero. A sociedade brasileira no seu processo de formação foi profundamente marcada pelo modelo patriarcal e autoritário, além disso, teve a influência da Igreja Católica e essas influências refletem diretamente na constituição dos modelos educacionais no país, dos quais as mulheres foram excluídas. A mulher, em detrimento disso, é vista pela maioria como um ser frágil e com pouca ou nenhuma habilidade em conduzir situações que exijam racionalidade, autoridade, persuasão e mediação dialógica, como é o caso dos cargos de direção escolar. De algum modo, a ideia de que a mulher assuma postos de chefia, nesse caso, de diretora escolar, ainda é algo que precisa ser bastante discutido socialmente, de modo que as comparações sobre a gestão de cada um não tenham como parâmetro básico o gênero, mas sim o modo como eles atuam e como conduzem e desenvolvem os trabalhos, considerando o ser humano, sujeito ímpar, com potencialidades e limitações que lhes são específicas, não por serem homens ou mulheres, mas por suas subjetividades e contextualidades."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO;, GESTÃO;, PAPÉIS SOCIAIS."
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA7_ID7466_25092017230443.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "PEDRO PAULO SOUZA RIOS"
    "autor_nome_curto" => "PEDRO PAULO"
    "autor_email" => "peudesouza@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 35251
    "edicao_id" => 77
    "trabalho_id" => 2884
    "inscrito_id" => 7466
    "titulo" => "A GESTÃO ESCOLAR E AS RELAÇÕES GÊNERO NOS ESPAÇOS EDUCATIVOS"
    "resumo" => "Este artigo, através de diálogos com profissionais da área educacional em instituições públicas, ajuda-nos a compreender a dicotomia que existe entre os gêneros masculino e feminino, quando os mesmos assumem cargos de direção escolar. É interessante perceber como a opinião das pessoas em relação aos papéis socioculturais do gênero masculino e feminino ainda estão delimitados e coadunam com um modelo patriarcal de atuação. Sendo assim, os postos de chefia continuam a ser vistos como um lugar masculino por autoridade, dando-nos uma ideia de que estes são inerentes ao homem. A história da educação no Brasil parece coincidir com a história da discriminação de gênero. A sociedade brasileira no seu processo de formação foi profundamente marcada pelo modelo patriarcal e autoritário, além disso, teve a influência da Igreja Católica e essas influências refletem diretamente na constituição dos modelos educacionais no país, dos quais as mulheres foram excluídas. A mulher, em detrimento disso, é vista pela maioria como um ser frágil e com pouca ou nenhuma habilidade em conduzir situações que exijam racionalidade, autoridade, persuasão e mediação dialógica, como é o caso dos cargos de direção escolar. De algum modo, a ideia de que a mulher assuma postos de chefia, nesse caso, de diretora escolar, ainda é algo que precisa ser bastante discutido socialmente, de modo que as comparações sobre a gestão de cada um não tenham como parâmetro básico o gênero, mas sim o modo como eles atuam e como conduzem e desenvolvem os trabalhos, considerando o ser humano, sujeito ímpar, com potencialidades e limitações que lhes são específicas, não por serem homens ou mulheres, mas por suas subjetividades e contextualidades."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "GT 07 - Gênero, Sexualidade e Educação"
    "palavra_chave" => "GÊNERO;, GESTÃO;, PAPÉIS SOCIAIS."
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV073_MD1_SA7_ID7466_25092017230443.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:20"
    "updated_at" => "2020-06-10 11:28:00"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "PEDRO PAULO SOUZA RIOS"
    "autor_nome_curto" => "PEDRO PAULO"
    "autor_email" => "peudesouza@yahoo.com.br"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB)"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iv-conedu"
    "edicao_nome" => "Anais IV CONEDU"
    "edicao_evento" => "IV Congresso Nacional de Educação"
    "edicao_ano" => 2017
    "edicao_pasta" => "anais/conedu/2017"
    "edicao_logo" => "5e4a048a72ec9_17022020001210.jpg"
    "edicao_capa" => "5f18486b9c352_22072020110843.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2017-12-20 00:00:00"
    "publicacao_id" => 19
    "publicacao_nome" => "Anais CONEDU"
    "publicacao_codigo" => "2358-8829"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 20 de dezembro de 2017

Resumo

Este artigo, através de diálogos com profissionais da área educacional em instituições públicas, ajuda-nos a compreender a dicotomia que existe entre os gêneros masculino e feminino, quando os mesmos assumem cargos de direção escolar. É interessante perceber como a opinião das pessoas em relação aos papéis socioculturais do gênero masculino e feminino ainda estão delimitados e coadunam com um modelo patriarcal de atuação. Sendo assim, os postos de chefia continuam a ser vistos como um lugar masculino por autoridade, dando-nos uma ideia de que estes são inerentes ao homem. A história da educação no Brasil parece coincidir com a história da discriminação de gênero. A sociedade brasileira no seu processo de formação foi profundamente marcada pelo modelo patriarcal e autoritário, além disso, teve a influência da Igreja Católica e essas influências refletem diretamente na constituição dos modelos educacionais no país, dos quais as mulheres foram excluídas. A mulher, em detrimento disso, é vista pela maioria como um ser frágil e com pouca ou nenhuma habilidade em conduzir situações que exijam racionalidade, autoridade, persuasão e mediação dialógica, como é o caso dos cargos de direção escolar. De algum modo, a ideia de que a mulher assuma postos de chefia, nesse caso, de diretora escolar, ainda é algo que precisa ser bastante discutido socialmente, de modo que as comparações sobre a gestão de cada um não tenham como parâmetro básico o gênero, mas sim o modo como eles atuam e como conduzem e desenvolvem os trabalhos, considerando o ser humano, sujeito ímpar, com potencialidades e limitações que lhes são específicas, não por serem homens ou mulheres, mas por suas subjetividades e contextualidades.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.