Artigo Anais XIII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

Visualizações: 303
BORANDÁ: PELOS CAMINHOS DA JORNADA DRAMATÚRGICA

Palavra-chaves: DRAMATURGIA, BORANDÁ, MIGRAÇÃO Comunicação Oral (CO) GT 12 – Sujeitos nas/das artes: teatro, cinema, música Publicado em 13 de julho de 2018

Resumo

A dramaturgia, desde a antiguidade grega, é alvo de mudanças e estudos/problematizações acerca das suas implicações na sociedade e na arte. Aristóteles (IV a. C), Peter Szondi (1880-1950), Sarrazac (2002) e muitos outros pesquisadores discutiram as constantes reformulações na arte dramatúrgica. Borandá: Auto do migrante (2003), de Luís Alberto de Abreu, é uma das peças que exemplifica e conduz à reflexão sobre este ininterrupto e cíclico movimento da dramaturgia ao longo dos tempos/espaços. Borandá apresenta o homem e a mulher modernos como personagens. E o faz de maneira a unir elementos dramáticos e narrativos. São cinco personagens que assumem, também, o papel de narradores, ou seriam cinco narradores que assumem o papel de personagens? Em Borandá tudo é movimento constante, é troca, semelhante ao ir-vir das suas personagens e aos estudos/reformulações do/no teatro mundial. Nesse ínterim, objetivamos observar como as configurações das personagens e da cena contribuem para a reflexão acerca das mutações do drama moderno/contemporâneo. Através de pesquisa bibliográfica, discutiremos como a obra em foco reflete a incessante reestruturação no conteúdo e na forma do drama. Borandá através de três histórias particulares, preservando a singularidade de cada personagem, nos apresenta uma experiência coletiva: a migração. E, assim, leva o público a refletir sobre um processo que envolve uma coletividade, que afeta a muitos que vão-vem-ficam. Nesse sentido, como teatro de cunho narrativo que é, Borandá mostra (encena) e conta (narra) histórias.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.