Artigo Anais XII CONAGES

ANAIS de Evento

ISSN: 2177-4781

A LINGUAGEM INCLUSIVA E A DIVERSIDADE DE GÊNERO

Palavra-chaves: LINGUAGEM INCLUSIVA, GÊNERO, DIVERSIDADE Comunicação Oral (CO) Direitos Humanos, Feminismo e Políticas Públicas de Gênero
"2016-06-08 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 18331
    "edicao_id" => 42
    "trabalho_id" => 406
    "inscrito_id" => 1421
    "titulo" => "A LINGUAGEM INCLUSIVA E A DIVERSIDADE DE GÊNERO"
    "resumo" => "A reflexão a que este artigo se propõe destina-se a investigar o potencial de representatividade da expressão linguagem inclusiva. Parte-se da pressuposição de que existe uma variedade bastante significativa de seres que não podem (ou não querem) enquadrar-se nas duas categorias de gênero historicamente instituídas. A disposição para investigar o assunto deve-se ao acompanhamento das discussões encetadas em blogs assinados por LGBTs e nas grandes redes sociais sobre novas formas de designação de gênero e também, de forma mais ampla e sutil, na convivência diária com pessoas que se designam de maneira alheia às formas convencionais de masculino e feminino. Trata-se de investigar a validade da expressão linguagem inclusiva sob a ótica daqueles que procuram, no âmbito da linguagem e da expressividade do discurso, novas denominações capazes de melhor representar suas subjetividades. A resposta a esse anseio é a formação de palavras, tais como transgêneros, transexuais, sexualidade não-binária, pangênero, dentre outras. O tema é desenvolvido a partir da tentativa de investigar a semântica da expressão linguagem inclusiva, aqui considerada como uma das respostas à luta empreendida pelo movimento feminista. Segue-se breve discussão sobre a noção de gênero e sua relação com a linguagem, que conduzirá ao próximo tópico de discussão a respeito da semântica ideológica que sustenta a expressão linguagem inclusiva. Finalmente, tecem-se as considerações a que se chegou após as reflexões aqui propostas."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "Direitos Humanos, Feminismo e Políticas Públicas de Gênero"
    "palavra_chave" => "LINGUAGEM INCLUSIVA, GÊNERO, DIVERSIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV053_MD1_SA8_ID1421_24052016230146.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:04"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:14"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LÍLIAN APARECIDA MUDADO SUASSUNA MARTINS"
    "autor_nome_curto" => "LÍLIAN SUASSUNA"
    "autor_email" => "liliansuassuna@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2016"
    "edicao_logo" => "5e4d91ff53faf_19022020165231.png"
    "edicao_capa" => "5f1840b2f13c7_22072020103546.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-08 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 18331
    "edicao_id" => 42
    "trabalho_id" => 406
    "inscrito_id" => 1421
    "titulo" => "A LINGUAGEM INCLUSIVA E A DIVERSIDADE DE GÊNERO"
    "resumo" => "A reflexão a que este artigo se propõe destina-se a investigar o potencial de representatividade da expressão linguagem inclusiva. Parte-se da pressuposição de que existe uma variedade bastante significativa de seres que não podem (ou não querem) enquadrar-se nas duas categorias de gênero historicamente instituídas. A disposição para investigar o assunto deve-se ao acompanhamento das discussões encetadas em blogs assinados por LGBTs e nas grandes redes sociais sobre novas formas de designação de gênero e também, de forma mais ampla e sutil, na convivência diária com pessoas que se designam de maneira alheia às formas convencionais de masculino e feminino. Trata-se de investigar a validade da expressão linguagem inclusiva sob a ótica daqueles que procuram, no âmbito da linguagem e da expressividade do discurso, novas denominações capazes de melhor representar suas subjetividades. A resposta a esse anseio é a formação de palavras, tais como transgêneros, transexuais, sexualidade não-binária, pangênero, dentre outras. O tema é desenvolvido a partir da tentativa de investigar a semântica da expressão linguagem inclusiva, aqui considerada como uma das respostas à luta empreendida pelo movimento feminista. Segue-se breve discussão sobre a noção de gênero e sua relação com a linguagem, que conduzirá ao próximo tópico de discussão a respeito da semântica ideológica que sustenta a expressão linguagem inclusiva. Finalmente, tecem-se as considerações a que se chegou após as reflexões aqui propostas."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "Direitos Humanos, Feminismo e Políticas Públicas de Gênero"
    "palavra_chave" => "LINGUAGEM INCLUSIVA, GÊNERO, DIVERSIDADE"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV053_MD1_SA8_ID1421_24052016230146.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:04"
    "updated_at" => "2020-06-09 19:15:14"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "LÍLIAN APARECIDA MUDADO SUASSUNA MARTINS"
    "autor_nome_curto" => "LÍLIAN SUASSUNA"
    "autor_email" => "liliansuassuna@gmail.com"
    "autor_ies" => "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ"
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-xii-conages"
    "edicao_nome" => "Anais XII CONAGES"
    "edicao_evento" => "XII Colóquio Nacional Representações de Gênero e de Sexualidades"
    "edicao_ano" => 2016
    "edicao_pasta" => "anais/conages/2016"
    "edicao_logo" => "5e4d91ff53faf_19022020165231.png"
    "edicao_capa" => "5f1840b2f13c7_22072020103546.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2016-06-08 00:00:00"
    "publicacao_id" => 16
    "publicacao_nome" => "Revista CONAGES"
    "publicacao_codigo" => "2177-4781"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 08 de junho de 2016

Resumo

A reflexão a que este artigo se propõe destina-se a investigar o potencial de representatividade da expressão linguagem inclusiva. Parte-se da pressuposição de que existe uma variedade bastante significativa de seres que não podem (ou não querem) enquadrar-se nas duas categorias de gênero historicamente instituídas. A disposição para investigar o assunto deve-se ao acompanhamento das discussões encetadas em blogs assinados por LGBTs e nas grandes redes sociais sobre novas formas de designação de gênero e também, de forma mais ampla e sutil, na convivência diária com pessoas que se designam de maneira alheia às formas convencionais de masculino e feminino. Trata-se de investigar a validade da expressão linguagem inclusiva sob a ótica daqueles que procuram, no âmbito da linguagem e da expressividade do discurso, novas denominações capazes de melhor representar suas subjetividades. A resposta a esse anseio é a formação de palavras, tais como transgêneros, transexuais, sexualidade não-binária, pangênero, dentre outras. O tema é desenvolvido a partir da tentativa de investigar a semântica da expressão linguagem inclusiva, aqui considerada como uma das respostas à luta empreendida pelo movimento feminista. Segue-se breve discussão sobre a noção de gênero e sua relação com a linguagem, que conduzirá ao próximo tópico de discussão a respeito da semântica ideológica que sustenta a expressão linguagem inclusiva. Finalmente, tecem-se as considerações a que se chegou após as reflexões aqui propostas.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.