Artigo Anais ABRALIC Internacional

ANAIS de Evento

ISSN: 2317-157X

A ESCOLHA VOCABULAR EM DIÁRIO DE BITITA E INSUBMISSAS LÁGRIMAS DE MULHERES: RUSGAS ENTRE O NARRADOR GRAMATICAL E O SUJEITO SOCIAL

"2013-07-12 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 4579
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 522
    "inscrito_id" => 827
    "titulo" => "A  ESCOLHA  VOCABULAR  EM  DIÁRIO  DE  BITITA  E  INSUBMISSAS\tLÁGRIMAS DE MULHERES: RUSGAS ENTRE O NARRADOR GRAMATICAL  E O SUJEITO SOCIAL"
    "resumo" => "Pretende-se investigar neste estudo  a composição dos sujeitos narradores do romance autobiográfico Diário de Bitita, da escritora afro-brasileira Carolina Maria de Jesus, e de  alguns dos contos que formam a coletânea Insubmissas lágrimas de mulheres, da poeta e ficcionista negro-brasileira Conceição Evaristo, a partir dos respectivos territórios ou espaços periféricos  em que as suas obras  se inserem, sejam eles o  geográfico, o político ou o social , através da apreciação da escolha vocabular das respectivas protagonistas. A análise comparatista será feita através da perspectiva pós-colonial da falta de enunciação da subalternidade (SPIVAK, 1998); da relação entre discurso feminino e identidade social (FERREIRA, 2009) e da representação social da periferia (HALL, 2009). Assim, este estudo visa eminentemente a apontar a  desconstrução feita pelas duas autoras  do modelo metafísico da cultura ocidental, em que a mulher (com mais intensidade a mulher negra, semialfabetizada e indigente) não sabe traduzir em palavras o significado do seu cotidiano, sua mobilidade social e as suas relações sociais. Numa forma toda original de “ler o mundo” , tais personagens expressam em seus diálogos e monólogos traços valorativos e comportamentais que contradizem a etnografia monocentrista, demonstrando que nem sempre a marca linguística do narrador gramatical reflete ou  refrata o sujeito social."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_827_699b3d6048185895fff3154b00f43730.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SUELI MEIRA LIEBIG"
    "autor_nome_curto" => "SUELI LIEBIG"
    "autor_email" => "suelibig@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFMG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 4579
    "edicao_id" => 14
    "trabalho_id" => 522
    "inscrito_id" => 827
    "titulo" => "A  ESCOLHA  VOCABULAR  EM  DIÁRIO  DE  BITITA  E  INSUBMISSAS\tLÁGRIMAS DE MULHERES: RUSGAS ENTRE O NARRADOR GRAMATICAL  E O SUJEITO SOCIAL"
    "resumo" => "Pretende-se investigar neste estudo  a composição dos sujeitos narradores do romance autobiográfico Diário de Bitita, da escritora afro-brasileira Carolina Maria de Jesus, e de  alguns dos contos que formam a coletânea Insubmissas lágrimas de mulheres, da poeta e ficcionista negro-brasileira Conceição Evaristo, a partir dos respectivos territórios ou espaços periféricos  em que as suas obras  se inserem, sejam eles o  geográfico, o político ou o social , através da apreciação da escolha vocabular das respectivas protagonistas. A análise comparatista será feita através da perspectiva pós-colonial da falta de enunciação da subalternidade (SPIVAK, 1998); da relação entre discurso feminino e identidade social (FERREIRA, 2009) e da representação social da periferia (HALL, 2009). Assim, este estudo visa eminentemente a apontar a  desconstrução feita pelas duas autoras  do modelo metafísico da cultura ocidental, em que a mulher (com mais intensidade a mulher negra, semialfabetizada e indigente) não sabe traduzir em palavras o significado do seu cotidiano, sua mobilidade social e as suas relações sociais. Numa forma toda original de “ler o mundo” , tais personagens expressam em seus diálogos e monólogos traços valorativos e comportamentais que contradizem a etnografia monocentrista, demonstrando que nem sempre a marca linguística do narrador gramatical reflete ou  refrata o sujeito social."
    "modalidade" => null
    "area_tematica" => null
    "palavra_chave" => null
    "idioma" => null
    "arquivo" => "Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_827_699b3d6048185895fff3154b00f43730.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:52:50"
    "updated_at" => "2020-06-10 13:11:26"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "SUELI MEIRA LIEBIG"
    "autor_nome_curto" => "SUELI LIEBIG"
    "autor_email" => "suelibig@hotmail.com"
    "autor_ies" => "UFMG"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-abralic-internacional"
    "edicao_nome" => "Anais ABRALIC Internacional"
    "edicao_evento" => "XIII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada"
    "edicao_ano" => 2013
    "edicao_pasta" => "anais/abralic/2013"
    "edicao_logo" => "5e48acf34819c_15022020234611.png"
    "edicao_capa" => "5f17347012303_21072020153112.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2013-07-12 00:00:00"
    "publicacao_id" => 12
    "publicacao_nome" => "Revista ABRALIC INTERNACIONAL"
    "publicacao_codigo" => "2317-157X"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 12 de julho de 2013

Resumo

Pretende-se investigar neste estudo a composição dos sujeitos narradores do romance autobiográfico Diário de Bitita, da escritora afro-brasileira Carolina Maria de Jesus, e de alguns dos contos que formam a coletânea Insubmissas lágrimas de mulheres, da poeta e ficcionista negro-brasileira Conceição Evaristo, a partir dos respectivos territórios ou espaços periféricos em que as suas obras se inserem, sejam eles o geográfico, o político ou o social , através da apreciação da escolha vocabular das respectivas protagonistas. A análise comparatista será feita através da perspectiva pós-colonial da falta de enunciação da subalternidade (SPIVAK, 1998); da relação entre discurso feminino e identidade social (FERREIRA, 2009) e da representação social da periferia (HALL, 2009). Assim, este estudo visa eminentemente a apontar a desconstrução feita pelas duas autoras do modelo metafísico da cultura ocidental, em que a mulher (com mais intensidade a mulher negra, semialfabetizada e indigente) não sabe traduzir em palavras o significado do seu cotidiano, sua mobilidade social e as suas relações sociais. Numa forma toda original de “ler o mundo” , tais personagens expressam em seus diálogos e monólogos traços valorativos e comportamentais que contradizem a etnografia monocentrista, demonstrando que nem sempre a marca linguística do narrador gramatical reflete ou refrata o sujeito social.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.