Artigo Anais I CNEH

ANAIS de Evento

ISSN: 2526-1908

ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS: POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO

Palavra-chaves: CINEMA, ENVELHECIMENTO, ERÓTICA Tema Livre (TL) / Oral Papers Submission AT 8: SEXUALIDADE E A PESSOA IDOSA
"2016-11-22 23:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 24315
    "edicao_id" => 51
    "trabalho_id" => 553
    "inscrito_id" => 1033
    "titulo" => "ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS:  POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO"
    "resumo" => "Envelhecer, assim como o nascimento, nos confronta com o desconhecido, com o inominável, com a morte. Aprendemos, desde cedo, a ignorá-la e, para tanto, somos introduzidos numa rede discursiva, alimentada por ideais mercadológicos, que comercializa a ilusão de uma juventude eterna, de um corpo imune ao tempo, de uma beleza que se aprisiona, de uma felicidade calcada na aparência. Nessa esteira de engodos, deixamo-nos levar pelas promessas de uma vida sem dor, sem sofrimento, como se a existência, desprovida do viço físico, não mais reclamasse o sentido. E assim, enredados em equívocos, com a visão embotada pelo medo, enxergamos o processo de senescência como infortúnio e estagnação. Suas marcas nos inquietam e nos atormentam, pois não conseguimos mobilizar o significante capaz de nomeá-las e, opor conseguinte, o real se inscreve na pele, subjugando o simbólico. O que seria da ordem da linguagem, converte-se, então, em angústias primitivas de perseguição. A imagem soturna de um ser encapuzado, segurando uma foice, representa bem o temor que nutrimos e projetamos ante a certeza da finitude. Nossa pesquisa, numa interface entre a psicanálise e o cinema, busca examinar, no texto fílmico O Amor nos tempos do cólera”, adaptação do romance homônimo do escritor colombiano Gabriel Garcia Marques, as vicissitudes do amor em relação ao tempo, à velhice. Como arcabouço teórico, recorreremos aos estudos (pós) freudianos, em especial os desenvolvidos pelo psicanalista Jacques Alan Miller."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL) / Oral Papers Submission"
    "area_tematica" => "AT 8: SEXUALIDADE E A PESSOA IDOSA"
    "palavra_chave" => "CINEMA, ENVELHECIMENTO, ERÓTICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV054_MD2_SA9_ID1033_10102016232326.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:10"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:04:55"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HERMANO DE FRANÇA RODRIGUES"
    "autor_nome_curto" => "HERMANO"
    "autor_email" => "hermanorg@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-cneh"
    "edicao_nome" => "Anais I CNEH"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/cneh/2016"
    "edicao_logo" => "5e49f6afa2a77_16022020231303.png"
    "edicao_capa" => "5f183e7033782_22072020102608.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-22 23:00:00"
    "publicacao_id" => 34
    "publicacao_nome" => "Anais CNEH"
    "publicacao_codigo" => "2526-1908"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 24315
    "edicao_id" => 51
    "trabalho_id" => 553
    "inscrito_id" => 1033
    "titulo" => "ALÉM DO CORPO E DAS PALAVRAS:  POR UMA ERÓTICA DO ENVELHECIMENTO"
    "resumo" => "Envelhecer, assim como o nascimento, nos confronta com o desconhecido, com o inominável, com a morte. Aprendemos, desde cedo, a ignorá-la e, para tanto, somos introduzidos numa rede discursiva, alimentada por ideais mercadológicos, que comercializa a ilusão de uma juventude eterna, de um corpo imune ao tempo, de uma beleza que se aprisiona, de uma felicidade calcada na aparência. Nessa esteira de engodos, deixamo-nos levar pelas promessas de uma vida sem dor, sem sofrimento, como se a existência, desprovida do viço físico, não mais reclamasse o sentido. E assim, enredados em equívocos, com a visão embotada pelo medo, enxergamos o processo de senescência como infortúnio e estagnação. Suas marcas nos inquietam e nos atormentam, pois não conseguimos mobilizar o significante capaz de nomeá-las e, opor conseguinte, o real se inscreve na pele, subjugando o simbólico. O que seria da ordem da linguagem, converte-se, então, em angústias primitivas de perseguição. A imagem soturna de um ser encapuzado, segurando uma foice, representa bem o temor que nutrimos e projetamos ante a certeza da finitude. Nossa pesquisa, numa interface entre a psicanálise e o cinema, busca examinar, no texto fílmico O Amor nos tempos do cólera”, adaptação do romance homônimo do escritor colombiano Gabriel Garcia Marques, as vicissitudes do amor em relação ao tempo, à velhice. Como arcabouço teórico, recorreremos aos estudos (pós) freudianos, em especial os desenvolvidos pelo psicanalista Jacques Alan Miller."
    "modalidade" => "Tema Livre (TL) / Oral Papers Submission"
    "area_tematica" => "AT 8: SEXUALIDADE E A PESSOA IDOSA"
    "palavra_chave" => "CINEMA, ENVELHECIMENTO, ERÓTICA"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV054_MD2_SA9_ID1033_10102016232326.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:10"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:04:55"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "HERMANO DE FRANÇA RODRIGUES"
    "autor_nome_curto" => "HERMANO"
    "autor_email" => "hermanorg@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-i-cneh"
    "edicao_nome" => "Anais I CNEH"
    "edicao_evento" => "Congresso Nacional de Envelhecimento Humano"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/cneh/2016"
    "edicao_logo" => "5e49f6afa2a77_16022020231303.png"
    "edicao_capa" => "5f183e7033782_22072020102608.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-11-22 23:00:00"
    "publicacao_id" => 34
    "publicacao_nome" => "Anais CNEH"
    "publicacao_codigo" => "2526-1908"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 22 de novembro de 2016

Resumo

Envelhecer, assim como o nascimento, nos confronta com o desconhecido, com o inominável, com a morte. Aprendemos, desde cedo, a ignorá-la e, para tanto, somos introduzidos numa rede discursiva, alimentada por ideais mercadológicos, que comercializa a ilusão de uma juventude eterna, de um corpo imune ao tempo, de uma beleza que se aprisiona, de uma felicidade calcada na aparência. Nessa esteira de engodos, deixamo-nos levar pelas promessas de uma vida sem dor, sem sofrimento, como se a existência, desprovida do viço físico, não mais reclamasse o sentido. E assim, enredados em equívocos, com a visão embotada pelo medo, enxergamos o processo de senescência como infortúnio e estagnação. Suas marcas nos inquietam e nos atormentam, pois não conseguimos mobilizar o significante capaz de nomeá-las e, opor conseguinte, o real se inscreve na pele, subjugando o simbólico. O que seria da ordem da linguagem, converte-se, então, em angústias primitivas de perseguição. A imagem soturna de um ser encapuzado, segurando uma foice, representa bem o temor que nutrimos e projetamos ante a certeza da finitude. Nossa pesquisa, numa interface entre a psicanálise e o cinema, busca examinar, no texto fílmico O Amor nos tempos do cólera”, adaptação do romance homônimo do escritor colombiano Gabriel Garcia Marques, as vicissitudes do amor em relação ao tempo, à velhice. Como arcabouço teórico, recorreremos aos estudos (pós) freudianos, em especial os desenvolvidos pelo psicanalista Jacques Alan Miller.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.