Artigo Anais CONACIS

ANAIS de Evento

ISSN: 2358-0186

TRATAMENTO DE UM HEMANGIOMA COM UTILIZAÇÃO DE UM AGENTE ESCLEROSANTE

Palavra-chaves: HEMANGIOMA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO Pôster (PO) Odontologia
"2014-04-09 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 5114
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 779
    "inscrito_id" => 339
    "titulo" => "TRATAMENTO DE UM HEMANGIOMA COM UTILIZAÇÃO DE UM AGENTE ESCLEROSANTE"
    "resumo" => "O hemangioma é um tumor benigno, de origem vascular, constituído de um espaço contendo sangue revestido por uma capa de endotélio. Aparece geralmente na infância, podendo perdurar por toda a vida, ou ainda em casos raros, regridem ainda nessa época da vida. Entretanto, alguns casos se desenvolvem em adultos. No presente trabalho faremos uma revisão da literatura a respeito do hemangioma, bem como descreveremos um caso clínico de um paciente do sexo masculino que compareceu à clínica de Estomatologia, portador dessa patologia, localizada na língua, cujo tratamento de escolha foi a injeção de agentes esclerosantes. O hemangioma é um tumor benigno comum, caracterizado pela proliferação de vasos sanguíneos. É classificado como hamartoma e usualmente aparece como anomalia congênita. Também pode decorrer de traumas, com tendência a ser assintomático. Por ser uma anomalia de desenvolvimento, é mais comum no nascimento e na infância. No entanto, pode ocorrer em qualquer idade. A involução espontânea das lesões congênitas de pequenas dimensões geralmente se dá até a idade de 12 anos. Quando isto não acontece, alguns tratamentos podem ser indicados caso a lesão esteja prejudicando o paciente de alguma forma, seja por razões estéticas, seja por comprometimento funcional. Essa lesão exibe maior prevalência na região de cabeça e pescoço e predileção pelo sexo feminino, apresentando-se sob várias formas, entre as quais se destacam o hemangioma capilar (tipo mais comum) e o cavernoso, não havendo diferenças clínicas significativas entre essas formas. A maioria dos hemangiomas constatados ocorre em tecidos moles, como a mucosa, pele e músculos. São provavelmente algumas das lesões mais perigosas com que se defronta o cirurgião dentista, pois a ruptura acidental ou cirúrgica da lesão pode acarretar hemorragias. O hemangioma constitui problema ao paciente, pois na sua maioria prejudica a estética e em alguns casos a função do órgão também é comprometida. O tratamento pode ser cirúrgico ou pode ser feito com a injeção de agentes esclerosantes. O tratamento esclerosante consiste em injetar agentes esclerosantes como o etanol a 95%, aplicado diretamente na lesão, com a intenção de induzir fibrose. O tratamento cirúrgico geralmente deixa cicatrizes, além de que existe o risco de provocar hemorragia. Nas lesões maiores, a ressecção cirúrgica pode ser feita com diminuição no risco de sangramento, caso esse tratamento seja combinado com o tratamento esclerosante. Cabe ao profissional decidir qual a melhor conduta a ser seguida, respeitando o paciente como um todo e tendo em mente sempre as melhores indicações para cada caso. O caso apresentado apresenta várias características clássicas desta má-formação, como a localização e o aspecto clínico e a excelente resposta à terapêutica esclerosante. Com relação ao sexo do paciente, porém, o caso difere da literatura, que apresenta maior prevalência no sexo feminino. As terapias para as lesões vasculares são múltiplas e requerem ainda muitas discussões e estudos. Não há um tratamento universalmente aceito, mas sim aquele indicado para cada caso, respeitando a integridade e as características individuais de cada paciente. O paciente ao final do tratamento apresentou o regresso da lesão e fibrose na região."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Odontologia"
    "palavra_chave" => "HEMANGIOMA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_24_03_2014_21_28_28_idinscrito_339_725a80e0a2b4a8bcd968a9ab1ba5ff2a.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:38"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANTONIA BÁRBARA LEITE LIMA"
    "autor_nome_curto" => "BÁRBARA LEITE"
    "autor_email" => "barbaraleitelima@gmail.co"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 5114
    "edicao_id" => 17
    "trabalho_id" => 779
    "inscrito_id" => 339
    "titulo" => "TRATAMENTO DE UM HEMANGIOMA COM UTILIZAÇÃO DE UM AGENTE ESCLEROSANTE"
    "resumo" => "O hemangioma é um tumor benigno, de origem vascular, constituído de um espaço contendo sangue revestido por uma capa de endotélio. Aparece geralmente na infância, podendo perdurar por toda a vida, ou ainda em casos raros, regridem ainda nessa época da vida. Entretanto, alguns casos se desenvolvem em adultos. No presente trabalho faremos uma revisão da literatura a respeito do hemangioma, bem como descreveremos um caso clínico de um paciente do sexo masculino que compareceu à clínica de Estomatologia, portador dessa patologia, localizada na língua, cujo tratamento de escolha foi a injeção de agentes esclerosantes. O hemangioma é um tumor benigno comum, caracterizado pela proliferação de vasos sanguíneos. É classificado como hamartoma e usualmente aparece como anomalia congênita. Também pode decorrer de traumas, com tendência a ser assintomático. Por ser uma anomalia de desenvolvimento, é mais comum no nascimento e na infância. No entanto, pode ocorrer em qualquer idade. A involução espontânea das lesões congênitas de pequenas dimensões geralmente se dá até a idade de 12 anos. Quando isto não acontece, alguns tratamentos podem ser indicados caso a lesão esteja prejudicando o paciente de alguma forma, seja por razões estéticas, seja por comprometimento funcional. Essa lesão exibe maior prevalência na região de cabeça e pescoço e predileção pelo sexo feminino, apresentando-se sob várias formas, entre as quais se destacam o hemangioma capilar (tipo mais comum) e o cavernoso, não havendo diferenças clínicas significativas entre essas formas. A maioria dos hemangiomas constatados ocorre em tecidos moles, como a mucosa, pele e músculos. São provavelmente algumas das lesões mais perigosas com que se defronta o cirurgião dentista, pois a ruptura acidental ou cirúrgica da lesão pode acarretar hemorragias. O hemangioma constitui problema ao paciente, pois na sua maioria prejudica a estética e em alguns casos a função do órgão também é comprometida. O tratamento pode ser cirúrgico ou pode ser feito com a injeção de agentes esclerosantes. O tratamento esclerosante consiste em injetar agentes esclerosantes como o etanol a 95%, aplicado diretamente na lesão, com a intenção de induzir fibrose. O tratamento cirúrgico geralmente deixa cicatrizes, além de que existe o risco de provocar hemorragia. Nas lesões maiores, a ressecção cirúrgica pode ser feita com diminuição no risco de sangramento, caso esse tratamento seja combinado com o tratamento esclerosante. Cabe ao profissional decidir qual a melhor conduta a ser seguida, respeitando o paciente como um todo e tendo em mente sempre as melhores indicações para cada caso. O caso apresentado apresenta várias características clássicas desta má-formação, como a localização e o aspecto clínico e a excelente resposta à terapêutica esclerosante. Com relação ao sexo do paciente, porém, o caso difere da literatura, que apresenta maior prevalência no sexo feminino. As terapias para as lesões vasculares são múltiplas e requerem ainda muitas discussões e estudos. Não há um tratamento universalmente aceito, mas sim aquele indicado para cada caso, respeitando a integridade e as características individuais de cada paciente. O paciente ao final do tratamento apresentou o regresso da lesão e fibrose na região."
    "modalidade" => "Pôster (PO)"
    "area_tematica" => "Odontologia"
    "palavra_chave" => "HEMANGIOMA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "Modalidade_4datahora_24_03_2014_21_28_28_idinscrito_339_725a80e0a2b4a8bcd968a9ab1ba5ff2a.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:51"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:08:38"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "ANTONIA BÁRBARA LEITE LIMA"
    "autor_nome_curto" => "BÁRBARA LEITE"
    "autor_email" => "barbaraleitelima@gmail.co"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-conacis"
    "edicao_nome" => "Anais CONACIS"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional Ciências da Saúde"
    "edicao_ano" => 2014
    "edicao_pasta" => "anais/conacis/2014"
    "edicao_logo" => "5e48b0ffd111d_16022020000327.png"
    "edicao_capa" => "5f183ea35f5aa_22072020102659.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2014-04-09 00:00:00"
    "publicacao_id" => 15
    "publicacao_nome" => "Revista CONACIS"
    "publicacao_codigo" => "2358-0186"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 09 de abril de 2014

Resumo

O hemangioma é um tumor benigno, de origem vascular, constituído de um espaço contendo sangue revestido por uma capa de endotélio. Aparece geralmente na infância, podendo perdurar por toda a vida, ou ainda em casos raros, regridem ainda nessa época da vida. Entretanto, alguns casos se desenvolvem em adultos. No presente trabalho faremos uma revisão da literatura a respeito do hemangioma, bem como descreveremos um caso clínico de um paciente do sexo masculino que compareceu à clínica de Estomatologia, portador dessa patologia, localizada na língua, cujo tratamento de escolha foi a injeção de agentes esclerosantes. O hemangioma é um tumor benigno comum, caracterizado pela proliferação de vasos sanguíneos. É classificado como hamartoma e usualmente aparece como anomalia congênita. Também pode decorrer de traumas, com tendência a ser assintomático. Por ser uma anomalia de desenvolvimento, é mais comum no nascimento e na infância. No entanto, pode ocorrer em qualquer idade. A involução espontânea das lesões congênitas de pequenas dimensões geralmente se dá até a idade de 12 anos. Quando isto não acontece, alguns tratamentos podem ser indicados caso a lesão esteja prejudicando o paciente de alguma forma, seja por razões estéticas, seja por comprometimento funcional. Essa lesão exibe maior prevalência na região de cabeça e pescoço e predileção pelo sexo feminino, apresentando-se sob várias formas, entre as quais se destacam o hemangioma capilar (tipo mais comum) e o cavernoso, não havendo diferenças clínicas significativas entre essas formas. A maioria dos hemangiomas constatados ocorre em tecidos moles, como a mucosa, pele e músculos. São provavelmente algumas das lesões mais perigosas com que se defronta o cirurgião dentista, pois a ruptura acidental ou cirúrgica da lesão pode acarretar hemorragias. O hemangioma constitui problema ao paciente, pois na sua maioria prejudica a estética e em alguns casos a função do órgão também é comprometida. O tratamento pode ser cirúrgico ou pode ser feito com a injeção de agentes esclerosantes. O tratamento esclerosante consiste em injetar agentes esclerosantes como o etanol a 95%, aplicado diretamente na lesão, com a intenção de induzir fibrose. O tratamento cirúrgico geralmente deixa cicatrizes, além de que existe o risco de provocar hemorragia. Nas lesões maiores, a ressecção cirúrgica pode ser feita com diminuição no risco de sangramento, caso esse tratamento seja combinado com o tratamento esclerosante. Cabe ao profissional decidir qual a melhor conduta a ser seguida, respeitando o paciente como um todo e tendo em mente sempre as melhores indicações para cada caso. O caso apresentado apresenta várias características clássicas desta má-formação, como a localização e o aspecto clínico e a excelente resposta à terapêutica esclerosante. Com relação ao sexo do paciente, porém, o caso difere da literatura, que apresenta maior prevalência no sexo feminino. As terapias para as lesões vasculares são múltiplas e requerem ainda muitas discussões e estudos. Não há um tratamento universalmente aceito, mas sim aquele indicado para cada caso, respeitando a integridade e as características individuais de cada paciente. O paciente ao final do tratamento apresentou o regresso da lesão e fibrose na região.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.