Artigo Anais III CIEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2318-0854

FARMACOLOGIA DOS BENZODIAZEPÍNICOS EM PACIENTES IDOSOS

Palavra-chaves: BENZODIAZEPÍNICOS, INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS, IDOSOS Pôster (PO) Atenção integral à saúde: promoção, prevenção, tratamento e reabilitação do idoso
"2013-06-15 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 2487
    "edicao_id" => 10
    "trabalho_id" => 1957
    "inscrito_id" => 4739
    "titulo" => "FARMACOLOGIA DOS BENZODIAZEPÍNICOS EM PACIENTES IDOSOS"
    "resumo" => "Introdução: Os benzodiazepínicos são fármacos que atuam como depressores do sistema nervoso central (SNC), possuindo efeitos sedativo, hipnótico e relaxante muscular, devido a sua interação com os receptores do GABA (ácido gama-aminobutírico) que é o principal neurotransmissor inibitório do SNC. Como o envelhecimento está relacionado à perda da capacidade cognitiva, isso implica em lentidão de raciocínio e dificuldade de memória, sendo que esses medicamentos potencializam essas limitações psicossociais, tornando a população idosa a mais susceptível aos seus efeitos indesejáveis e sua toxicidade. Com isso, torna-se importante o estudo da farmacologia dos benzodiazepínicos para que ocorra redução do uso inadequado desses fármacos objetivando analisar a melhor forma de utilização, sem a ocorrência de interações medicamentosas e uma menor prevalência de efeitos indesejáveis no decorrer do tratamento. Objetivo: Realizar um levantamento sobre a farmacologia dos benzodiazepínicos, tendo como alvo da pesquisa os pacientes idosos, evidenciando como ocorre a sua utilização, bem como as interações medicamentosas e efeitos indesejáveis presentes nesses pacientes. Metodologia: Para este trabalho foi realizado um levantamento de dados científicos, baseado na análise de artigos, teses e dissertações de mestrado e doutorado, à cerca da utilização e das principais interações provocadas pelos benzodiazepínicos em pacientes idosos, publicados no período de 2001 a 2012. As bases de dados pesquisadas foram Scielo, Science Direct, Capes e Lillacs. Resultados: A análise dos dados encontrados na literatura revelou a prevalência de uma elevada utilização de benzodiazepínicos principalmente por mulheres idosas, a exemplo do bromazepam, seguido pelo diazepam, clonazepam e lorazepam. Considerando a função terapêutica desses fármacos, a utilização mais prevalente foi como ansiolíticos, seguindo-se do uso como anticonvulsivantes e hipnóticos/sedativos, nas pesquisas realizadas. Estudos indicam que idosos com depressão maior tendem a apresentar em maior percentual transtorno de ansiedade generalizada que pacientes idosos com a ausência da depressão, sendo que em ambos os casos fazem uso de benzodiazepínicos. Em relação à toxicidade, essa pode ser potencializada devido às alterações fisiológicas nos idosos, que interferem na farmacocinética e na farmacodinâmica dos benzodiazepínicos, tornando a população idosa mais vulnerável às interações medicamentosas e reações adversas. Entre as interações medicamentosas evidenciadas, destacam-se a fluvoxamina e a fluoxetina (ambos fármacos antidepressivos), que aumentam os níveis séricos e efeitos colaterais de alguns benzodiazepínicos, entre eles, o diazepam, onde essa interação ocorre por inibição do metabolismo desse fármaco que é substrato do citrocromo 2C19. Foi relatada a ocorrência de quedas em pacientes, causadas pela sedação gerada pelos fármacos que possuem ação sedativa longa, que promovem o bloqueio alfa-adrenérgico, aumentando a ocorrência de hipotensão postural, contribuindo para essas quedas.  Destaca-se que o uso crônico de álcool e fumo diminuem os níveis plasmáticos de benzodiazepínicos, em contrapartida o uso agudo do álcool aumenta os níveis plasmáticos desses fármacos utilizados por idosos. Conclusão: Os pacientes idosos que fazem uso desses medicamentos devem fazer o controle correto da utilização, evitando as interações medicamentosas possíveis, para que sejam minimizados os efeitos indesejáveis, e possam ter um tratamento adequado com efeito farmacológico esperado."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Atenção integral à saúde: promoção, prevenção, tratamento e reabilitação do idoso"
    "palavra_chave" => "BENZODIAZEPÍNICOS, INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS, IDOSOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Poster_idinscrito_4739_27e742ca0179e44f7285e633656caf9d.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:48"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:05"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FERNANDO DE SOUSA OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "FERNANDO OLIVEIRA"
    "autor_email" => "fernandoltf@bol.com.br"
    "autor_ies" => "UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais III CIEH"
    "edicao_evento" => "III Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2013"
    "edicao_logo" => "5e49e22597c9e_16022020214525.png"
    "edicao_capa" => "5f182b75a1cfe_22072020090509.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 2487
    "edicao_id" => 10
    "trabalho_id" => 1957
    "inscrito_id" => 4739
    "titulo" => "FARMACOLOGIA DOS BENZODIAZEPÍNICOS EM PACIENTES IDOSOS"
    "resumo" => "Introdução: Os benzodiazepínicos são fármacos que atuam como depressores do sistema nervoso central (SNC), possuindo efeitos sedativo, hipnótico e relaxante muscular, devido a sua interação com os receptores do GABA (ácido gama-aminobutírico) que é o principal neurotransmissor inibitório do SNC. Como o envelhecimento está relacionado à perda da capacidade cognitiva, isso implica em lentidão de raciocínio e dificuldade de memória, sendo que esses medicamentos potencializam essas limitações psicossociais, tornando a população idosa a mais susceptível aos seus efeitos indesejáveis e sua toxicidade. Com isso, torna-se importante o estudo da farmacologia dos benzodiazepínicos para que ocorra redução do uso inadequado desses fármacos objetivando analisar a melhor forma de utilização, sem a ocorrência de interações medicamentosas e uma menor prevalência de efeitos indesejáveis no decorrer do tratamento. Objetivo: Realizar um levantamento sobre a farmacologia dos benzodiazepínicos, tendo como alvo da pesquisa os pacientes idosos, evidenciando como ocorre a sua utilização, bem como as interações medicamentosas e efeitos indesejáveis presentes nesses pacientes. Metodologia: Para este trabalho foi realizado um levantamento de dados científicos, baseado na análise de artigos, teses e dissertações de mestrado e doutorado, à cerca da utilização e das principais interações provocadas pelos benzodiazepínicos em pacientes idosos, publicados no período de 2001 a 2012. As bases de dados pesquisadas foram Scielo, Science Direct, Capes e Lillacs. Resultados: A análise dos dados encontrados na literatura revelou a prevalência de uma elevada utilização de benzodiazepínicos principalmente por mulheres idosas, a exemplo do bromazepam, seguido pelo diazepam, clonazepam e lorazepam. Considerando a função terapêutica desses fármacos, a utilização mais prevalente foi como ansiolíticos, seguindo-se do uso como anticonvulsivantes e hipnóticos/sedativos, nas pesquisas realizadas. Estudos indicam que idosos com depressão maior tendem a apresentar em maior percentual transtorno de ansiedade generalizada que pacientes idosos com a ausência da depressão, sendo que em ambos os casos fazem uso de benzodiazepínicos. Em relação à toxicidade, essa pode ser potencializada devido às alterações fisiológicas nos idosos, que interferem na farmacocinética e na farmacodinâmica dos benzodiazepínicos, tornando a população idosa mais vulnerável às interações medicamentosas e reações adversas. Entre as interações medicamentosas evidenciadas, destacam-se a fluvoxamina e a fluoxetina (ambos fármacos antidepressivos), que aumentam os níveis séricos e efeitos colaterais de alguns benzodiazepínicos, entre eles, o diazepam, onde essa interação ocorre por inibição do metabolismo desse fármaco que é substrato do citrocromo 2C19. Foi relatada a ocorrência de quedas em pacientes, causadas pela sedação gerada pelos fármacos que possuem ação sedativa longa, que promovem o bloqueio alfa-adrenérgico, aumentando a ocorrência de hipotensão postural, contribuindo para essas quedas.  Destaca-se que o uso crônico de álcool e fumo diminuem os níveis plasmáticos de benzodiazepínicos, em contrapartida o uso agudo do álcool aumenta os níveis plasmáticos desses fármacos utilizados por idosos. Conclusão: Os pacientes idosos que fazem uso desses medicamentos devem fazer o controle correto da utilização, evitando as interações medicamentosas possíveis, para que sejam minimizados os efeitos indesejáveis, e possam ter um tratamento adequado com efeito farmacológico esperado."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Atenção integral à saúde: promoção, prevenção, tratamento e reabilitação do idoso"
    "palavra_chave" => "BENZODIAZEPÍNICOS, INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS, IDOSOS"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Poster_idinscrito_4739_27e742ca0179e44f7285e633656caf9d.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:48"
    "updated_at" => "2020-06-10 21:01:05"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "FERNANDO DE SOUSA OLIVEIRA"
    "autor_nome_curto" => "FERNANDO OLIVEIRA"
    "autor_email" => "fernandoltf@bol.com.br"
    "autor_ies" => "UFCG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-cieh"
    "edicao_nome" => "Anais III CIEH"
    "edicao_evento" => "III Congresso Internacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/cieh/2013"
    "edicao_logo" => "5e49e22597c9e_16022020214525.png"
    "edicao_capa" => "5f182b75a1cfe_22072020090509.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-06-15 00:00:00"
    "publicacao_id" => 10
    "publicacao_nome" => "Anais do Congresso Internacional de Envelhecimento Humano (CIEH)"
    "publicacao_codigo" => "2318-0854"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 15 de junho de 2013

Resumo

Introdução: Os benzodiazepínicos são fármacos que atuam como depressores do sistema nervoso central (SNC), possuindo efeitos sedativo, hipnótico e relaxante muscular, devido a sua interação com os receptores do GABA (ácido gama-aminobutírico) que é o principal neurotransmissor inibitório do SNC. Como o envelhecimento está relacionado à perda da capacidade cognitiva, isso implica em lentidão de raciocínio e dificuldade de memória, sendo que esses medicamentos potencializam essas limitações psicossociais, tornando a população idosa a mais susceptível aos seus efeitos indesejáveis e sua toxicidade. Com isso, torna-se importante o estudo da farmacologia dos benzodiazepínicos para que ocorra redução do uso inadequado desses fármacos objetivando analisar a melhor forma de utilização, sem a ocorrência de interações medicamentosas e uma menor prevalência de efeitos indesejáveis no decorrer do tratamento. Objetivo: Realizar um levantamento sobre a farmacologia dos benzodiazepínicos, tendo como alvo da pesquisa os pacientes idosos, evidenciando como ocorre a sua utilização, bem como as interações medicamentosas e efeitos indesejáveis presentes nesses pacientes. Metodologia: Para este trabalho foi realizado um levantamento de dados científicos, baseado na análise de artigos, teses e dissertações de mestrado e doutorado, à cerca da utilização e das principais interações provocadas pelos benzodiazepínicos em pacientes idosos, publicados no período de 2001 a 2012. As bases de dados pesquisadas foram Scielo, Science Direct, Capes e Lillacs. Resultados: A análise dos dados encontrados na literatura revelou a prevalência de uma elevada utilização de benzodiazepínicos principalmente por mulheres idosas, a exemplo do bromazepam, seguido pelo diazepam, clonazepam e lorazepam. Considerando a função terapêutica desses fármacos, a utilização mais prevalente foi como ansiolíticos, seguindo-se do uso como anticonvulsivantes e hipnóticos/sedativos, nas pesquisas realizadas. Estudos indicam que idosos com depressão maior tendem a apresentar em maior percentual transtorno de ansiedade generalizada que pacientes idosos com a ausência da depressão, sendo que em ambos os casos fazem uso de benzodiazepínicos. Em relação à toxicidade, essa pode ser potencializada devido às alterações fisiológicas nos idosos, que interferem na farmacocinética e na farmacodinâmica dos benzodiazepínicos, tornando a população idosa mais vulnerável às interações medicamentosas e reações adversas. Entre as interações medicamentosas evidenciadas, destacam-se a fluvoxamina e a fluoxetina (ambos fármacos antidepressivos), que aumentam os níveis séricos e efeitos colaterais de alguns benzodiazepínicos, entre eles, o diazepam, onde essa interação ocorre por inibição do metabolismo desse fármaco que é substrato do citrocromo 2C19. Foi relatada a ocorrência de quedas em pacientes, causadas pela sedação gerada pelos fármacos que possuem ação sedativa longa, que promovem o bloqueio alfa-adrenérgico, aumentando a ocorrência de hipotensão postural, contribuindo para essas quedas. Destaca-se que o uso crônico de álcool e fumo diminuem os níveis plasmáticos de benzodiazepínicos, em contrapartida o uso agudo do álcool aumenta os níveis plasmáticos desses fármacos utilizados por idosos. Conclusão: Os pacientes idosos que fazem uso desses medicamentos devem fazer o controle correto da utilização, evitando as interações medicamentosas possíveis, para que sejam minimizados os efeitos indesejáveis, e possam ter um tratamento adequado com efeito farmacológico esperado.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.